Crianças e adolescentes ligados à Beija-Flor por meio do instituto de ações sociais amparado pela escola estiveram no palco da quadra da azul e branca em Nilópolis, no sábado, para celebrar o Dia da Consciência Negra. Eles participaram de uma esquete teatral relacionada ao enredo “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”, que será apresentado na Marquês de Sapucaí ano que vem.

Foto: Eduardo Hollanda/Divulgação

Organizada pela porta-bandeira Selminha Sorriso, que também atua na direção cultural da agremiação, a iniciativa transformou cerca de 30 crianças em atores e atrizes por um dia. Diante das próprias famílias e de segmentos da Beija-Flor, todos sob os cuidados de protocolos contra a Covid-19, os artistas mirins encararam — com coragem e talento — a missão de encenar situações racistas vividas em sala de aula, ambiente em que convivem diariamente, e explicar ao público o que há de errado em cada uma delas.

Foram discutidos, por exemplo, o viés racista embutido na utilização de expressões como “denegrir” e “a coisa ficou preta”, bem como “cabelo pixaim” e outras referências a pessoas de pele preta e seus traços físicos. Tudo de maneira didática e com foco na relevância da discussão: a plateia foi lembrada, mais de uma vez, que racismo é crime e que as escolas públicas são obrigadas por lei a ajudar a combatê-lo através do ensino da história afro-brasileira aos estudantes.

O conteúdo foi transmitido online, por meio do YouTube, em parceria com a produtora Fitamarela, para garantir que os ensinamentos do roteiro, escrito pela dançarina, possam ser amplamente acessados e difundidos.

Ao abrir os trabalhos, Selminha discursou à comunidade da Beija-Flor, enalteceu os profissionais negros da escola (incluindo o presidente Almir Reis, um dos poucos negros entre os dirigentes do Grupo Especial do Carnaval carioca) e explicou a intenção por trás da peça:

— Nossa turma, formada no Instituto Beija-Flor, não é de atores e atrizes profissionais, mas preparou um espetáculo muito bonito para explicar assuntos importantes para a escola, para o Carnaval e toda a população negra. É uma mensagem que precisa chegar à sociedade brasileira, ainda mais num dia como o de hoje — disse Selminha, vestida com um turbante, acessório que remete à ancestralidade em culturas afro.

Além de Selminha e das estrelas da festa, estiveram no palco da Beija-Flor figuras como Rodrigo França, ator e diretor teatral; Katiúscia Ribeiro, filósofa e Flávia Oliveira, jornalista com atuação na GloboNews e no Jornal O Globo. Eles foram homenageados pela porta-bandeira e estão entre as personalidades negras convidadas pela Beija-Flor para desfilar em 2022.

Há um ano, também no Dia da Consciência Negra, a Deusa da Passarela iniciou sua disputa de samba para o próximo Carnaval, em busca de uma trilha sonora que embalasse sua apresentação sobre a intelectualidade das pessoas pretas. Recentemente, em outubro, foi escolhida no programa “Seleção do Samba”, da TV Globo, a obra da parceria do compositor J. Velloso (em memória). Os ensaios de canto para componentes estão acontecendo todas as quintas, às 21h, também na quadra.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.