A abertura do desfile da Vila Isabel sobre Brasília, a capital federal, incluirá não apenas um abre-alas de grandes proporções — já aguardado anualmente pelo torcedor da escola — como também o bailado do casal de mestre-sala e porta-bandeira Raphael Rodrigues e Denadir Garcia, cuja apresentação encontra inspiração em elementos de grandes espetáculos de dança. No terceiro ano trabalhando juntos, a dupla conta com auxílio da coreógrafa Ana Formigheri.

“Raphael e Denadir são um casal com alguma maturidade. O carnaval tem pessoas novas e cheias de talento vindo aí, mas eles se encaixam numa categoria de pessoas que já estão escrevendo sua história há um tempo. No ano passado, além da dança dos dois, funcionou muito bem o entrosamento que criamos entre a coreografia deles e os guardiões que selecionamos. No desfile deste ano, faremos isso com um pouquinho mais de ousadia”, explica Ana, que é coreógrafa do casal desde 2018 e atua há uma década na área.

Os guardiões que desfilam com Raphael e Denadir são um grupo de componentes responsável por garantir a segurança do casal, impedindo que curiosos se aproximem do pavilhão enquanto ele cruza a Avenida carregado pela porta-bandeira. A essência da defesa da bandeira segue a cargo do mestre-sala, mas o conjunto de componentes assume a função de guardar todo o perímetro no qual eles dançam em frente à cabine de jurados. Trata-se de uma tarefa das mais nobres, incorporada inclusive no enredo: guardiões desfilam muito bem fantasiados, a exemplo do próprio casal, e ajudam a contar a história proposta pela agremiação.

“A função do guardião também é abrilhantar a dança, sem interferir ou atrapalhar. Os jurados costumam assistir cenas de espetáculos maravilhosos, como os do Theatro Municipal, em que há toda uma composição cenográfica. E nós podemos proporcionar isso no Sambódromo, criando uma moldura formada por guardiões que compõe a cena do casal. Na minha coreografia, tudo é pensado e nada é por acaso”, afirma Ana Formigheri.

Casal fez amizade com time

Amigos há 25 anos, Raphael e Denadir têm muita proximidade e a utilizam para beneficiar o próprio entrosamento no trabalho. Eles têm criado um laço semelhante com seus guardiões na Vila Isabel. Na temporada passada, a escola fez uma audição para selecionar quem teria a honra de acompanhá-los na Passarela do Samba. Agora, o grupo criado em 2019 irá repetir a experiência, cercando o casal de cuidados e afeto — o que já tem acontecido desde a temporada de ensaios.

“É muito bom criar um grupo de guardiões. Criamos amizades e, entre os nossos, existem até pessoas que já estiveram com cada um de nós em outros momentos importantes da vida. Eles têm um papel muito importante de proteção para que nada nos atrapalhe e ajudam a deixar a apresentação mais bela”, defende Denadir.

O mestre-sala segue a companheira de dança e também exalta a presença dos guardiões no desfile. Para ele, o grupo ajuda a escola a eliminar preocupações.

“Acontece muito de alguém na pista acabar atrapalhando o casal. Os guardiões garantem menos uma dor de cabeça para a equipe de Harmonia da escola ao proteger nossa dança. Tudo é muito explicado e ensaiado para que não tenha erro. Eles desfilam muito concentrados”,diz Raphael.

Segunda escola a desfilar na noite da Segunda-Feira de Carnaval, a Vila Isabel apresentará o enredo “Gigante pela própria natureza, Jaçanã e um índio chamado Brasil”, desenvolvido pelo carnavalesco Edson Pereira.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui