Eduardo Paes recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19, no início da tarde desta quinta-feira, na quadra da Portela, escola do coração do prefeito do Rio de Janeiro. De acordo com o calendário da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), nesta quinta-feira, pessoas com 51 anos ou mais podem ser vacinadas nos mais de 270 pontos distribuídos pela cidade.

“O sentimento que tenho é o de todo brasileiro. É uma agulha de esperança. Passamos por um período difícil. Pra mim é uma alegria e um sentimento enorme. A vacina deixa a sensação de que vamos poder voltar a viver. E no caso nosso do Rio de Janeiro poder voltar a ter carnaval”, disse o prefeito ao receber a dose.

Eduardo Paes brincou com a sadia disputa por vacinação entre os estados e os municípios brasileiro. Nos últimos dias nas redes sociais, Paes ‘provocou’ Flávio Dino, governador do Maranhão, João Dória, governador de São Paulo e Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul.

“Carioca malandro da Portela não perde para ninguém. Não quero antecipar nada, mas a vacina vem chegando com muita frequência. Eu fiz questão de tomar a Astrazeneca, que é produzida aqui no Rio de Janeiro pela Fiocruz, a quem eu só posso agradecer. Mas não importa qual  vacina, que todos venham se vacinar”, disse o prefeito.

Ao se vacinar, o prefeito conversou com a imprensa e explicou como será o evento teste na Ilha de Paquetá, após toda a população da localidade receber os imunizantes. Paes descartou a presença de turistas no carnaval fora de época.

“Um ilha com um público bem definido, todos estão cadastrados na clínica da família. Gostariamos de levar essa experiência pra outras áreas da cidade, mas esse é um trabalho da Fiocruz, do secretário Daniel Soranz e do ministro Queiroga. O evento teste é uma possibilidade, um local com todos vacinados. Não será aberto a turistas, já deixo claro. Só moradores do local poderão participar”, explicou.

‘As escolas de samba tem sido parceiras incríveis’, diz secretário de saúde

O secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, falou ao CARNAVALESCO da simbologia que foi o prefeito se vacinar com uma vacina produzida na capital fluminense. Soranz também explicou como se dará a vacinação em massa na Ilha de Paquetá.

“Muito importante o prefeito se vacinar com um insumo produzido no Rio de Janeiro, pela Fiocruz, e em um símbolo do Rio de Janeiro que é a Portela. Esta semana vamos alcançar a marca de 50% das pessoas com 18 anos ou mais vacinadas e vamos concluir a imunização daqueles com até 50 anos. A preparação de Paquetá terá início com amostras de sangue para termos noção de quem esteve em contato com o vírus ou não. As informações ficarão armazenadas na Fiocruz e esperamos em breve que a Ilha de Paquetá se torne a primeira área livre da Covid no Rio de Janeiro”, destacou.

Daniel Soranz aproveitou para celebrar a parceria da secretaria com algumas escolas de samba, que cederam suas quadras para vacinação, casos da própria Portela, da Mocidade e da Unidos de Padre Miguel.

“A Portela é incrível. Fica o nosso agradecimento a todas as escolas que cederam suas quadras para pontos de vacinação. A Mocidade e a Unidos de Padre Miguel também cederam. As escolas de samba tem sido incríveis parceiras da secretaria de saúde. O segredo é trabalho, dedicação e amor ao Rio”.

O presidente da Portela, Luis Carlos Magalhães, esteve presente na quadra e celebrou não só a vacinação do prefeito na quadra, como a expectativa para que o carnaval de 2022 aconteça.

“A importância é a Portela estar de cabeça no pior momento da história desse país. Recebemos a informação da chegada de mais mil cestas. Batendo recordes em cima de recordes de vacinação. O prefeito é uma autoridade e é portelense. A presença dele aqui traz muita esperança. A tendência agora é correr com o cronograma e cresce a expectativa pelo nosso carnaval”, disse o presidente ao CARNAVALESCO.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.