Estácio de Sá – Existência e temporalidade na experiência do ser Pedra

Nome do enredo: Pedra
Nome da carnavalesca: Rosa Magalhães

Para o carnaval de 2020, a pedra deixa sua posição de objeto e passa a ser a
protagonista da narrativa carnavalesca da comunidade do morro de São Carlos. O G.R.E.S.
Estácio de Sá apresenta o enredo “Pedra”, construído pela carnavalesca Rosa Magalhães, a
fim de discutir questões como a existência no tempo e como a vida – seja a da pedra, seja a humana – é constituída por embates e conflitos. Em sua sinopse, a carnavalesca nos apresenta alguns recortes da história do Brasil ligados à exploração de pedras, principalmente em serras; ao entendimento místico das pedras por nossos antepassados; e dados mais poéticos e subjetivos sobre as rochas, que atravessam os citados anteriormente.

A maior tensão observada nas pedras que o enredo da Estácio coloca em nosso
caminho é entre o existir e o desaparecer. Tensão essa que também pode ser percebida no
universo das escolas de samba e, sistematicamente, em nossos universos íntimos. Existir no Grupo Especial e não desaparecer do imaginário do sambista é um dos maiores objetivos de toda agremiação. Para isso, dão enfoque ao pertencimento às suas comunidades e edificam o afeto de seus componentes por meio de sambas que evocam essa relação, como por exemplo o próprio samba exaltação da escola do São Carlos: “O meu coração se abriu em flor / Tu és o pavilhão do amor!”. A Estácio, em seu retorno ao grupo especial, e no profundo desejo de permanecer, busca inspiração no que é ser pedra – existir em sua grandiosa experiência histórica e resistir nos embates contemporâneos. A perseverança diária pela continuidade do ser e do habitar norteia uma sinopse que, ao final, questiona a permanência do estado da nossa morada, a pedra que nos abriga – o planeta Terra.

O texto de Magalhães é um cristal que encontramos em nosso caminho e que precisa
ser tocado, percebido e mesmo quebrado, para revelar os mistérios que guarda em seu
interior. A narrativa é desenvolvida por recortes de lugares e de situações, é caracterizada por suas rupturas que não almejam um discurso linear ou canônico. A autora fragmenta a história oficial e escolhe aqueles cascalhos que melhor se encaixam em sua ficção para, enfim, criar um mostruário de pedras – poéticas e históricas. A sinopse, neste caso, cumpre sua função de apresentar o enredo que será desenvolvido na avenida e ao invés de deixar as respostas evidentes no texto, deixa apenas perguntas e incertezas. Magalhães nos mostra o caminho, nos mostra as pedras, mas deixa para nós a tarefa de sentar frente a frente com a pedra e conversar com ela, descobrir sua história, seus segredos e seus ensinamentos.

Penso que a frase da sinopse “A beleza sólida desse material é a essência de nosso
planeta” é uma ferramenta primordial no trabalho de entender a construção de Rosa Magalhães. Independente se preciosas ou não, as pedras guardam em si a história do lugar em que habitamos. Estar diante de uma pedra é testemunhar uma presença secular, um ser que existe em sua constante metamorfose há milhares de anos. É um gesto de muita prepotência do ser humano estar com uma pedra e não reconhecer nela a essência do habitar a Terra. É possível dizer que o desfile da Estácio de Sá apresentará a todo momento o diálogo entre a sensibilidade da pedra e o seu uso comercial, esgarçado pela exploração humana. A maneira como nos relacionamos com as pedras foi modificada devido às diferentes percepções que os indivíduos tiveram ao longo do tempo. Quando Magalhães fala sobre a Serra dos Carajás, essa alteração fica bem evidente. A princípio, o solo pedregoso era a fonte da vida humana, o lugar de onde vínhamos. Com a chegada da visão colonizadora, o solo passa a ser uma rica fonte de produtos a serem explorados no mercado financeiro. A pedra foi desencantada pela ganância.

Por outro lado, um dos grandes feitos do enredo de Magalhães é colocar a pedra como
sinônimo de permanência do tempo. Ela inicia a sinopse com essa proposta de representação e ao longo do texto podemos capturar esse conceito nos fatos narrados. As pedras são portadoras de memórias e têm muito a nos dizer. Assim como as que foram extraídas em Minas Gerais no século XVIII são a materialidade da devastação do nosso território, as pedras portuguesas que pisamos pelo Rio de Janeiro presenciam décadas de injustiças sociais. Além disso, é interessante pensar o enredo da Estácio de Sá como um disparador para reflexões sobre os pequenos detalhes da vida, para observar as marcas das miudezas e ouvir o que a mística da natureza tem para nos dizer. Os elementos são ressignificados de acordo com a perspectiva adotada para os observá-los. Rosa Magalhães nos apresenta, no mínimo, duas maneiras de se relacionar com as pedras e nos deixa a possibilidade de escolher como iremos nos comportar diante de uma, da próxima vez que tivermos a oportunidade. A carnavalesca não oferece resposta. Ela provoca, atiça e se retira. Deixa o leitor-sambista com suas próprias conclusões. Todo caminho é habitado por pedras e cada indivíduo escolhe se conectar ou não a elas.

O texto de Rosa Magalhães nos dá poucas certezas sobre elementos visuais (fantasias
e alegorias) que poderão ser vistos na avenida. Não dá para afirmar uma setorização, mas é possível esperar um setor que fale sobre a exploração mineral em Minas Gerais e outro que aborde o assunto na região da Serra dos Carajás. Também é possível arriscar que o desfile trará um setor que fale apenas sobre a atividade mineradora em Parauapebas e sobre como ela fomentou uma amálgama de pessoas vindas de todas as regiões do país. O setor de encerramento do desfile é uma incógnita que será respondida apenas no domingo de carnaval. Penso que Rosa traduzirá o recado das pedras em um final potente e incisivo.

O enredo apresentado por Rosa Magalhães é importante não só para o carnaval, mas
também para outros âmbitos de nossa sociedade. Quem dera se a percepção e o gesto afetivo de Rosa alcançasse ao menos boa parte da população brasileira e a fizesse refletir sobre a maneira como temos tratado as pedras. Mas, infelizmente, se não se tem dado atenção nem mesmo às pedras, quem dirá à poesia, à arte e ao outro que sofre ao nosso lado carente de um olhar atento e generoso. Vivemos em uma temporalidade integrada que não é percebida. Mas as pedras sentem. As pedras já presenciaram tanta coisa nesse pequeno fragmento do universo e continuarão aqui quando tudo – talvez – voltar ao que era antes. Nosso planeta é pedra – ele sente, registra e retribui.

À Estácio de Sá e à Rosa Magalhães fica o desejo de um ótimo carnaval permeado
pela sabedoria ancestral das pedras que constituem o caminho da folia. Espero que a
comunidade da agremiação possa existir em seu canto mais alto até quando somente as
pedras puderem ouvir.

Autor: Cleiton França de Almeida – [email protected]
Graduando em Artes Visuais – Escultura (EBA/UFRJ)
Coordenador Geral/OBCAR/UFRJ
Leitor orientador: Tiago Freitas
Doutorando em Linguística/UFRJ e
Doutorando em História da Arte/UERJ
Instagram: observatoriodecarnaval_ufrj

Comentários