A solidariedade tomou conta dos casais de mestre-sala e porta-bandeira do Grupo Especial do Rio de Janeiro. Em prol de todos os grupos que estão em situação de vulnerabilidade, devido a pandemia da Covid-19, foi criado o projeto Bailado Solidário e o intérprete e compositor Zé Paulo Sierra fez um samba especial.

Doze casais e uma só bandeira! Zé Paulo cria samba para o projeto Bailado Solidário
Mestre-sala Diogo Jesus e a porta-bandeira Rute Alves com a bandeira do Bailado Solidário. Foto: Felipe Araújo

A obra foi abraçada com muito carinho por todos os casais. No sábado, na Cidade do Samba, todos de máscara e respeitando às normas sanitárias, eles gravaram um clipe que será exibido nesta terça-feira, durante a live Resenha dos Sambistas, que começa às 20h. Durante o encontro será feito também um leilão virtual da bandeira do projeto. * CONHEÇA AQUI O PROJETO

“Fui pego de surpresa. A Rute me falou do projeto e da intenção em ajudar o máximo de pessoas possível. Ela me explicou sobre a bandeira do projeto e os 12 casais reunidos. Fiz em menos de 40 minutos com muito prazer em ajudar”, disse Zé Paulo Sierra.

O compositor e intérprete da Viradouro explicou a ideia do samba.

“O samba fala de uma só bandeira e os 12 casais unidos. O refrão resume a gratidão que é o que precisamos ter um pelo outro. Vi o vídeo dos casais cantando na Cidade do Samba e fiquei arrepiado. Não esperava essa repercussão toda”, afirmou.

Confira o áudio e a letra do samba (cantado pelos casais na Cidade do Samba)

Autor e cantor: Zé Paulo Sierra

Chegou a hora de fazer o bem
Sem olhar a quem, vamos ajudar
12 casais uma só bandeira
Tanta sutileza é de arrepiar

Nessa avenida te fazer sorrir
Com muita dança vamos conseguir

Tem gratidão nesse imenso relicário
Pra um mundo bem melhor
Tem bailado solidário

Comentários