Por Guilherme Ayupp. Fotos de Allan Duffes e Magaiver Fernandes

O carnavalesco Alex de Souza deixou a avenida depois do desfile do Salgueiro com o seu melhor trabalho desde 2014, quando levou a União da Ilha ao quarto lugar. Na madrugada desta segunda-feira de carnaval a Academia do Samba encantou o público presente no Sambódromo, tamanho o bom gosto de Alex em alegorias e fantasias.

Entretanto, as chances de título podem ficar reduzidas devido aos erros no quesito evolução. Pelo menos dois buracos na altura dos módulos de julgamento. E um andamento de desfile irregular ao final da pista. Fatores que podem custar décimos valiosos ao Salgueiro na briga pelo campeonato.

Comissão de Frente

Uma das comissões de melhor leitura que passou pela avenida. Tão simples de entender que sequer precisou do auxílio do roteiro de desfile para compreender do que se tratava. A apresentação tinha quatro partes. Elas representavam a chegado do circo a Pará de Minas, onde nasceu o homenageado da escola, Benjamin de Oliveira. Depois a finalização com o seu nome como um dos grandes na arte brasileira. No segundo módulo de julgamento ao coroar o personagem que representava Benjamin, a coroa caiu na frente da comissão julgadora.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Sidclei e Marcella desfilaram representando a roupa mais formal do universo circense: a casaca. Na saia da porta-bandeira, referências ao Salgueiro e à lona que fica sobre o picadeiro. A dupla passou com correção pelas cinco cabines de julgamento, demonstrando toda a categoria e entrosamento que se acostumaram a exibir.

Enredo

O Salgueiro se propôs a contar a história de Benjamin Oliveira através da chegada do circo na cidade natal do homenageado, Pará de Minas. A partir dos setores apresentados, Alex de Souza conseguiu passar sua proposta com clareza. Destaque para a abertura e o encerramento do desfile. Na última alegoria da agremiação um personagem com o mesmo figurino e maquiagem daquele visto na comissão de frente representado Benjamin, como se ele voltara. Narrativa de construção muito coerente e bem conduzida. Muita leitura nas alegorias e fantasias, sem perder a beleza estética.

Fantasias

Alex de Souza possui muitos trabalhos a serem observados devido ao seu bom gosto nos figurinos. No desfile do Salgueiro de 2020 o artista mostrou toda a sua versatilidade ao oferecer um conjunto maravilhoso de fantasias. Materiais muito bem combinados que foram transformados em figurinos completos, volumosos e muito bonitos. Podemos destacar as alas “solte suas feras”, “Peri – o Guarany”, “A viúva alegre – opereta”, “clown” e “Ride palhaço’ como as que mais se destacaram no conjunto.

Alegorias

O trabalho alegórico do artista merece destaque também. Primeiro por construir carros alegóricos belíssimos que permitiam a fácil leitura do enredo. O abre-alas, que mostrava um cortejo circense, tinha muitas esculturas e recursos visuais. Entretanto o acabamento de um dos elefantes estava mal feito. O jurado do quesito localizado na quinta cabine de julgamento fez anotações e fotografias da alegoria. A sequência de carros tinha bom acabamento. Destaque para o último, que emocionou a todos com figuras negras na alegoria.

Evolução

O quesito mais problemático da apresentação salgueirense. Primeiro por dois buracos abertos em dois pontos da pista, que pode representar a perda de décimos em pelo menos três cabines. Outro fator que vale registro foi a irregular evolução na cabine dupla de julgamento localizada no setor 10. A escola passou extremamente acelerada pelo local até a bateria entrar no recuo. Após isso houve um excesso de lentidão que só foi melhorar quando a apresentação chegou aos 40 minutos.

Harmonia

A comunidade salgueirense novamente deu um show na avenida. Não é possível apontar uma única ala em que os componentes não tenham cantando a plenos pulmões. Se dependesse dos desfilantes salgueirenses a escola estaria com a taça de campeã do carnaval na quarta-feira de cinzas.

Samba-Enredo

O samba-enredo do Salgueiro, que recebeu algumas críticas no período pré-carnavalesco, atendeu aos parâmetros básicos exigidos pelo manual de julgador. Contou o enredo com correção, com uma bela letra e sua melodia possibilitou uma boa evolução e harmonia. Os problemas ocorridos foram no aspecto de técnica de desfile e não de rendimento da obra.

Outros Destaques

O carro de som veio todo fantasiado de animais circenses. A ala de baianas esteve com a cara do Salgueiro, com uma fantasia belíssima. Ailton Graça arrancou aplausos do público por onde passava. O mesmo fenômeno observado com a rainha de bateria Viviane Araújo. O desfecho do desfile do Salgueiro mexeu bastante com o público nos últimos setores.

Comentários