Comunidade da Beija-Flor rasga o chão na Mirandela e mostra que está pronta para a volta por cima

Depois da pior colocação da escola na Era Sambódromo em 2019, o povo da Baixada demonstrou que está apto para mostrar na Avenida que vai dar a volta por cima

0

A comunidade da Beija-Flor de Nilópolis não é reconhecida como a mais aguerrida do carnaval à toa. Depois da pior colocação da escola na Era Sambódromo em 2019, o povo da Baixada demonstrou que está apto para mostrar na Avenida que vai dar a volta por cima. A escola realizou neste domingo o seu primeiro ensaio de rua da temporada, na tradicional Mirandela, no centro de Nilópolis. Com pouco tempo de casa, Dudu Azevedo demonstra já entender o tamanho da bandeira que defende. Antes de iniciar o ensaio, o diretor de carnaval chamou a comunidade aos brios. (Fotos: Eduardo Hollanda e Guilherme Ayupp)

Harmonia

Depois de realizar um desfile muito frio em 2019, a comunidade nilopolitana parece ter acordado. Em qualquer ponto da escola era possível notar um canto muito forte, naquele padrão que a própria Beija-Flor passou a imprimir, sendo chamada de rolo compressor.

Evolução

Como ainda foi o primeiro ensaio de rua, a azul e branca precisa estar atenta a alguns pontos importantes que fazem parte do quesito. O principal deles foi o fato de ainda muitas pessoas estarem andando nas alas, embora cantando forte. Algo que certamente será alvo de atenção nos próximos treinos. O quesito evolução pede que os componentes dancem e brinquem na avenida.

“Nosso primeiro ensaio foi muito bom, marcamos jurado, tempo. Canto e evolução boas. Dia 15 de dezembro realizaremos outro na Mirandela. Tentamos realizar um ensaio nos moldes da Sapucaí. Realizamos entrada em curva, a bateria posicionada no meio, tudo como é na Sapucaí. Estou bastante satisfeito para um primeiro ensaio”, elogiou o diretor Dudu Azevedo.

Samba-Enredo

A obra nilopolitana prova a cada execução que de fato era a mais adequada para representar a escola no ano que vem, encerrando os desfiles. O samba obteve um excelente rendimento, mesmo sem a presença de Neguinho da Beija-Flor no ensaio. Tem tudo para ser um dos principais do Carnaval 2020.

Bateria

Se há um quesito que é referência na Beija-Flor, independente da qualidade de seus desfiles nos últimos anos, é sua bateria. Os comandados dos mestres Rodney e Plínio seguem demonstrando a excelência de quem tem um dos melhores trabalhos do Grupo Especial. No ensaio deste domingo, destaque para a afinação e o andamento adotado, que ajudaram muito no rendimento do primeiro ensaio de rua da Deusa da Passarela.

“Gostei de tudo, mas sei que a evolução é gradativa. A motivação e a animação de todos contribuíram para esse bom desempenho. Desde maio não paramos de ensaiar. Estamos sabendo explorar bem esse samba, que é muito rico melodicamente. Acho que achamos o andamento. Variamos aqui entre 146 e 145 BPM (batidas por minuto)”, elogiou o mestre Rodney.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Elogiar o comprometimento e o foco de Claudinho e Selminha Sorriso é chover no molhado. Só que diferente de outros casais, eles não se limitam a realizar com determinação o seu trabalho. Além de realizarem simulações de paradas para jurado com parte da coreografia de desfile, se mantém parados no final do ensaio oferecendo o pavilhão à comunidade no encerramento do treino. São muito mais que um casal, mas um patrimônio da escola.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui