Os primeiros sambas que Monarco compôs na Portela foram em parceria com Alcides. Mas ao contrário de tantas outras vezes, agora Alcides caprichara nos versos que enalteciam a musa – o que valeu até um elogio de Dona Guiomar, mulher do “Malandro Histórico”.

– Até que enfim vocês fizeram um samba decente. Até hoje, o que tenho ouvido são sambas em que a mulher é obrigada a se humilhar, rastejando como uma cadela.

Ainda rapazola, Monarco ficou meio encabulado. Explicou que era sempre o parceiro quem fazia a primeira parte e ele, então, apenas se limitava a dar continuidade ao argumento, na segunda estrofe.

– Eu sigo o estilo dele… – justificava.

Dona Guiomar encolheu os ombros e foi para a cozinha. Alcides, então, comentou com o companheiro:

– Não liga, não. Toda vez que eu faço um samba romântico, depois ela vem me questionar: “Alcides, quem é essa pilantra?”

Comentários