A Estrada do Galeão foi palco para o último ensaio de rua da União da Ilha antes de voltar à Marquês de Sapucaí para o treino oficial de preparação para o desfile da Série Ouro. No Grupo de Acesso, depois de 11 carnavais no Grupo Especial, a Azul, Vermelha e Branca insulana reuniu um bom público e um bom número de componentes no Cacuia, apesar de no mesmo horário acontecer a primeira partida da final do Carioca entre Flamengo e Fluminense. Por isso, a escola veio um pouco menor como imaginava o presidente, mas com muita garra e muita vontade de voltar ao Especial cantando muito o samba, impulsionado por Ito Melodia que incorporou, mais uma vez, e animou todo mundo.

A “Baterilha”, dos mestres Keko e Marcelo, trouxe para o ensaio uma surpresa que a dupla pretende apresentar na Sapucaí. Em um enredo religioso como esse, homenageando Nossa Senhora Aparecida, nada mais sonoro e dentro do contexto do que um grandioso sino, igual aqueles de igreja. E, ele era utilizado em uma das bossas. O presidente Ney Filardi era um dos mais empolgados com o artifício, e comentou em entrevista ao site CARNAVALESCO, antes do início do ensaio.

“Olha, a expectativa é muito boa, é evidente que em função do jogo, provavelmente vai tirar alguns componentes. O que não vai acontecer nem no ensaio técnico e nem no desfile oficial. Hoje, prestem atenção na bateria que teremos uma surpresinha hoje”.

Já o diretor de carnaval, Dudu Azevedo colocou o trabalho em equipe da escola como grande destaque do ensaio que terminou no estacionamento da quadra da União da Ilha do Governador.

“Gostei muito do ensaio. Canto da escola muito forte. Escola quase completa, muito bem preparada para ir sábado lá para Marquês de Sapucaí. Como destaque, eu acho que a gente está fazendo um trabalho de equipe tão grande, que é difícil a gente destacar algo. Se eu pegar desde o começo da escola, eu dou destaque para a comissão de frente, contagiando todos que assistiam, Danielle e Marlon, que dança maravilhosa que eles estão fazendo. Bateria toda redondinha e encaixado com o carro de som, com o Ito Melodia, hoje a gente estaríamos preparados para fazer um grande desfile. O samba abraçado por toda a comunidade. O Ito e a bateria inflamam a escola para cantar”.

A comissão de frente, de Priscila Motta e Rodrigo Negri, esteve presente ao ensaio. Antes do samba, Ito e o carro de som cantaram a música “Nossa Senhora” e trocaram o trecho que pede a santa para cuidar da “minha vida”, para “minha Ilha”.

Harmonia e Samba-enredo

O canto da escola foi muito bom. A comunidade da Ilha do Governador cantou com emoção, intensidade, impulsionada por Ito com seus famosos cacos, todos dentro do momento e que eram importantes para trazer aos componentes a responsabilidade de não deixar cair o samba. Talvez, algum ponto mínimo de correção seja nas alas após o segundo casal, algumas coreografadas que cantavam menos, mas nada que possa comprometer, e bastante fácil de corrigir.

A comissão de harmonia da escola é formada pelo quarteto Lucas Martins, Nancy Martins, Marcelo Marques e Vinícius Nogueira. Lucas e Nancy falaram à reportagem do CARNAVALESCO sobre a avaliação do canto da comunidade e o entrosamento com o carro de som.

“Sempre pode melhorar né? A gente teve dois ensaios de rua, a gente tem procurado compactar bastante a escola, puxar o canto do pessoal, a gente está satisfatoriamente bem no canto, mas ainda temos que fazer alguns ajustes. E sábado, com a proteção de Deus e Nossa Senhora Aparecida, nós vamos dar um show na Avenida”, entende Nancy.

“O Ito ajuda muito, ele chama o componente, ele levanta o público, levanta os componentes a fazer a evolução deles, a cantar forte”, completa Lucas Martins.

Ito Melodia, mais uma vez, se entregou de corpo e de alma no ensaio. Ele avaliou o trabalho realizado com a comunidade e os próximos passos. “Muito feliz por tudo que está acontecendo. Carro de som pesadíssimo. Hoje recebemos também a Gi (Guedes) do Grupo Entre Elas, que vai estar se juntando ao grupo do carro de som, voz fantástica. Então, assim, a comunidade está cantando muito. Os componentes mostrando o amor pela escola, por esse samba e por esse enredo. Eu tenho certeza que as pessoas na Sapucaí vão chorar, vão se emocionar, vão querer descer da arquibancada para desfilar pela Ilha, porque será um ensaio técnico como no desfile oficial. A União da Ilha vai mostrar o porquê ela tem que voltar para o Especial e está preparada para isso”, finaliza Ito.

Mestre-sala e Porta-bandeira

Com bastante elegância com a roupa predominantemente na cor azul, Marlon Flores e Danielle Nascimento não se pouparam e fizeram um ensaio com bastante intensidade. Em uma bossa que lembrava um Ijexá, os dois realizaram um passo de dança de religião de matriz africana. Marlon também chamou a atenção por um leque vermelho que usava para cortejar Danielle em movimentos suaves e entrosados.

Marlon comentou sobre a importância do treino na rua para a preparação para o desfile. “Hoje, o nosso segundo ensaio de rua, para nós mestre-sala e porta-bandeira, é muito bom, pois nós podemos estar executando um trabalho para a cabine de jurados, aqui a gente consegue fazer o nosso tempo de desfile, consegue fazer a situação de todas as paradas técnicas e onde a gente consegue ver se tem ainda alguma coisa para ajustar e levar o que tem de melhor para o desfile. É onde a gente consegue sentir o parâmetro, ver se o público está gostando da nossa evolução, ver onde a gente pode trabalhar, onde o público gostou, insistir, e abraçar a proposta da escola e levar para a Sapucaí”, explica.

Danielle falou sobre em que nível está a preparação do casal. “Agora a gente está limpando só alguns movimentos, limpando as finalizações. Ensaiamos com a fantasia já, a fantasia está linda, maravilhosa, boa de se dançar, fiquei muito feliz ontem”, revelou.

Bateria

A “Baterilha” trouxe o sino como grande surpresa, bem marcado dentro do andamento e da bossa, mas não foi o único trunfo dos ritmistas comandados pelos mestres Keko e Marcelo. No trecho do samba que diz “Banhei seu rosário com axé, Na gira de candomblé, com Oxum na cachoeira”, os ritmistas tocavam um Ijexá. E no refrão principal, em alguns momentos, a bateria parava, marcando o tempo só com as baquetas e deixando os componentes cantarem. E, no trecho “Salve Imaculada Conceição”, a bateria prestava uma reverência a Nossa Senhora, com os ritmistas abaixando.

“Graças a Deus a bateria mais uma vez está em peso, e é muito bom, porque a gente consegue aqui acertar os últimos detalhes, de bossa, de andamento. Hoje, por exemplo, nós vamos ensaiar uma bossa que nós ainda não tínhamos conseguido ensaiar na rua, uma bossa que vai ter um efeito interessante, que tem a ver com o enredo. E, além disso, é bom para o bairro, porque hoje virou uma tradição do bairro, o ensaio de rua movimenta o comércio, e fica todo mundo feliz”, explicou mestre Marcelo alguns minutos antes do ensaio para a reportagem do CARNAVALESCO.

Mestre Keko revelou que foi ao barracão da escola e se surpreendeu com o resultado. O comandante da “Baterilha”, junto com mestre Marcelo, também avaliou como positivo o ensaio. “Hoje mesmo foi o primeiro dia que eu estive no barracão e estou maravilhado com o que eu vi lá dentro. Quando a gente sai do Especial, é uma renovação, é um novo ciclo, mas Graças a Deus a gente sempre teve o pé no chão, a gente é bastante consciente da nossa estabilidade. A bateria vem trabalhando já dos estados de quadra, aqui na escola há bastante tempo, e como a gente tem uma bateria que eu posso dizer de 70 a 80 por cento da galera Insulana, da Ilha, isso já me conforta. É lógico que eu não vou dar nota 10, porque que seria eu para dar isso, mas estou confiante, é sempre que a gente tem que querer mais, a gente só vê de verdade no dia da Avenida, no dia da Avenida a gente incorpora, e acredito que a gente vai fazer um carnaval de uma forma bem positiva”.

Evolução

O ensaio foi realizado em um dos sentidos da Estrada do Galeão, e apesar de ser um pouco apertado, as alas, comissão de frente e casal conseguiram evoluir bem. O único problema em alguns momentos era a grande quantidade de gente que acompanhava no canteiro e às vezes atravessava um pouco a pista, o que de certa forma é comum em ensaio de rua e difícil de evitar. Quase todas as alas carregavam algo na mão, o que dava um bonito efeito com as cores da escola, em geral muitas vezes era uma espécie de cajado ou lança. Mais para os últimos setores deu para perceber a presença de alas coreografadas se utilizando destes cajados para a realização da coreografia.

Para o diretor de carnaval, Dudu Azevedo, a escola gabaritou tanto harmonia quanto evolução e está preparada para dar continuidade ao trabalho para o desfile. “A gente treina muito na rua harmonia e evolução e eles têm sido 100 por cento, vamos ver agora sábado, creio que a escola está muito bem preparada e faremos um grande ensaio na Marquês de Sapucaí”, promete o diretor.

A União da Ilha vai realizar seu ensaio oficial na Marquês de Sapucaí no próximo sábado, sendo a segunda escola da noite a desfilar no sambódromo. Com o enredo “o vendedor de orações”, a agremiação insulana será a quinta a desfilar na primeira noite da Série Ouro.

Comentários