Os pesquisadores Vinícius Natal e Mauro Cordeiro irão ministrar, entre os meses de julho e agosto, o curso “Escolas de Samba: cultura e negritude”. Serão oferecidas 4 aulas, aos sábados, de 15 às 18h, pelo Google Meet.

O curso visa debater o fenômeno das escolas de samba partindo de uma perspectiva da experiência do racismo e da escravidão negra no Brasil, buscando entender de que maneira as trajetórias desses atores, no período pós-abolição, foram importantes para a construção de um pensamento social do samba constituído por saberes escritos, corporais, da memória e ancestrais. Ao longo do curso serão exploradas as relações, mediações, fluxos e contradições do associativismo negro que se transforma em símbolo de brasilidade no mundo contemporâneo.

Ofereceremos bolsas de estudo para sambistas autodeclarados negros (pretos e pardos). Basta enviar um e-mail para [email protected] com justificativa de interesse no curso e da necessidade da bolsa.

Os certificados de participação serão emitidos pelo Museu do Samba, que participará da aula de encerramento com palestra da profª Drª Nilcemar Nogueira.

11/07 – Aula 1: Diáspora Africana e os batuques nos terreiros: a permanência da cultura negra

18/07 – Aula 2: Espaços e sociabilidades negras na cidade do Rio de Janeiro

28/07 – Aula 3: Cultura negra e/ou Cultura nacional: trânsitos, fluxos, mediações e contradições

01/08 – Aula 4: Carnaval espetáculo: profissionalização, indústria cultural e o samba como patrimônio imaterial brasileiro.

Os professores:

Vinícius Natal – Ritmista e pesquisador de enredos. Doutor em Antropologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, instituição a qual também se tornou mestre, pelo mesmo curso. É graduado em História pela Universidade Federal Fluminense e possui curso técnico em Publicidade e Propaganda, pela Escola Técnica de Comunicação. Atualmente, cursa o Pós-Doutorado pelo Programa de Pós-graduação em História da Arte, na UERJ. Atuou como pesquisador do Centro Cultural Cartola, atual Museu do Samba, Diretor Cultural do GRES Unidos de Vila Isabel, implementando a constituição de um acervo de memória oral com componentes da agremiação, dando origem ao documentário “Kizomba – 30 anos de um grito negro na sapucaí”; Exerceu a função de Coordenador de Promoção das Políticas de Igualdade Racial – CPIR – do município do Rio de Janeiro. Além de artigos em revistas científicas, publicou dois livros: um livro de crônicas, “As Titias da Folia: O Brilho Maduro das Escolas de Alta Idade”, e o “Cultura e Memória nas Escolas de Samba do Rio de Janeiro: Dramas e Esquecimentos”, ganhador da menção honrosa do prêmio Afonso Carlos Marques do Santos em 2016, promovido pelo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. Hoje, atua como pesquisador do OBCAR – Observatório de Carnaval da UFRJ, do Núcleo de Estudos de Ritual e Sociabilidade Urbana, UFRJ, e pesquisador do GRES Acadêmicos do Grande Rio, onde, para o ano de 2020, elaborou, junto de Gabriel Haddad e Leonardo Bora, o enredo “Tata Londirá: o canto do caboclo no quilombo de Caxias”, sobre o pai de santo Joãozinho da Gomeia”.

Mauro Cordeiro – Salgueirense e amante inveterado do samba de Irajá. Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ. Mestre em Ciências Sociais pela PUC-Rio (2019) e graduado em Ciências Sociais pela UFRRJ (2016). Pesquisador Orientador do Observatório de Carnaval (UFRJ). Estudou a relação entre as escolas de samba e a prefeitura municipal na gestão Crivella, a partir do conflito instaurado com o corte da subvenção pública aos desfiles. Professor de Sociologia das redes pública e privada do Rio de Janeiro. Também atuou como bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da Capes entre 2012 e 2013. Seu interesse e experiência de pesquisa situa-se na Antropologia com ênfase na cultura popular, sobretudo as suas manifestações afro-diaspóricas como o samba e as escolas de samba.

Serviço:

Curso: “Escola de Samba: cultura e negritude”
Datas: 11, 18 e 25 de Julho e 1º de Agosto.
Valor: R$ 100
Maiores informações: cursoescolasde[email protected]

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui