A Mancha Verde abriu na noite da última sexta-feira o segundo fim de semana de ensaios técnicos do carnaval paulistano. O ensaio da escola alviverde foi marcado pelo discurso do presidente Paulo Serdan, onde o mandatário falou para a comunidade esquecer o treino e apenas brincar na avenida. Apesar disso, deu para ver uma Mancha Verde organizada na pista. Teve show pirotécnico nas arquibancadas e realmente uma festa dos componentes e torcedores da escola. Porém, mesmo com toda essa folia e leveza, deu para fazer uma grande análise dos quesitos neste ensaio. * VEJA AQUI FOTOS DO ENSAIO

Harmonia

A comunidade da Mancha Verde é conhecida por cantar bastante em todos os ensaios. No último treino de quadra, a escola teve um problema de luz e som no ambiente, mas os componentes não pararam de cantar o samba e, por isso, foram muito elogiados pelo presidente Paulo Serdan no mesmo dia. Esse acontecimento, somado ao discurso do presidente no ensaio técnico (citado acima), fez a escola entoar o hino de 2022 ainda mais. Foi nítido. Em todos os setores, o volume foi bastante alto e elogiado por Bruno Ferrari, integrante de comissão de harmonia.

Foto: Felipe Araujo/Divulgação Liga-SP

“Nós nos surpreendemos, porque a escola compareceu em peso, entendeu o recado e respondeu com maior animação e alegria. Todos os componentes emocionados em voltar depois de dois anos aqui no Anhembi, ensaiamos com muita alegria, foi o que a diretoria pediu e eles atenderam. Viemos tirar uma onda, teve gente muito emocionada e que até passou mal. Foi um ensaio maravilhoso. Lógico que tem detalhes a serem acertados, mas isso é o básico”, disse.

Paulo Serdan, presidente da agremiação, falou sobre a paradinha que a escola realizou durante o ensaio técnico. O carro de som e a bateria pararam e, o intérprete Freddy Vianna, só ditou o ritmo do samba.

“Na verdade, não estava combinado isso. Eu falei com o mestre Guma e nós fizemos na hora. Hoje, depois de dois anos, é a primeira vez que a comunidade pisa aqui e, foi o que eu falei, nós não nos preocupamos com o tempo. Lógico que alguma coisa vimos com a comissão de frente, mas temos que deixar o pessoal passar a vontade”, comentou.

O presidente também aproveitou para dizer que a escola está praticamente pronta há um tempo. “Nós estamos finalizados há muito tempo. É que depois da saída do Jorge, nós inventamos outras coisas, mexeu em outras, mas graças a Deus, estamos prontos há um bom tempo já. Quando todos estavam na dificuldade, nós tínhamos um recurso e continuamos trabalhando, mantendo nosso pessoal e deu para dar uma ajuda legal”, completou.

Mestre-sala e porta-bandeira

O casal Marcelo Silva e Adriano Gomes, vencedores do último prêmio Estrela do Carnaval, teve um desempenho satisfatório. Na apresentação para as torres de jurados, mostraram sincronia, leveza e sorriso no rosto. Nos demais terrenos do Anhembi, foi visto que o casal deu uma “segurada”. A porta-bandeira avaliou o ensaio. “Estamos montando a coreografia tem um ano e meio. A gente colocou na avenida para ver se vai dar certo. Mas já entendemos que tem coisa que a gente vai ter que trocar daqui uma semana. Mas o ensaio é para isso, para ver se vai dar certo no conjunto da obra. Uma coisa é a gente vir aqui toda semana e fazer o nosso ensaio especifico sem a escola junto. Com a escola junto a gente precisa ver se o andamento vai dar certo ou não. Vamos trocar algumas coisas de posicionamento, tanto da posição de jurado, para a gente vir no próximo ensaio mais perfeito. A gente tem uma coesão na nossa dança muito forte, que é o sincronismo. Se a gente perder isso, não vai tirar nota. Para o próximo ensaio, a gente vai trabalhar muito isso, é o nosso posicionamento de saída do jurado. Perante a posição que a gente está na escola hoje. É uma coisa pouca, dá para fazer a partir de amanhã”.

Foto: Felipe Araujo/Divulgação Liga-SP

Wagner também analisou o ensaio e citou uma lesão na perna. “Na verdade, é isso que a Adriana falou. A gente está há um ano ensaiando. Hoje, a gente colocou em prática o que a gente tem ensaiado com o andamento da escola. A gente vai ter que adaptar ao andamento. Deu 100% certo? Não, não deu. Como a Adriana disse, trabalhar com a sinceridade. Mas agora é trabalhar com o andamento da escola também que é preciso. A nossa apresentação, a dança em si para esse carnaval está pronta. Agora é adequar a dança ao andamento da escola. Para mim é minha perna melhorar. Estou com probleminha na perna, mas estou treinando para o carnaval. Estou fazendo uma fisioterapia e até lá vai dar tudo certo, se Deus quiser”, finalizou.

Samba-enredo

O hino da Mancha Verde para o desfile é bastante leve em sua melodia. Atende muito bem a proposta do enredo e possibilita a comunidade de entender com facilidade e cantar forte. Destaque para a última estrofe do hino. A mais cantada pelo componente. “A terra, deixando o clamor pra humanidade, a nobre missão de preservar, nosso futuro e nosso lar”. Os refrões também são bastante cantados. Prova essa, vista no ensaio técnico. O carro de som, comando pelo intérprete Freddy Viana, vem muito bem treinado há tempo. Destaque para as segundas vozes que eles fazem durante o canto. Freddy Viana analisou o treino e exaltou o samba.

Foto: Felipe Araujo/Divulgação Liga-SP

“Sou suspeito para falar. Acho o samba da Mancha Verde um dos melhores do ano, e um dos melhores que a escola já teve, na história da Mancha. Ainda não tivemos a oportunidade, vai acontecer é claro, de sambar com esse samba, alegorias e tudo mais. Mas olha, vou te falar, minha ala musical juntamente com cordas e cantores eles são apaixonados pelo samba, e estão fazendo um trabalho magnífico. Eu tenho certeza que
esse Anhembi vai balançar com o samba da Mancha. Sempre pode melhorar alguma coisinha né? Sou muito chato com detalhes, e o som mesmo não ajudou muito. A gente tem um som sem um retorno da avenida. No segundo ensaio isso aí já será colocado, o som será posto na avenida. E nós vamos corrigir eventuais falhas, mas como falei, sou muito detalhista, e são coisinhas mínimas que iremos resolver, vamos arrebentar com o
samba”, explicou.

Foto: Fábio Martins/Site CARNAVALESCO

O cantor também exaltou a escola e a saudade que estava de ensaiar no Anhembi. “Ponto alto foi a escola toda, a escola está vibrando, está com vontade, como o carnaval de São Paulo inteiro está com vontade de pisar nesta avenida. E a Mancha não é diferente, e ela tem uma essência diferente, que ela é uma escola guerreira, de chegada, e nós vamos chegar. Saudade tremenda, a cada samba que eu fazia um esquenta ali eu me arrepiava mais e mais. E saber que nós estamos de volta, que o samba resistiu, é a melhor coisa do mundo. A gente tem que agradecer papai do céu por isso, que nós estamos vivos e estamos cantando, celebrando, mais uma vez o nosso samba”, afirmou o cantor.

Bateria

A batucada Puro Balanço, comandada por mestre Guma, teve um bom desempenho neste ensaio. Executou as bossas corretamente. Mas, o ponto alto foi o momento em que realizaram a paradinha dentro do samba, deixando a comunidade da Mancha Verde cantar sozinha. Destaque para a bossa da última estrofe que é emendada com o primeiro refrão. O desenho do tamborim e os chocalhos também se sobressaem dentro da batucada. Vale ressaltar que a bateria irá desfilar no primeiro setor da escola. Pelo menos é o que foi mostrado neste ensaio. Meste Guma, diretor de bateria da escola, enalteceu a energia da escola.

“Acho que no geral, assim, o que contou mais foi a vibração da volta. A volta tão esperada de juntar a escola na avenida. A gente ficou um bom tempo parado, praticamente 2 anos. A gente está falando do mesmo carnaval, o mesmo samba. Dentro de casa a gente cansa um pouco. A gente estava com essa sede de sair e ver o que ia acontecer aqui. E hoje, a minha avaliação, nem tecnicamente porque na bateria a gente sabe que passou bem, passou legal, mas a energia, a atmosfera que estava hoje na avenida, assim, surreal. Eu senti isso no geral. Meu ponto positivo, destaque, vai pra energia da galera. Todo mundo cantando, motivado, vibrando, principalmente na bateria. Meu destaque é esse”, disse.

Foto: Felipe Araujo/Divulgação Liga-SP

Guma também avaliou o ensaio e falou sobre as bossas que a bateria vem realizando. “Sempre tem coisas a melhorar. Agora, a gente vai pra casa, esfria a cabeça, abaixa a adrenalina. A gente vai assistir o que vem de material pra avaliar e conversar com a diretoria. Mas sempre tem pontos pra gente acertar até o dia do desfile. A gente tem mais um ensaio técnico, temos ensaio na quadra também. Tudo que a gente vai apresentar já executamos aqui. Viemos de um processo longo e cansativo, então não tem segredo, não tem mistério. A gente está trabalhando em cima do regulamento, pra cumprir as obrigações, pra tirar nota, pra somar com todos os quesitos. São duas bossas que nós fizemos. Como no critério tem a pontuação de criatividade, a gente acabou juntando essas duas bossas em uma só, mas em trechos diferentes do samba, uma no começo do samba e uma no final. Ouvindo parece que tem mais coisas, mas terão duas bossas”, explicou.

Foto: Fábio Martins/Site CARNAVALESCO

Evolução

Apesar da escolar ter “brincado”, como indicado pelo presidente Serdan, a evolução da escola foi correta. Não houve buracos, os espaçamentos entre um componente e outro dentro das alas, estavam corretos e os harmonias das escolas, ficavam orientando a comunidade durante todo o percurso. Queira ou não, alguns componentes, vão para o ensaio com a mentalidade de ensaiar e executar tudo corretamente, mas com o discurso, talvez esse peso das costas tenha sido tirado e o folião tenha se soltado devido a isso. Vale ressaltar que o espaçamento das fitas que compõe o tamanho das alegorias, foi bem executado e não influenciou no andamento da escola.

Foto: Fábio Martins/Site CARNAVALESCO

Outros destaques

O ensaio começou com o esquenta da bateria. Após foram cantados os sambas de 2019, ano do título da escola, e o hino de 2020. Depois disso, já partiram para a arrancada. Como a Mancha Verde foi a escola solitária a fazer o ensaio técnico nesta sexta-feira, uma talvez liberdade maior, pois o ensaio começou alguns minutos depois de 21h45 (horário marcado para o início). Destaque importante: Aparentemente, a comissão de frente, vem simbolizando algo referente à cultura afro. Em sua maioria, a ala é composta por mulheres.

Foto: Fábio Martins/Site CARNAVALESCO

Portanto, foi um ensaio satisfatório e agradável de assistir para quem estava no Sambódromo do Anhembi. Como dito anteriormente, a escola foi induzida pelo presidente Paulo Serdan, a brincar na avenida e, realmente, essa foi a tônica do primeiro ensaio técnico da Mancha Verde visando seu desfile de 2022.

Comentários