Oxossi, o caçador, é o orixá padroeiro da bateria da Portela. E a Tabajara do Samba entrou na avenida com o figurino que o representa. O caçador da flecha certeira os protege, quando cruzam as “florestas sagradas”, sendo aquele que caça com as boas influências e as energias positivas.

Por todo o continente, as diversas etnias africanas travam disputas desde os tempos imemoriais. Com conflitos ritualizados que regem a interação com diferentes grupos.

Para o Mestre de bateria da Portela, Nilo Sérgio, vir representando o padroeiro é sentir ele mais próximo e que o axé dele os ajude a pegar os 50 pontos. O mestre conta o que sentiu quando soube do figurino.

“Quando o Renato mostrou para mim, eu falei: já comprei, é essa que quero. Oxóssi para a bateria da Portela é tudo, representa muita coisa. Ele nos abençoa e sempre, e hoje também está olhando por nós”.

Já o ritmista Jean, de 24 anos, considera como uma emoção inexplicável estar na bateria da azul e branca de Madureira. Criado dentro do samba, vir representando a Portela na avenida é algo surreal. Ele explica a importância de estar vestido de Oxossi na bateria:

“É muito importante, pois sou ogã na minha religião que é o candomblé. Oxossi faz parte da minha vida e representar ele na escola que me abraçou há alguns anos é incrível, como se fosse da família”.

Depois de dois anos sem carnaval, voltar a Sapucaí é algo que todo ritmista queria fazer. E estavam com uma grande expectativa de que tudo desse certo. Para o técnico de informática e também ritmista da Tabajara do Samba, Thiago, de 25 anos, estar de volta a Marquês é algo mágico, ainda mais vindo vestido do orixá protetor da bateria. “É muito especial estar aqui novamente e homenageando o nosso padroeiro que sempre vem nos abençoando e hoje ele fez isso também”, comenta.

O toque de caixa da bateria da Portela é uma saudação a Oxossi, o caçador. O Mestre Nilo Sérgio explica como funciona a batida: “A batida de caixa da Portela é como se fosse o toque de Aguerê junto com a rufada. O que é uma marca registrada já da nossa bateria”.

Comentários