Há pouco menos de 20 anos, a imprensa especializada de carnaval sobrevive, às duras penas, na internet – espaço que restou para os aficionados da nossa maior festa popular terem acesso, 365 dias por ano, às informações mais importantes do cotidiano de nossas agremiações. Trabalho realizado por verdadeiros abnegados, que desde sempre contaram com imensas dificuldades e limitações financeiras, a imprensa de Carnaval já sobrevivia, com muita dificuldade e raros apoios até março de 2020.

Foto: Divulgação/Riotur

Com a pandemia da Covid-19 e a consequente paralisação da vida mundial, poucos setores sentiram tanto os efeitos quanto o da cultura e do entretenimento. E, neste universo, sem dúvida, as escolas de samba foram as mais afetadas. Por meses sem qualquer atividade, com seus milhares de funcionários paralisados, sem renda, sem trabalho. Muitos, sequer, sem ter o que comer.

A imprensa de carnaval, por sua vez, também passou muitas dificuldades. Muitos profissionais deixaram o ramo. Outros diminuíram suas cargas de trabalho e passaram a priorizar outras atividades. Alguns se mantiveram focados e, com sangue, suor e lágrimas, estão ativos até hoje.

Por volta de janeiro de 2021, após o anúncio do cancelamento dos desfiles que estavam marcados para julho, integrantes de seis veículos de renome e relevância no meio (Site Carnavalesco, Rádio Arquibancada, Samba é Paixão, Carnaval Interativo, Apoteose.com e Mais Carnaval) uniram forças e superaram antigas divergências para criar um grupo que, em primeira instância, passou a conversar entre si e pensar em ações que fossem possíveis serem criadas em comum para que se encontrassem soluções para a situação da imprensa e do Carnaval carioca. Batizado informalmente de Consórcio dos Sites de Carnaval, o grupo tentou articulações com entes públicos, muitas delas paralisadas por receio dos próprios órgãos em tocar no tema Carnaval em data ainda tão distante dos festejos.

Com a redução dos índices de mortes pela Covid-19 e a volta das atividades presenciais em praticamente todas as áreas, o Carnaval começou a ter uma rotina normal. Sambas foram escolhidos, ensaios e eventos começaram a ocorrer e os barracões voltaram a funcionar. Todo o clima para a realização do Carnaval 2022 estava criado.

Porém, com a campanha de perseguição, inicialmente por hostes fundamentalistas e reacionárias e agora até encampadas por personagens que pareciam ser progressistas e nossos aliados, vemos, sob um imenso manto de hipocrisia, a realização do Desfile das Escolas de Samba de 2022 altamente ameaçada – em um momento em que, a despeito do aumento do número de casos, atividades esportivas, shows, cultos religiosos, festivais de música, feiras e até cruzeiros acontecem normalmente em todas as partes do mundo sem qualquer questionamento da mídia e das autoridades. Importante destacar também que a cidade do Rio de Janeiro não registrou nenhuma morte por Covid na primeira semana do ano.

Estamos bastante indignados e prontos para lutar pelo Carnaval. Seguiremos nosso trabalho, procurando levar ao apaixonado pela folia as informações mais corretas e coerentes, sempre respeitando o sambista. Evidentemente, se o número de mortes e casos graves voltar a um patamar inaceitável, seremos os primeiros a defender a suspensão dos preparativos para o Carnaval. Porém, jamais compactuaremos com a perseguição travestida de preocupação sanitária.

Assinam: Apoteose, Carnaval Interativo, Carnavalesco, Mais Carnaval, Rádio Arquibancada e Samba é Paixão

Consórcio dos sites de carnaval
Rio de Janeiro, 9 de janeiro de 2022

Comentários