A Liesa sorteia nesta quinta a ordem dos desfiles do Grupo Especial para o Carnaval 2020. Nenhuma escola de samba faz mistério, a segunda-feira é o dia preferido por 10 entre 10 sambistas. Mas tem uma colocação que é o terror de muitas agremiações, principalmente aquelas que almejam serem campeãs: ser a segunda de domingo.

A história recente dos desfiles vitimou algumas agremiações que estavam no grupo das favoritas que foram sorteadas para esta ingrata posição. Os casos mais conhecidos foram o Salgueiro, em 2013 e a Grande Rio, em 2014. A primeira não passou de um quinto lugar e a segunda foi a sexta colocada.

Mas em 2019 a Unidos do Viradouro parece ter desmistificado esta infeliz ordem de desfile. Oriunda do acesso no anterior, a agremiação pulverizou tabus. Tornou-se a vice-campeã desfilando como segunda de domingo, no melhor desempenho de uma escola nessa posição de desfile em toda a história. O presidente Marcelinho Calil ressalta que um trabalho bem executado pode romper a barreira do preconceito.

“Acho que o desfile apresentado pela Viradouro em 2019 comprova que um projeto bem executado pode fazer com que uma escola, mesmo desfilando como segunda de domingo, pode sonhar com um título. A Unidos da Tijuca foi campeã em 2010 sendo a terceira de domingo. O nosso desfile desmistificou um pouco essa história de que é ruim desfilar no início da noite de domingo. Carnaval é quesito”, opina o dirigente.

Nesta década, exceto a Unidos do Viradouro, a Grande Rio, o Salgueiro e a Portela, as demais escolas que desfilaram nesta posição se deram mal. A Mangueira, em 2015, amargou um décimo lugar. A Imperatriz em 2011, com um dos grandes sambas do ano, não conseguiu chegar ao desfile das campeãs. A União da Ilha, em 2016, teve vários problemas em seu desfile e esteve ameaçada de rebaixamento.

Comentários