Apesar da pandemia da Covid-19 não cessar no Rio e nem no Brasil como um todo, a vida começa a ganhar ares de normalidade, com a retomada das atividades e o retorno de muitos trabalhos ao modelo presencial. E no universo do carnaval não é diferente. Mesmo sem a previsão de quando irá acontecer o próximo desfile, casais de mestre-sala e porta-bandeira já voltaram aos ensaios e aos preparativos para uma folia que ainda se faz distante.

O site CARNAVALESCO conversou com Diogo Jesus e Bruna Santos, primeiro casal da Mocidade Independente, que reiniciaram os treinos juntos na última semana. No bate-papo, a dupla responsável por defender o pavilhão da Estrela-Guia de Padre Miguel falou um pouco sobre como está sendo a rotina de ensaios e os cuidados que estão tomando para preservar a saúde de todos.

Acerca da decisão de voltar neste momento, Bruna defendeu: “Não podemos parar. Independente de qualquer coisa, defendemos o pavilhão da Mocidade e temos comprometimento com isso. Então simplesmente ficar parados certamente nos prejudicaria. Temos o objetivo de dançarmos em alto nível sempre, então não dá para não ensaiar e se preparar, mesmo sem data prevista para o próximo desfile”.

O discurso de Bruna é similar ao do parceiro de dança, Diogo Jesus. “A nossa coreógrafa Vânia Reis prega o trabalho árduo como ferramenta principal da nossa preparação. Não temos ainda data para o próximo desfile, mas somos o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Mocidade. Há um significado imenso nisso. Além do que será apenas o nosso segundo desfile juntos. Temos que ter humildade para evoluir mais, e só faremos isso com muito ensaio”, alegou o mestre-sala.

A dupla também falou sobre as medidas e as precauções que estão tomando para evitar uma possível contaminação pelo novo coronavírus. “Estamos tomando os cuidados previstos no protocolo que é passado, há alguns meses, pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Usamos máscara, álcool em gel e o contato corporal acontece dentro da distância de prevenção”, assegurou Bruna. “Temos seguidos todos os cuidados básicos que qualquer profissional tem ao sair de casa para trabalhar”, complementou Diogo.

Sobre o treino propriamente, o primeiro casal da Mocidade relatou como ele tem funcionado. “Temos um trabalho de praticamente 12 meses de preparo. Isso inclui preparação física, psicológica, pilates, aulas de ballet, correção em movimentos padrão… Tem muita coisa pra se fazer mesmo sem o samba-enredo”, afirmou Bruna Santos.

“Nosso dia a dia já é puxado antes mesmo da escolha do samba. São fases de preparação. Se tudo estivesse normal, também teríamos começado a ensaiar bem antes da final de samba. Temos apresentações na quadra, nas coirmãs, e precisamos nos manter com o foco em alta”, explicou Diogo Jesus.

E mesmo durante o isolamento social, a rotina de treinos parou em nenhum momento. “Fizemos alguns ensaios online, por vídeo. E independente de estarmos perto do carnaval ou não, é preciso entender a dimensão que é defender o pavilhão da Mocidade. Isso requer cuidados com a parte física, alimentação e postura na vida como um todo. Então estávamos concentrados no nosso trabalho”, garantiu Diogo.

“Na realidade é algo que queríamos (o retorno aos treinos). Mesmo entendendo a questão da quarentena, trabalhamos com o corpo, estamos sempre em movimento, então é um alívio poder retomar os ensaios. Fizemos alguns online e isso nos mantinha de uma certa forma ativos, mas não é exatamente como os ensaios presenciais”, pontuou Bruna.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui