Portelense fervoroso o compositor Jorge do Batuke não vai esquecer nunca a vitória na disputa de samba-enredo da Portela para o Carnaval 2019. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, ele que assina a obra com os parceiros Valtinho Botafogo, Rogério Lobo, Beto Aquino, Claudinho Oliveira, José Carlos, Zé Miranda, D’Souza e Araguaci, diz que vive um sonho ser o autor do samba que vai homenagear Clara Nunes na Avenida.

“Desde que eu tinha 8 anos eu sonhava em vencer um samba na Portela. Meu pai sempre foi compositor da escola. Entrei em ala ainda criança, cheguei à bateria e já no segmento disputei samba. Meu samba caiu no primeiro corte e eu perdi até o rumo de casa, mas o detalhe é que eu moro na rua da quadra (risos). Tinha 17 anos. De 2011 pra cá venho chegando mais perto, disputando finais. Minha batalha vem de muitos anos, eu amadureci muito. Venci duas vezes o samba de terreiro. Eu não apareci ontem. Eu nunca imaginaria, nem no melhor sonho, vencer o samba em homenagem à Clara”, disse.

Batuke apontou o diferencial do seu samba de 2019. “Eu acho que o diferencial é ser a própria Clara. É um ícone da nossa escola. É o nosso Cartola, Ismael Silva, Noel Rosa. Pessoas que se foram e que estão imortalizadas através de suas obras. Gostaria de um dia ver o Paulo da Portela como enredo. Os últimos seis sambas que disputei, quatro foram feitos em primeira pessoa. É o meu estilo. Se você acertar você emociona. Acredito que tenha sido o maior trunfo dessa nossa obra, a emoção”.

E o que fazer com o prêmio da vitória? Batuke revela seu sonho. “O meu maior sonho como compositor eu já realizei, que era ser campeão na minha Portela. Tem um sonho fora do carnaval, que é gravar com Raimundos (risos). No lado pessoal e profissional, com certeza é não ter nenhuma dívida e ter o meu próprio taxi”.

Comentários