Com sangue nos olhos e sob as bençãos da Xangô, Salgueiro grava seu samba para o CD de 2019

3745

O Salgueiro fez na noite de sexta-feira, na Cidade do Samba, a gravação do seu samba-enredo para o CD do Grupo Especial 2019. A comunidade vermelha e branca lotou o espaço e cantou demais a obra do ano que vem.

“Venho dizendo desde a fase de disputa que teríamos o samba do carnaval pela safra apresentada. Reforcei essa sensação ao escolhermos esse samba lindo e essa certeza só ganha força com essa gravação maravilhosa. A comunidade está com sangue nos olhos como Xangô, o orixá da justiça. Todos querem ser campeões”, frisou Igor Leal, diretor de carnaval.

A escola utilizou cinco ogãs que fizeram o alujá, o toque para Xangô. O intérprete Emerson Dias fez questão de acompanhar todos os detalhes da gravação. O arranjo do samba foi elaborado pelo maestro Jorge Cardozo.

“Tem sido tudo muito especial para mim esse ano todo, não apenas na gravação. Por ser o Salgueiro, a escola que me criou, por termos esse enredo que homenageia o Xangô, nosso padroeiro. Eu quando pisei no palco da escola pela primeira vez, levado pelo meu tio Celino Dias, nunca poderia imaginar que colocaria a minha voz um dia em um samba da minha escola no CD do Grupo Especial. A bateria deu um show aqui, porque ensaia muito. Meu entrosamento com eles é total pois independente do caminho que eu trilhei sou amigo de longa data do Marcão e de vários diretores”, afirmou o cantor.

A Furiosa, sob comando de mestre Marcão, utilizou o andamento de 142 BPM (batidas por minuto). O tom foi o Sol Menor. O ritmo furioso estará presente nas duas passadas do samba. O grande destaque ficou pelo swing da bateria, com atabaques e timbaus.

“Ao contrário do samba do ano passado que pedia mais bossas, fiz praticamente um livro, esse ano temos um samba mais rebuscado melodicamente e dessa forma valorizamos mais a obra. A ideia dos ogãs foi para fazer o alujá, que é o toque para Xangô. Demos um molho especial na nossa faixa ainda com atabaques e timbaus. Posso adiantar que a bossa que fiz aqui não será a que levarei para o desfile. Não gosto muito de ficar enchendo a bateria e o que vamos fazer é aplicar o toque característico de Xangô nos nossos instrumentos. A gravação veio de primeira, deixa a gente satisfeito e mostra que o segredo do sucesso segue sendo o trabalho. Realizamos três ensaios para essa gravação depois da escolha do samba”, explicou mestre de bateria.

Comentários