Com objetivo de empretecer o pensamento, como propõe o enredo para o próximo Carnaval, a Beija-Flor de Nilópolis convidou três artistas para formar uma equipe de criação responsável por contribuir com o desfile da escola. O trio, que tem ampla experiência na criação de fantasias e alegorias para a folia, irá atuar em conjunto com o carnavalesco Alexandre Louzada, que assina o segundo desfile consecutivo após seu retorno à agremiação azul e branco. O tema, divulgado em junho, é uma construção coletiva e foi intitulado “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”. Através dele, o público da Marquês de Sapucaí irá acompanhar — quando a realização do evento for possível, devido à Covid-19 — uma exaltação à intelectualidade negra, tornada invisível em inúmeros momentos da história do Brasil.

“Fazer parte desse projeto é se orgulhar de ser negro e estar dentro de uma das maiores escolas de samba do país”, classifica Fabynho Santos, de 40 anos, que começou a trabalhar em 1998 pela Beija-Flor:

“O que mais me encanta no convite, além do enredo, é a liberdade de criação que encontramos no trabalho com o Alexandre. Ele não é taxativo e pensa fora da caixinha, para além das plumas e paetês”.

Beija-Flor reúne artistas negros em equipe de criação para enredo sobre 'empretecer o pensamento'
Time será responsável pela elaboração de desfile assinado pelo carnavalesco Alexandre Louzada. Foto: Eduardo Hollanda

Nos bastidores do barracão da Beija-Flor, na Cidade do Samba, Santos carrega a bagagem de um currículo que inclui trabalhos com o próprio Louzada, Cid Carvalho (carnavalesco da Beija-Flor no Carnaval passado), Joãosinho Trinta, Milton Cunha e Mauro Quintaes. O artista acumulou passagens por São Clemente, Império da Tijuca, Unidos de Padre Miguel e agremiações de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, e do Espírito Santo. Desde 2018, atua na confecção de fantasias para a comunidade nilopolitana, incluindo figurinos de destaques e composições de alegorias.

Outro integrante do grupo de criação, André Rodrigues, de 29 anos, também soma trabalhos em escolas de samba cariocas e de outra localidade. Figurinista e projetista há 13 anos, ele já atuou na Unidos de Vila Isabel, Grande Rio, Mocidade Independente de Padre Miguel, União da Ilha e Império Serrano, bem como nas paulistas Vai-Vai e Mocidade Alegre. Hoje, além do novo trabalho na Beija-Flor, é responsável pelos desfiles da Acadêmicos do Sossego e da Mocidade Unida da Mooca, essa última na chamada “Terra da Garoa”.

“Faz um tempo que tenho vontade de trabalhar na Beija-Flor e esse convite foi irrecusável”, conta Rodrigues, que também já esteve em um time comandado por Louzada, completando:

“Esse enredo tem tudo para ser um grande marco na narrativa preta nos desfiles de escola de samba e do entendimento do nosso papel na construção inteligente dessa sociedade. Nós ,negros, além de representatividade, procuramos igualdade e reparação histórica”.

Quem completa o trio é Rodrigo Pacheco, de 36 anos, que possui 15 anos de experiência em criações para a Passarela do Samba, começou a carreira na Vila Isabel e, depois, integrou a hoje extinta Comissão de Carnaval da Beija-Flor. Ele também já trabalho com Louzada.

“Fazer parte do momento em que a escola levará para a Sapucaí um enredo com tamanha relevância é um privilégio para qualquer artista”, completa Pacheco, fazendo coro aos colegas.

Apresentação virtual

Com o objetivo de aproximar a equipe de criação da comunidade e dos admiradores da Beija-Flor, a escola promoverá na próxima quinta-feira, 16, uma transmissão ao vivo com os membros, junto com o carnavalesco Alexandre Louzada. O papo, marcado para começar às 14h, acontecerá no barracão da Deusa da Passarela e contará com perguntas feitas por torcedores por meio das redes sociais.

Os encontros virtuais têm sido a alternativa escolhida pela Beija-Flor para manter seu calendário de atividades. Desde março, quando foram implementadas pelas autoridades as medidas de distanciamento social para o combate ao coronavírus, a agremiação realiza digitalmente uma série de transmissões ao vivo, assim como coletivas de imprensa, e publicações que mantêm o engajamento de seus apaixonados.

Ainda não há previsão de retomada dos trabalhos presenciais, que aguardam uma definição da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) sobre a data de realização da festa.

Comentários