A notícia da saída de Paulo Barros da Viradouro caiu como uma bomba no mundo do samba. A escola anunciou via nota oficial que o fato de Paulo ter fechado com a Gaviões da Fiel em São Paulo foi o motivo para o rompimento. Em entrevista coletiva concedida no ato de sua apresentação na capital paulista, entretanto, Paulo Barros havia deixado claro que estava indo para se dedicar ao projeto alvinegro, mas que só disse sim porque teria como conciliar e contava com o parceiro Paulo Menezes.

“Pra mim é uma sensação inédita. Sem dúvida nenhuma o carnaval de São Paulo cresceu de uma forma muito rápida. Durante alguns anos já tive oportunidade de aceitar convite para fazer carnaval em São Paulo, mas nunca me senti a vontade. Não mudei de ideia. Só acho que chegou a hora de assumir um compromisso em São Paulo. Pra gente fazer um trabalho tem que se dedicar, estar com tempo disponível e fazer que o projeto aconteça. Tenho possibilidade de fazer um trabalho junto com o Paulo (Menezes) que pensa como eu, que tem a mesma formação, o mesmo entendimento. Ele traz esse conhecimento e estrada que percorreu. Falamos o mesmo idioma. É um carnaval de quatro mãos e quatro olhos. Se não tivesse o olhar dele e o meu junto, talvez, eu não tivesse topado de assumir. Nosso intuito é fazer um grande carnaval em São Paulo, assim como fazemos no Rio de Janeiro”, assegurou.

Na ocasião Paulo Barros havia dito ainda que o carnaval de São Paulo havia aprendido com os erros cometidos na folia carioca.

“Quem acha que é a mesma coisa que o Rio está muito enganado. Tenho certeza que venho pra cá aprender algumas coisas. O processo de desfile técnico de São Paulo é diferente. Vamos aprender a dominar esse processo. O conjunto alegórico é tratado diferente aqui do que no Rio até pelas limitações do Rio de saída de barracão e percurso até o Sambódromo. As condições aqui de produzir carnaval técnico são muito mais viáveis. Aqui é muito mais fácil. O carnaval de São Paulo aprendeu com os erros do Rio de Janeiro”, finalizou.

Comentários