As dificuldades são mais visíveis para as escolas que compõem os Grupos Especial e Série A, porém todas as agremiações carnavalescas que participam dos desfiles na cidade do Rio de Janeiro atravessam uma crise sem precedentes. E com as escolas de samba mirins não é diferente. A redução e atraso no repasse de verbas destinadas através da prefeitura dificultam ainda mais a viabilização e desenvolvimento dos projetos culturais e sociais das 16 agremiações do Grupo Mirim que desfilam na terça-feira de carnaval encerrando o maior espetáculo da Terra no Sambódromo.

Visando auxiliar e reduzir o impacto da grandes despesas de suas filiadas à Associação das Escolas de Samba Mirins (Aesm-Rio) – por iniciativa de seu presidente, Edson Marinho e do Departamento de Eventos da entidade, fará no dia 27 de janeiro, às 13h, na quadra da escola de samba Estácio de Sá a roda de samba intitulada de ‘SOS Escolas de Samba Mirins – Não deixe o samba morrer’.

“Enquanto aguardamos a definição por parte da prefeitura do Rio de Janeiro no que se refere ao repasse da subvenção para as escolas mirins darem seguimento em seus barracões e ateliês para colocarem o carnaval na rua, não podemos ficar apenas no aguardo de verbas, doações ou qualquer outro tipo de ajuda. Temos de fazer nossa parte também, embora as agremiações mirins sejam as que mais necessitem desse valor destinado pela Riotur e sejam as mais desassistidas por parte das autoridades competentes no assunto. Estamos tomando a iniciativa pela manutenção de um desfile que emociona a todos que comparecem no Sambódromo. Nossas crianças necessitam da atenção e ajuda da prefeitura, da Riotur e de todos os sambistas. Por isso eu peço a todos: vamos comprar os ingressos que estão sendo vendidos a preços populares e prestigiar nossa roda de samba no domingo”, enfatizou o presidente da Aesm-Rio.

Segundo Écio Bianchi, diretor financeiro da Aesm-Rio, a única receita para que as agremiações possam confeccionar as fantasias e desenvolver as alegorias é através da verba repassada pela Riotur.

“A única fonte de receita é a verba que a prefeitura repassa para as escolas mirins. Uma quantia que não é suficiente para vestir, calçar e oferecer toda estrutura e suporte necessários para uma escola de samba mirim desfilar com o mínimo de componentes. E quando acontece a demora no repasse desses valores como está ocorrendo nesse momento a situação se torna alarmante. As agremiações não possuem patrocinadores e só conseguem apresentar carnaval com a subvenção. Por isso estamos questionando o atraso desses valores que para as escolas de samba mirins e as crianças é muito importante”, destacou.

Para Edson Marinho, a manutenção dos desfiles mirins é a garantia de que o carnaval carioca se perpetuará por décadas, devido o trabalho de base que as escolas desenvolvem com os futuros sambistas. Trata-se também da continuidade de uma manifestação cultural que já se tornou tradicional no carnaval do Rio de Janeiro. Por esse motivo uma carta manifesto será divulgada durante a roda de samba a respeito do descaso por parte da prefeitura do Rio de Janeiro e falta de empenho com as agremiações que desde a inauguração da Passarela do Samba participam dos desfiles.

“Não vamos deixar que acabem com um desfile que desde 1984 acontece no maior palco do carnaval carioca por descaso, falta de consideração ou desprezo. Queremos respeito! Estamos colocando as mãos na massa e correndo atrás literalmente de meios para as escolas mirins apresentarem seus carnavais na Avenida e estamos também aguardando o repasse da subvenção por parte da prefeitura e Riotur que há pouco mais de um mês para o carnaval, ainda não aconteceu. Necessitamos desse repasse de verba em tempo”, sinalizou o presidente da Aesm-Rio.

O evento contará com as participações de intérpretes do Grupo Especial, Série A e convidados pra lá de especiais, além dos sambistas do futuro. Muita alegria, descontração e apresentação de verdadeiros talentos do nosso samba e carnaval em prol das escolas formadoras de novos talentos. Todos interpretando clássicos do autêntico samba de raiz e relembrando os épicos sambas de enredo que entraram para a galeria de notáveis do carnaval carioca – sendo acompanhados pelo Grupo Família Samba na Veia. Entre as diversas atrações, já confirmaram presença os sambistas Marquinhos Diniz, Gabrielzinho do Irajá, Wanderley Monteiro, Dorina, Enzo Belmonte, Grupo Swing Carioca e Grupo Só Raiz.

O valor do ingresso custa R$ 15 com direito a um prato de macarronada e pode ser adquirido na secretaria da Estácio de Sá de segunda a sexta-feira das 10h às 19h, localizada na Av. Salvador de Sá, 206 – Estácio, ou diretamente nas quadras das escolas de samba mirins com os próprios diretores das agremiações. No dia do evento os ingressos também poderão ser adquiridos pelo mesmo valor. Maiores informações através do telefone (21) 2504-2883.

Serviço:

Roda de Samba SOS Escolas de Samba Mirins – não deixe o samba morrer

Participações especiais: Gabrielzinho do Irajá, Dorina, Enzo Belmonte, Marquinhos Diniz, Wanderley Monteiro e intérpretes de escolas de samba do Grupo Especial e Série A

Data: 27 de janeiro de 2019 (domingo)

Horário: 13 horas

Ingresso: R$ 15 (com direito a prato de macarronada)

Local: Quadra do G.R.E.S. Estácio de Sá – Avenida Salvador de Sá, 206 – Estácio.

Informações: (21) 2504-2883.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui