O ano de 2019 será especial para quem acompanha o trabalho das baterias no carnaval. Na Série A o mestre Laion irá comandar pela primeira vez uma bateria no Sambódromo, no Acadêmicos do Sossego. Cheio de personalidade o jovem estreante agradece a oportunidade recebida, lembra que vem batalhando a muito tempo e enaltece a importância do conhecimento musical para mestres e diretores.

“Graças a Deus chegou essa oportunidade para a nova geração. Que sirva de exemplo e inspiração às demais. Eu vim de baixo, vim degrau por degrau., Vamos apresentar um trabalho maduro na avenida, apesar de jovem. O estudo musical é fundamental. No momento que estamos conversando tem alguém criando algo, pensando na frente. A sabedoria é fundamental em qualquer área de atuação. Você precisa sempre se aprimorar. No caso de bateria entretanto você não deve nunca se afastar dos fundamentos do samba”, disse em entrevista para o CARNAVALESCO.

Diretor por muitos anos com Ricardinho no Tuiuti, Laion cita o mestre como uma de suas referências na carreira e também o mestre Ciça pela ousadia e criação de bossas.

“Citarei dois mestres que servem de referência para mim. O Ricardinho, com quem trabalhei muito tempo no Paraíso do Tuiuti, e o mestre Ciça, que tem a ousadia que eu busco colocar no meu trabalho. As bossas mais longas”, explica.

Laion toca em um importante tema relacionado às baterias, a formação de novos ritmistas. Em um momento em que principalmente a Série A sofre bastante para conseguir montar uma bateria completa. Segundo ele, a solução é a criação de escolinhas.

“Para a Série A eu vejo uma deficiência de ritmista sim. Cria-se uma base e aí os demais vem por carinho aos diretores. Eu sempre trabalhei dessa forma. A deficiência você vê até no Especial. A solução é montar escolinhas de percussão. Tem faltado formação. Eu sou favorável a isso. É o futuro, senão um dia vai acabar”, conclui.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui