Wagner Gonçalves promete ‘viés inusitado’ no enredo da Inocentes

 

 

Os cinquenta anos da imigração sul-coreana no Brasil serão homenageados pela Inocentes de Belford Roxo em sua estreia no Grupo Especial. Na tarde deste sábado, a agremiação entregou a sinopse do enredo ‘’As sete confluências do Rio Han’’, que será desenvolvido pelo carnavalesco Wagner Gonçalves. Também neste sábado, uma comitiva de sul-coreanos visitou a quadra e pôde alguns desenhos de fantasias que a escola levará para a Avenida em 2013.

 

Leia a sinopse da Inocentes


Patrocinado, o tema chegou a bater à porta de outras agremiações antes de chegar à Belford Roxo, mas foi bem aceito por Wagner, que conta como recebeu a missão do presidente Reginaldo Gomes.


– Precisei fazer uma imersão na história, conhecer um pouco a Coréia do Sul, te confesso que não conhecia a história. Temos muitas informações que se misturam entre Japão, China e Coréia do Sul. O interesse de patrocinarem esse enredo é criar essas questões identitárias. Estou identificando isso primeiro e gostando muito do visual que me proporciona. Vou trabalhar da maneira que sempre faço e acredito, criar um grande espetáculo para agradar o público e o jurado. Pedi uma semana para me concentrar e conhecer direito a história. Fiz um mergulho dentro da Coréia para descobrir o que poderia ser carnavalizável ou não, até por uma questão de liberdade de expressão, mas vi que dava para fazer e estou muito envolvido –  contou ele.

O carnavalesco preferiu, por hora, não dar maiores detalhes de como irá desenvolver o enredo, mas afirma que o título revela ‘’um viés inusitado’’ que poderá ser conferido no domingo de carnaval em 2013. Já sobre a montagem da sinopse, Wagner revela que não quis fazer algo muito poético.

– Me pus no lugar deles. O tema está bem claro na minha cabeça. Montei um texto bem resumido, que é um texto que ainda vai ser discutido com os historiadores antes de ir para os jurados. Não quis fazer um texto que construísse uma poesia para não direcioná-los, vou deixa-los à vontade, de penderá do talento de cada um. Ano passado fiz um tema até mais poético, mas os compositores conseguiram captar a ideologia e trazer coisas novas. É o que eu espero este ano. Não sou compositor e nem entendo de música, então o talento deles precisa aparecer.

Com passagem pelo Grupo Especial – Mangueira, em 2011 – o artista sabe que as diferenças entre o Grupo Especial e o Acesso são imensas, ainda mais para uma escola que debutará na elite do samba carioca. Apesar disso, ele enxerga comprometimento da diretoria da Inocentes em mudar o rumo da histórias das agremiações que têm subido do Grupo nos últimos anos.
 

– Estamos com o planejamento um pouco atrasado. Era para mudarmos (para a Cidade do Samba) no mês passado, mas não mudamos porque vamos para o barracão da Porto da Pedra e eles ainda estão procurando um espaço. Isso vai muito da postura do presidente… A gente é empregado e o presidente é ambicioso. Modéstia à parte, fizemos um carnaval grandioso para o Grupo A. A escola deu um salto de qualidade com relação ao que vinha fazendo. A comunidade reconheceu isso e agora precisamos manter. Não podemos também dar um passo maior que a perna. É um processo feito por etapas, temos muitas coisas para conquistar nele: parcerias, novos torcedores e etc. Tenho consciência que estamos num nível bem diferente, muito mais competitivo.

Cada parceria que colocar samba na disputa da Inocentes este ano poderá ter até seis compositores. Os poetas terão duas reuniões para que possíveis dúvidas sejam tiradas: 28/06 e 19/07. A entrega de sambas está marcada para o dia 30 de julho, das 19 às 22h, na quadra. Já o início da disputa acontece no dia 03 de agosto.

Comente: