‘Arma o circo e chama o povo, Salgueiro!’ A terceira escola a desfilar na Marquês de Sapucaí na noite da última segunda-feira decidiu exaltar uma personalidade negra pouco conhecida do grande público. Com o enredo “O Rei Negro do Picadeiro”, a vermelha e branca fez uma homenagem ao palhaço Benjamin de Oliveira, ator, diretor, dançarino e precursor do circo-teatro que em 2020 comemora 150 anos de nascimento. Para compor o 5º carro alegórico, a agremiação convidou artistas negros para representarem os ‘milhões de Benjamins’.

Para o ator Aílton Graça, 55, que interpretou Benjamin de Oliveira ao lado dos artistas Nando Cunha e Hélio de La Peña, a emoção falou mais alto. Ele conversou com a reportagem do CARNAVALESCO minutos antes de passar na Avenida.

“A escola está linda de ponta a ponta, os brincantes do Carnaval vão se deliciar quando ver o Salgueiro passar”, ressaltou o ator emocionado com o convite da vermelha e branca . A jornalista Clarice Lispector e o Rei Momo estavam na lista de possíveis enredos, mas durante a pesquisa surgiu o nome de Benjamin que foi aprovado pela comunidade.

O presidente da escola, André Vaz, acreditou no potencial da escola e defendeu o enredo do carnavalesco Alex de Souza que apostou em um tema mais descontraído e com empolgação de sobra.

“Minha expectativa é que seja um desfile alegre, rico e que passe alegria para o público, nós estamos cansados de apanhar todos os dias com notícias tristes precisamos levar alegria para Sapucaí e convidá-los para entrar no circo do Salgueiro”, afirmou o presidente ainda na concentração da escola.

Os componentes também estavam ansiosos para pisar na Avenida e levar alegria aos espectadores. Rafael Eboli, 42, calouro na Sapucaí esperava com ansiedade o momento para o desfile.

“Nós vamos representar a vida do palhaço negro e mostrar a história dele, estamos firmes e fortes para conquistar esse título marcante na minha história e na história da escola”, explicou o carioca pouco antes da estreia como um dos vários palhaços no último carro da escola.

Outra que não conseguia esconder a ansiedade era a fotógrafa Fabiana Freitas, 43, que tem fortes laços com a escola e, desde criança participa das atividades na quadra.

“Minha mãe desfilou grávida com 21 anos, quando eu nasci comecei na escolinha depois fui para escola mãe onde estou até hoje. A minha alegoria vai representar milhares de Benjamins nas laterais do carro com a cabeleira do palhaço. A cada ano é uma emoção diferente que eu não tenho como explicar”, confessou a foliã.

Comentários