É inegável constatar que nos últimos tempos o quesito bateria tem sido um dos mais difíceis de julgar no carnaval. Os mestres têm se esmerado em desempenhos fantásticos na avenida e a realidade é que o nível das baterias está muito elevado. A série ‘De olho nos quesitos’ que o site CARNAVALESCO vem apresentando neste carnaval constatou, além das justificativas dos erros mais constantes, um crescimento no número de notas 10, fruto da melhora neste quesito de cinco anos pra cá.

Flam. Para muitos um doce saboroso. Mas para os mestres de bateria o gosto é bastante amargo ao lerem esta palavra nas justificativas. O flam nada mais é que uma sobra de execução de naipes durante a passagem de uma bateria em um módulo de julgamento. Esta é uma das causas mais constantes da perda de décimos das baterias. É bastante comum encontrar esse aspecto em uma justificativa. Ary Jaime Cohen, em 2018, puniu a Vila Isabel por este motivo como se constata na justificativa abaixo.

“Em uma das convenções, os tamborins voltaram em flam, ocasionando imprecisão rítmica”, alertou.

O flam pode ser causado por diversos fatores, mas um dos mais comuns, segundo as justificativas dos jurados está relacionado ao andamento. Nesse aspecto encontra-se outro ponto nevrálgico de justificativas encontradas por nossa equipe. Andamento é o cérebro da bateria. Se houver excesso de variação ao longo da apresentação a escola sofre punição. Além disso, baterias muito aceleradas costumeiramente falham na execução de batidas. Fabiano Rocha observou andamentos prejudiciais nos desfiles de Viradouro e Mangueira em 2015.

“Correria geral da bateria e tamborins fazendo flam com agogôs (…)”
“Bossa de dificuldade avançada (…) a bateria correu um pouco”.

O quesito bateria é um dos mais técnicos e objetivos do julgamento de um desfile de escola de samba. Pouco se tem espaço para a subjetividade, por isso as justificativas são bem sucintas. Outro aspecto bastante encontrado nas justificativas é sobre a afinação. Em 2015, por exemplo, uma forte chuva caiu sobre o Sambódromo, prejudicando as três primeiras escolas daquela noite: Viradouro, Mangueira e Mocidade. Em suas justificativas Fabiano Rocha deixa claro que não tirou décimos das três por essa questão, mas citou a variação de afinação nas justificativas.

Mas nada causa mais irritação nos mestres de bateria do que a justificativa da falta de criatividade. Segundo eles é um aspecto subjetivo e que não deveria estar no julgamento. Porém, é bastante corriqueiro encontrar a falta de criatividade como parâmetro para punir baterias.

Aspectos mais citados nas justificativas de bateria nos últimos cinco anos:

– flam
– falta de criatividade
– andamento acelerado
– afinação variante
– falhas na execução de batidas
– desencontro de naipes

Comentários