Por Eduardo Fonseca e Victor Amâncio

Depois de muita espera o torcedor da Mocidade Independente de Padre Miguel pode comemorar por ter Elza Soares como enredo e de brinde um samba majestoso. Refletindo essa euforia, o componente da escola fez o seu primeiro ensaio de rua cantando forte o
samba, de autoria de Sandra de Sá e cia, que pode ser considerado um dos melhores do carnaval de 2020. A agremiação será a quinta e penúltima escola a desfilar na segunda-feira com o enredo “Elza Deusa Soares” desenvolvido pelo carnavalesco Jack Vasconcelos.

O treino começou com um ligeiro atraso pela hora de chegada de Wander Pires. Nada que prejudicasse o desempenho do cantor. A bateria da escola com as bossas e convenções comandadas por mestre Dudu fez do treino um show à parte. Um outro destaque do ensaio foi o novo casal formado por Diogo Jesus e Bruna Santos que mostrou que apesar da desconfiança estão caminhando para um grande desfile.

Uma intensa queima de fogos na passarela onde a torcida saúda a escola abriu os caminhos da Estrela-Guia na temporada de 2020. Como de costume nos ensaios da Verde e Branca, a praça e as laterais da rua Coronel Tamarindo estavam lotadas de Independentes ansiosos pela passagem da escola. O ensaio contou com a tradicional festa da torcida e teve duração de uma hora.

Harmonia

Sem deixar o samba cair em momento nenhum, cantando muito do início ao fim do ensaio, a comunidade demonstra estar pronta para desfilar na Marquês de Sapucaí. O samba está na ponta da língua dos componentes, ponto que certamente acontece por conta da identificação com o samba e o enredo refletindo diretamente na qualidade do treino. O carro de som, comandado por Wander Pires, levou o ensaio com maestria.

A qualidade que os músicos apresentaram no ensaio foi primorosa. Mesmo as alas mais afastadas do carro de som, conseguiram manter o bom nível de canto. Contudo, podemos observar na parte final do ensaio alguns componentes da ala 09 e ala 26 errando a letra do samba na passagem: “Brasil enfrenta o mal que te consome”. Os componentes usaram a palavra “esquece” ao invés do “enfrenta”. Mas, é bom lembrar que por ser o primeiro ensaio este erro é normal e há tempo suficiente para correção.

“Escola evoluiu bem, tecnicamente, não teve nenhum problema de evolução. Tanto a entrada quanto à saída do recuo da bateria foi bem amarrada. A escola não correu, não tivemos dor de cabeça. Mas, por ser primeiro ensaio, ainda temos ajuste a fazer no canto, comunidade acertar a letra e andamento do samba, isso é natural. Pra minha avaliação é muito positiva para primeiro ensaio. Superou minha expectativa. Teremos ensaios em todos os domingos até o carnaval. Não tem mais folga. A partir do dia 04 de janeiro teremos o início dos ensaios comerciais na quadra da Avenida Brasil”, revelou Marquinho Marino, diretor de carnaval.

Samba-Enredo

A Mocidade tem um dos sambas do ano e isso fica claro vendo o desempenho tanto da comunidade quanto do carro de som. Os independentes abraçaram o samba e cantam com muita alegria e desenvoltura. Além dos refrões fortes, a obra tem versos potentes como “É resistência em nosso chão”, “Deusa da Vila Vintém” e “Meu povo esperou tanto‘pra’ revê-la”. Nesses momentos a comunidade vibra e canta com mais vontade. O andamento do samba contribuiu demais para o canto e evolução dos componentes. Wander Pires, umas das vozes mais famosas do carnaval, mostrou-se à vontade com o samba. Sobretudo, na subida para a cabeça quando inicia a saudação a Exú: “Laroyê e Mojubá”.

Evolução

Foi o primeiro ensaio de rua da Mocidade na temporada de 2020 e a escola evoluiu muito bem do início ao fim. Mostrando a maturidade e profissionalismo da gestão da escola, a direção de harmonia controla o andamento da escola através de rádios transmissores. Tudo isso faz com que a escola flua de maneira segura, sem ficar parada muito tempo ou correr demais. As alas fluem de maneira clara e objetiva. Destaque para a ala 19 que levou balões verdes. Em um momento do ensaio precisou evoluir um pouco mais depressa para apresentação da bateria. A comunidade brincou e evoluiu muito bem. As alas do primeiro setor da escola vibrando muito e dançando com garra e muita vontade. O independente está nitidamente feliz e o resultado pode ser visto pela qualidade da evolução.

Casal

A dupla que assumiu o posto de primeiro casal em agosto, tendo a responsabilidade de dançar com o primeiro pavilhão da escola, chegou num momento conturbado após uma saída polêmica do antigo casal. A dupla tem um grande desafio pela frente. Conquistar o coração da exigente torcida Independente. Diogo e Bruna demonstraram não estarem abalados por nenhum tipo de polêmica e desconfiança da torcida. Dançando muito bem, com uma coreografia bem marcada e passos sincronizados, o novo casal mostrou que está ensaiando para buscar a nota máxima do quesito.

Bruna que foi promovida a primeira porta-bandeira não deixa a desejar em nada, está muito bem desenvolta e segura, com passos firmes e fazendo uma coreografia forte, junto com o Diogo, mostrou que merece estar no posto. Foi de arrepiar ver a apresentação do casal na passagem do samba “É resistência e nosso chão”. Eles juntam os pulsos e estendem os braços. Em outra passagem “Se acaso você chegar com a mensagem do bem” o casal entrelaça as mãos. Bruna usou uma saia branca, coma parte de cima do vestido verde e sapato verde. Diogo estava todo de branco.

Bateria

Mestre Dudu e a bateria Não Existe Mais Quente estão prontos para o desfile oficial. Fazendo quatro bossas e uma coreografia onde a bateria se abre para a rainha, que não esteve presente no ensaio, sambar no meio, enquanto os timbais tocam. O mestre levou o público e a torcida presente ao delírio. O quesito esteve entrosado com o carro de som e ensaiou sem erros. Dudu demonstra que tem total controle sobre seus ritmistas.

“Fico muito feliz com o resgate de nossa bateria e de nos últimos anos gabaritar as notas. Nós vamos levar quatro bossas para o desfile e vamos fazer uma segunda no samba, a Mocidade não faz segunda mas é um descanso, um back que criamos e colocamos até no CD e vamos começar ensaiar agora. Coloquei uma crescente que o samba pede que é no refrão do Laroyê, que eu também não comecei a fazer, mas está gravado já e essa semana vou lançar. O andamento da bateria será entre 142, 143 BPM (batidas por minuto)”.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui