Por Fiel Matola

Vice-campeã da Série A de 2019 e ganhadora do Estrela do Carnaval como melhor desfile do ano, a Acadêmicos do Cubango fez seu ensaio de rua na noite de domingo, no coração da cidade de Niterói, na Avenida Amaral Peixoto. O que se pode ver foi uma entrada triunfal com uma comissão de frente imponente e emocionante, assim como uma bateria beirando à perfeição, mas, para a escola ganhar o tão sonhado título é preciso aprimorar o canto dos seus componentes.

Comissão de Frente

A chegada de Patrick Carvalho para ser coreografo na comissão de frente da escola foi acertada, quem esteve no ensaio pode perceber uma coreografia forte, com perfeitas expressões faciais e uma dramaticidade cênica de arrepiar. Quinze componentes negros mostraram em sua dança que a abertura da Cubango será impactante.

“Um enredo afro e espetacular e um samba que nem se fala, mais uma vez nós vamos vir com uma comissão que vai impactar. Na Cubango eu estou muito feliz e me divertindo muito”, disse Patrick Carvalho.

Mestre-sala e Porta-bandeira

Primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Acadêmicos do Cubango, Diego Falcão e Patrícia Cunha, apresentaram o bailado com os movimentos em harmonia e sincronismo. Diego Falcão conversou com o site sobre a fantasia que virão e a dança que apresentarão na avenida: “Já vimos o desenho da fantasia e digo que os carnavalescos foram felizes, encaixando bem no que nós gostamos e queremos usar. Quanto a dança teremos uma dança tradicional com alguma coisa moderna, pois temos que inovar”.

Harmonia e Samba

A comunidade que compareceu ao ensaio pode melhorar no seu canto, com uma harmonia oscilante, algumas alas, por exemplo, tinham componentes com o panfleto da letra do samba na mão, prejudicando também a evolução. Já nas alas mais próximas a bateria viu-se um diferente rendimento, estes sim, cantaram com força e vibração, fazendo gestos e tendo uma evolução à altura da Verde e Branca de Niterói.

O excelente samba fez bem o seu papel no ensaio de rua, mas ainda assim nota-se que os refrões são mais bem entoados, tendo suas estrofes com menor rendimento do que o esperado. Ponto mais que positivo para o excelente carro de som, com uma ótima performance do intérprete Thiago Brito, este que a todo momento adentrava nas alas animando os componentes, ele nos falou sobre o vice-campeonato e o entrosamento com a comunidade.

“O vice-campeonato fez a escola acreditar que pode, acreditar muito mais do que ela
acreditava, pelo que a gente tem visto aqui nos ensaios aos domingos, tem tudo para dar certo este ano, nós somos uma escola que tem quesitos. Eu cheguei e a escola me abraçou, porém, depois desse ano, quem tinha alguma desconfiança já não tem mais, isso só dar força e ânimo para a gente continuar trabalhando”.

Evolução

Iniciando às 22h05 e terminando aproximadamente às 22h51, a comunidade evoluiu com irregularidade no que tange empolgação, mas muito bem em organização: com as alas bem demarcadas, sem embolação, e sem os famosos clarões. Além disso, os componentes que sabiam o samba cantaram com gesticulações e garra. Ponto positivo para o samba no pé dos passistas, muito bem ensaiados por Marluci Azevedo. Outra novidade da escola de Niterói será no recuo da bateria: a bateria ultrapassa o recuo, os passistas ficam dentro da bateria e depois a bateria retorna para o recuo e o espaço vazio na pista fica preenchido com os passistas que estão se evoluindo com muito samba no pé.

Bateria

A bateria “Ritmo Folgado”, comandada pelo mestre Demétrius, mostrou que o quesito está afiado, com uma cadência beirando a perfeição, assim como bossas e paradinhas dentro do samba, empolgando a escola. A bateria mostrou que a escola não está para brincadeira. Destaque também para rainha Maryanne Hipólito, que mostrou simpatia e samba no pé. “A Cubango tem a cara do enredo Afro, pois a Cubango é quilombola, vamos mais uma vez levar esse enredo com muita força e muita garra”, comentou com empolgação Maryanne.

Outros Destaques

Presentes no ensaio também estava a dupla de carnavalescos Raphael Torres e Alexandre Rangel. Eles falaram sobre a missão de substituírem a dupla Gabriel Haddad e Leonardo Bora e disseram que o padrão será mantido.

“Nós estamos mantendo o padrão, o Cubango virá com uma força não só de plástica, mas também de comunidade e a comissão de Frente será um ponto muito forte da escola”, afirmou Alexandre.

Já Raphael colocou que o enredo é o que a comunidade sabe fazer de melhor: “O enredo é uma pegada muito a cara da Cubango, a escola é bem raiz e de negritude, então, o Cubango volta com a pegada afro”.

Não é segredo para ninguém que as escolas estão sofrendo com a falta de aporte financeiro e Alexandre sintetizou o motivo de continuar acreditando: “O amor. O amor pelo carnaval supera tudo”.

O Cubango é a quinta escola a desfilar pela Série A, na sexta de carnaval, com o enredo “A Voz da Liberdade”, sobre o patrono da abolição Luiz Gonzaga Pinto da Gama, dos carnavalescos Raphael Torres e Alexandre Rangel.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui