Com abertura emocionante, Estácio faz desfile tecnicamente perfeito

8140

Por Diogo Sampaio 

Apontada como favorita no pré-carnaval, a Estácio de Sá entrou na Avenida com a pressão de corresponder às expectativas criadas entorno do seu desfile, e não desapontou. Com uma comissão de frente impactante, um casal entrosado, harmonia e evolução corretas, além de uma plástica muito bem resolvida, a Estácio saiu da Sapucaí com a mão na taça, e encerrou a sua apresentação com 54 minutos.

Comissão de frente

Pelo segundo carnaval consecutivo, a comissão de frente da Estácio de Sá veio sob o comando da coreógrafa Ariadne Lax. Com o nome de “A fé que emerge das águas” a abertura se debruçou sobre a história da origem do Cristo Negro do Portobello, de uma apresentação que misturou dança e encenação.

A apresentação reconstituiu os últimos passos do Cristo Negro, em uma espécie de via-crucis, do martírio a redenção. Seu apogeu acontecia com o inédito encontro entre o Cristo Negro de Portobello e Nossa Senhora Aparecida. Após ser crucificado, Nossa Senhora surgia por detrás da cruz e o cobria com seu manto. Um momento que arrebatou o público e levou as arquibancadas ao delírio.

Mestre-sala e porta-bandeira

A abertura arrebatadora tinha a sua continuação com o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, José Roberto e Alcione. Vestidos com a fantasia “O sagrado”, em cores predominantemente laranja e vermelha, eles trouxeram em seu figurino o símbolo do Sagrado Coração, fazendo referência a fé católica comum tanto a panamenhos como a brasileiros. A fantasia de Alcione também teve um outro detalhe em especial. A porta-bandeira ao invés de vir com um costeiro, como veio o mestre-sala, veio com um véu rendado, que corroboraram na caracterização e na mensagem.

Com uma dançada predominantemente de passos coreografados, que remetiam aos versos do samba, o casal demonstrou muito entrosamento e parceria, e juntos emocionaram o público.

Harmonia

Todas as alas passaram com componentes cantando muito a obra de Alexandre Naval, Edson Marinho e companhia. Em nenhum momento a escola deixou de cantar. O carro de som, comandados por Serginho do Porto foram fundamentais para dar gás aos integrantes da Estácio para não deixar o samba e o canto cair.

Evolução

A Estácio teve uma evolução acelerada, devido ao tamanho de seus carros e ao grande contingente de pessoas da escola. No entanto, não correu em nenhum momento de sua apresentação, além de ter mantido o mesmo ritmo do início ao fim. As alas também estavam bem arrumadas e enfileiradas, mas sem deixar de brincar e pular carnaval.

Samba-enredo

O samba-enredo da Estácio de Sá foi um dos grandes destaques entre as obras do grupo no pré-carnaval. Com uma letra poética e que conquista o público pela emoção, sua passagem pela Marquês de Sapucaí foi de arrepiar. O canto das alas foi fundamental para o samba acontecer, e o ritmo mais cadenciado da bateria colaborou para uma apresentação ainda melhor.

Enredo

A Estácio de Sá buscou em uma das maiores procissões católicas do mundo, o seu enredo para 2019. Desconhecido em terras tupiniquins, o Cristo Negro de Portobello, é uma das maiores manifestações de fé, que leva milhares de fiéis as ruas todos os anos. Ao desenvolver seu desfile, a Estácio não se restringiu ao âmbito religioso, e expandiu seu enredo para falar também do Panamá e da relação do país da América Central, e da fé que eles têm, com o Brasil e a fé do brasileiro.

Todavia, a ampliação do enredo pode ser o único senão da escola. Apesar de fantasias claras, o desenrolar narrativo escolhido pelo carnavalesco se mostrou um pouco confuso em alguns momentos da apresentação. Mas nada que tire o brilho da mesma.

Alegoria e adereços

O conjunto alegórico da Estácio se destacou pelo tamanho grandioso. Sem erros de acabamento, as alegorias não se utilizavam de materiais muito caros ou mesmo luxuosos em sua confecção. Porém, todos se destacaram pela solução encontrada e o impacto visual conseguido.

Fantasias

As fantasias seguiram o mesmo caminho das alegorias. Um conjunto sem luxo, mas muito bem resolvido. As plumas deram lugar para o acetato, e nem por isso a qualidade do espetáculo foi afetada. O requinte deu lugar a criatividade, e a fantasias de fácil assimilação de seu significado.

Bateria

A bateria Medalha de Ouro contou com o retorno de mestre Chuvisco, para o carnaval desse ano. Com os ritmistas fantasiados de “Presidente Roosevelt”, o figurino teve um excelente acabamento e não atrapalhou no desempenho dos ritmistas.

A batida mais cadência, optando por poucas convenções e bossas, colocadas apenas em momentos estratégicos da apresentação, foi um destaque. É algo incomum tanto para Medalha de Ouro como para Chuvisco, reconhecidos por suas características mais ligadas a batida mais acelerada e para frente.

Outro destaque

Com a fantasia “A Majestade da Soja”, Leyla Barros fez a sua estreia à frente da bateria medalha de ouro, e foi um dos destaques. As senhoras da ala das baianas da Estácio, vestidas de “Pássaros Resplandecentes”, defenderam muito bem o samba no gogó, além de terem arrebatado o público com o belíssimo figurino em vermelho. A ala de passistas, com o figurino “Exército americano”, também roubou a cena com muito samba no pé e na ponta da língua.

Comentários