Por Diogo Cesar Sampaio. Fotos: Magaiver Fernandes

A Beija-Flor de Nilópolis amargou o segundo pior resultado da sua história. A 11ª colocação no Grupo Especial deixou os nilopolitanos incrédulos com a avaliação dos jurados. Para Gabriel David, conselheiro da escola, e um dos responsáveis pelo desfile de 2019, o momento é de tristeza, mas também de manutenção da ideia de arriscar e não se acomodar. Em entrevista ao site CARNAVALESCO, o representante da Beija-Flor ressaltou que a escola não vai baixar cabeça com a colocação desse ano.

“Foi o pior resultado, que eu me lembre, da história da Beija-Flor. Estou triste, mas não será isso que vai fazer a gente baixar a cabeça. A gente arriscou e, com certeza, erramos na mão, porque senão não teria acontecido esse resultado. Mas, enfim, carnaval é isso. Estou orgulhoso da minha escola por ter tido a coragem de arriscar, porque a Beija-Flor é isso e não pode se acomodar com o que é mais fácil e apenas ganhar carnavais. A Beija-Flor tem que ser pioneira sempre e vai continuar sendo pioneira. Esse ano não deu certo, mas no ano que vem, tomara que dê. Acho que não tem desculpa, a gente errou, não foi bem. De verdade, quando eu vi o desfile, não esperava que fosse tão ruim. Esperava que pudesse haver um resultado não tão positivo, por conta dos riscos que a gente correu e das coisas que não aconteceram na Sapucaí.

“Eu não acho que todas as notas tenham sido injustas. Eu não sou jurado. Têm jurados que conhecem o carnaval bem melhor que eu. Na verdade, agora é sentar para ver as justificadas e, em cima delas, procurar onde temos que melhorar, para voltar a ser campeão no ano que vem. Não é por causa de 11º lugar que ano que vem a gente vai voltar para disputar vaga nas campeãs. Ano que vem, a gente vai voltar para ser campeão do carnaval”, disse.

Gabriel David frisa que o momento pós-carnaval é fundamental para que todas escolas e a Liesa pensem no modelo para os próximos anos, inclusive, na questão da subvenção que dificilmente será dada pela Prefeitura do Rio para os desfiles de 2020, conforme o prefeito Marcelo Crivella já anunciou a intenção de não investir mais nos desfiles das escolas de samba.

“Vamos conversar, ver o que a Liga irá definir, porque não é só a Beija-Flor que precisa ser repensada, o carnaval precisa ser repensado. É um momento de euforia agora, quando está tudo mundo comemorando, apesar de algumas pessoas tristes, mas acho que a gente tem que ser reflexivo quanto ao carnaval como um todo. De nada adianta uma escola ter um planejamento todo para 2020, se a gente não sabe nem se terá carnaval. Porque, vai que o prefeito anuncia que ano que vem não terá subvenção?

Essa falta de planejamento do poder público atrapalha muito. A gente contava com uma verba que não veio e, agora, acabou de chegar um dinheiro da Light de última hora, que faz você pagar tudo mais caro que pagaria antes”.

Sobre a equipe de 2020, a Beija-Flor dificilmente terá grandes mudanças. Afinal, o seu corpo de desfile garantiu para Deusa da Passarela inúmeras conquistas no carnaval.

“Sobre a equipe para 2020, por enquanto continua todo mundo. Quando ficamos em sétimo lugar, não saiu ninguém e voltamos para sermos campeões. Temos que parar e pensar um pouco para depois planejar o carnaval de 2020. Infelizmente, a gente vai ter que buscar enredos patrocinados. Claro que a vontade da escola é produzir enredos autorais.

Para o ano que vem, tenho três ideias de enredos fortes. Não posso falar nada agora porque ainda não está nada definido”, finalizou Gabriel David.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui