Fechando o segundo setor da escola, a alegoria “O Encantamento de Dom Sebastião na Batalha de Alcácer Quibir” foi um dos destaques do desfile da Paraíso do Tuiuti. Todo o carro, incluindo grandes esculturas de cavalos, foi coberto por uma textura artística que, com a iluminação especial, reproduziu com perfeição os areias do deserto marroquino. Na região se desenrolou a batalha que levou à derrota do exército comandado por Dom Sebastião e o misterioso desaparecimento do monarca. Com o trágico resultado da batalha, o Rei, que ganhou uma figura central na alegoria, passou a viver nas lendas e no imaginário popular pelos mais diversos recantos do mundo.

O embate entre soldados mouros e cristãos foi representado pelas composições da alegoria da Tuiuti.

Alexandro Borges, 37 anos, desfila há 11 anos na Sapucaí. Ele aceitou o convite para integrar a segunda alegoria da Tuiuti após conhecer a proposta da escola.

“Fiquei encantado com o trabalho desenvolvido pelo carnavalesco João Vitor Araújo. Assim que eu vi o volume e a textura do carro, tive a certeza de que viríamos pra disputar o título, não só pra ficar entre as campeãs. A escola está com sangue nos olhos”, afirmou o componente.

Alexandro representou um soldado mouro: “Fui vencedor na batalha no deserto do Marrocos e agora quero vencer na avenida também!”

Álvaro Junior, de 44 anos, desfilou pela primeira vez na Sapucaí. Ele contou como foi preparada a performance executada no carro. “Ensaiamos duas vezes por semana por mais de dois meses. Já simulamos a batalha na Cidade do Samba. A alegoria ficou maravilhosa com esse cenário tão realista do deserto. Entro orgulhoso para esse desfile. Os cristãos perderam a batalha mas na Tuiuti todos vieram pra ser vitoriosos. Eu tenho certeza de que a escola volta no desfile das campeãs”, apostou Álvaro.

Comentários