Dando continuidade com a Série Barracões São Paulo, o site CARNAVALESCO visitou o barracão da Estrela do Terceiro Milênio e conheceu o projeto de desfile da agremiação para 2023. O tema para o próximo carnaval será humorístico. A escola irá homenagear diversos artistas do humor e vai viajar pela história de como essa arte de fazer rir começou. A equipe conversou com o carnavalesco Murilo Lobo, que explicou tudo sobre o enredo. O tema é intitulado como “Me dê sua tristeza que transformo em alegria! Um tributo à arte de fazer rir”.

Fotos de Gustavo Lima/Site CARNAVALESCO

“A gente terminou o carnaval e ficou se perguntando qual enredo faria depois de um desfile consagrador como foi a homenagem às mulheres, se pensou qual caminho a gente faria. Para isso eu fiz olhar os enredos da própria escola e quem é essa comunidade, mas eu contei ao presidente um fato que durante o processo da pandemia e o processo emocional, o que me tirava desse estado ruim, era o humor através dos programas streamings. Eu buscava coisas para manter o meu estado de espírito. E aí eu percebi que o humor, o samba e o carnaval têm uma linha muito próxima, porque todos nos fazem felizes e dar risada, mas também colocam o dedo na ferida”, explicou o carnavalesco Murilo Lobo.

Pesquisa do enredo

O desfile vai contar com inúmeros personagens do humor, seja os brasileiros e os estrangeiros. É um desafio e tanto encaixar ícones do segmento humorístico dentro de quatro setores. Segundo Murilo Lobo, um grande humorista brasileiro foi fundamental no desenvolvimento do seu trabalho. “Eu tive de tudo para pesquisar, mas a minha última ajuda foi o Marcelo Adnet. Quando eu fechei toda a pesquisa e fechei os figurinos, me bateu uma certa insegurança. Tinha comprado livros, visto documentários e fiz de tudo. Eu não era um conhecedor. Precisei voltar na era do rádio, era de revista e tinha uma certa incerteza. Eu pensei no Marcelo Adnet que venceu um Grammy atualmente e acabei escrevendo para ele. A nossa assessora Lara conseguiu o contato e ele respondeu que adoraria. Eu fui ao Rio, nos reunimos, eu apresentei todo o desenvolvimento, fantasias e construção. Ele ficou feliz, disse que eu dei uma aula de humor e enredo. Daí eu tive a certeza que estava em um bom caminho. A verdade é que nesse enredo nós temos quatro setores, mas dá para fazer oito carros alegóricos e escolher vários homenageados, mas temos que fazer escolhas”, contou.

Carnaval plasticamente colorido

Quando se fala de temas desse tipo, logo se pensa em um desfile com excesso de cores, dando uma grande enriquecida. De acordo com o carnavalesco, realmente isso irá acontecer. Até porque os componentes do Grajaú são muito alegre e pedem isso. “A expressão e alegria da comunidade é um sorriso alegre. O visual que vai se apresentar, as cores que vão ser apresentar é que vai tocar as pessoas. O nosso papel é trazer uma trilha musical condutora compatível com essas emoções que eles vão sentir”, disse.

Ponto alto do desfile

O artista elegeu as alegorias com muita vida e a comissão de frente como pontos chave do desfile da coruja. “A comissão de frente é muito interessante, assim como a do ano passado, que foi muito certa. Acho que a gente vai fazer algo muito bacana. É um pouco segredo ainda, mas está dentro de uma frase do samba que acho que as pessoas devem começar a refletir sobre aquilo. As nossas alegorias com muita gente em cima, que tem 270 pessoas, vão dar vida e dar um colorido interessante. Nossas alegorias também têm leituras diferentes. Tem muita ousadia. Usar doze painéis de leds é bem ousado”, declarou.

Conheça o desfile: O carnavalesco não especificou setor a setor, mas contou sobre como será o toda a forma linear do desfile.

“A gente tem essa aberta à Dionísio e já vem para a era medieval, porque depois da Grécia com a rendição na Guerra do Peloponeso, vai vir a idade média. A comédia que existia ali fica adormecida e só vai presente pelo bobo da corte. Ela vai ressurgir no renascimento através na comédia da arte. A gente traz essa era medieval muito colorida, bonita e com muito humor em homenagem aos bobos da corte”.

“O primeiro setor, após o abre-alas, a gente entra na literatura. Depois entramos no teatro de revista e na era do rádio e do cinema, continuamos nas animações, como a Pantera cor-de-rosa, que faz sucesso até hoje. Vamos fazer homenagem ao humor brasileiro de Ariano Suassuna. O Auto da Compadecida é uma parte alta do nosso desfile com nosso teatro encenando ao vivo. Depois a gente segue para o grupo Monty Phyton que inspira os atuais comediantes como Porta dos Fundos, Casseta e Planeta e South Park. Todos beberam na fonte deles”.

“E aí vamos para a parte política e charges e entender que os chargistas foram as primeiras pessoas que lutaram pelo direito de nós votarmos através do humor. Eles conseguiram fintar a censura. Era muito interessante como eles faziam as pessoas se sentirem aliviadas e rirem daquilo”.

Após nós vamos chegar no carro da TV, fazendo homenagens aos grandes personagens, programas e filmes brasileiros importantes. E aí seguimos para a parte final falando sobre o poder do humor de subverter coisas. Depois vamos fazer uma homenagem a Roberto Bolaños. Chaves e Chapolin Colorado estão em 70 países. Atravessou todas as barreiras culturais possíveis há 40 anos. E aí vamos à TV Pirata, música, das animações do humor e fechamos com o carro do “mundo na palma da mão”, explicou.

A Estrela do Terceiro Milênio abrirá os desfiles no sábado de carnaval.

Ficha técnica
Quatro alegorias
1600 componentes
Carnavalesco – Murilo Lobo
Diretor de carnaval – Carlão
Diretor de barracão – Beto
Diretores de alegoria – Carol e Preto
Gestão de fantasias – Igor Carneiro

Comentários