Primeira agremiação do especial a ensaiar na noite de sábado, a Colorado do Brás sofreu bastante com a chuva que atingiu o Anhembi, até mais que os Gaviões da Fiel no dia anterior. Por conta disso, a escola trouxe um número menor de componentes do que o proposto para o desfile. Mesmo com o diluvio, a escola mostrou bom desempenho de harmonia.

“A chuva não atrapalhou o desempenho, acho que foi até o melhor desempenho da ala musical até aqui, até pelo som da pista estar liberado. A escola pegou muita chuva, mas evoluímos bem, a escola cantou bastante. Se o desfile fosse amanhã a escola estaria pronta”, disse o intérprete Chitão Martins.

Bateria

A bateria Ritmo Responsa, comandada pelo Mestre Allan, foi prejudicada com a chuva. As afinações dos surdos de marcação foram diretamente afetadas. A batucada soltou bossas pontuais, porém o pagão realizado enquanto estava no recuo levantou a empolgação e o canto da agremiação do Brás. O mestre usou bastante o arranjo que dura metade da segunda estrofe e volta na primeira frase do refrão de cabeça, “Isso é Viver”, cantada por todos os integrantes e ritmistas.

Harmonia

A crescente do chão do Colorado é perceptível ao analisar o desempenho da agremiação no ensaio técnico. O refrão principal e a primeira parte do segundo refrão são dois pontos em que se ouve a comunidade com clareza maior. O apagão feito pela bateria teve bom resultado também na empolgação e vibração do componente.

Evolução

A chuva atrapalhou diretamente a montagem da escola. Alguns componentes se perdiam no andar e na organização dentro das alas. Mas foi notado uma uniformidade na escola padrão, pelo menos nas primeiras arquibancadas.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

O casal oficial, Ruhanan Pontes e Ana Paula, decidiu por um figurino leve e vermelho. O piso escorregadio da pista fez com que a dupla bailasse de forma mais cauteloso, mas nada que afetasse o quesito. O mestre-sala vibrou bastante após o fechamento dos portões e interagiu com os sambistas da comunidade.

Samba-Enredo

O intérprete Chitão Martins, que é um dos intérpretes que mais evolui no carnaval paulistano, mantém postura de cantar entre os componentes na avenida. O arranjo do time de cordas, como o “reggae” durante bossa, destacou o desempenho musical.

Comissão de Frente

Os bailarinos evoluíram com camisetas simples da agremiação e parte das pernas com pano de temática africana. Mesmo com a chuva, os bailarinos demonstraram bom desempenho durante o trajeto. A dança envolve muitos passos e com frequência do uso de todo o corpo.

Comentários