O vice-presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Hélio Motta, conversou com o site CARNAVALESCO. Ele aborda no papo a gravação dos sambas oficiais para o Carnaval de 2022, a gestão na Liga, o trabalho na gravadora e falam também das ausências de Laíla e Zacarias, que ficaram por mais de 30 anos no comando dos discos com os sambas-enredo do Grupo Especial do Rio de Janeiro.

Foto: Divulgação/Liesa

– O que representa para você assumir o comando da gravadora com a morte do Zacarias Siqueira?

“Responsabilidade e comprometimento. Fiquei muito grato e emocionado por me confiarem essa missão. Seu Zaca, como era queridamente chamado, foi o idealizador não só da Gravadora/Editora, mas também de todo um processo que, capitaneado pela presidência do Sr. Anísio e toda a diretoria da Liesa à época, permitiu com que as agremiações e compositores pudessem obter receitas com a gestão de direitos autorais. O foco era trazer mais dignidade ao sambista e fomentar cada vez mais esse segmento dentro do Carnaval. Essa é uma amostra do tamanho da responsabilidade que teremos daqui para a frente”.

– O que os sambistas podem esperar de novidade sobre essas gravações dos sambas na Companhia dos Técnicos?

“Não podemos contar as surpresas, mas mudamos totalmente o formato de gravação, pensamos em certos protagonismos, antecipamos cronogramas para o folião ter mais contato com o samba até o carnaval e um novo modelo de divulgação que será focado no digital. Enfim, temos um time de craques cuidando de sambas excelentes. Depois de toda essa pandemia, de tanto distanciamento, queremos brindar o povo com hinos que irão coroar um grande desfile na Sapucaí”.

– A gravação perdeu o Laíla que comandava o produto com o Mário Jorge. Como ficou essa questão e qual o tamanho da perda do Laíla para o projeto?

“Foi outra grande perda para o samba, pois o Laíla, além de tudo, participou de toda a produção fonográfica desde o início e tinha um ouvido absoluto. Graças a Deus temos dentro do Samba um manancial de profissionais de alto gabarito que darão prosseguimento e desenvolvimento ao projeto. Para 2022 teremos a produção musical do Mário Jorge com a direção musical do Alceu Maia e Jorge Cardoso. Todos já participavam do processo e tem toda a nossa confiança para desenvolverem um produto inovador”.

– A venda de CDs é quase mínima, mas o produto no carnaval existe para colecionadores e algumas pessoas que ainda ouvem pelo CD. Como será feito?

“O modelo de CD realmente se esgotou devido ao desenvolvimento tecnológico, acarretando também na própria mudança dos hábitos de consumo. Essa mudança é fenômeno mundial e cresceu exponencialmente nos últimos três anos. Existe um processo ainda em desenvolvimento pela Universal Music que contemplará os amantes e colecionadores do Carnaval”.

– Com os sambas definidos até 06 de novembro é possível falar que a partir desta data todos os sambistas já vão ouvir os sambas oficiais na versão gravada pela Liesa?

“As mudanças do formato e cronograma de gravação dos sambas se devem também ao fato de termos criado esse projeto especial com a TV Globo. Temos uma estratégia de produto e comunicação que tem por meta maximizar o contato do público com os sambas de enredo e divulgar o carnaval o máximo que pudermos. Queremos o samba na boca do povo novamente”.

– A Liga já projeta ter os sambas nas plataformas de áudio a partir do primeiro dia de final na TV Globo, ou seja, dia 16 de outubro?

“Sim. Temos um grande desafio e todas as escolas de samba toparam imediatamente quando alinhamos em plenário. Queremos sincronizar o nosso produto com a grade da TV Globo, ou seja, ter o samba cada agremiação já disponibilizado nos seus respectivos dias de exibição do programa”.

– Como a Liga pretende manter o sigilo dos resultados com os compositores presentes nos estúdios?

“Não existirá sigilo. Pelo contrário! Logo após a gravação da TV Globo fomentaremos a divulgação dos sambas e entendemos que as Escolas de Samba precisam realizar seus ensaios o quanto antes para deixar toda a escola integrada e respirando intensamente o samba oficial que estará sendo apresentado na Sapucaí. Em nenhum momento a TV Globo solicitou isso. A ideia do programa surgiu para mostrarmos ao Brasil e ao mundo, um pouco dos nossos bastidores, do processo criação de nossos artistas e divulgar um trabalho que muitos até então não faziam ideia de como era feito”.

– Esse ano temos a pandemia. da Covid-19 O que mudará na gravação dos sambas na Companhia dos Técnicos? Quantas pessoas cada escola poderá levar para os estúdios?

“Segurança é uma exigência de todos os envolvidos: Liesa, Editora, Universal Music e Cia. dos Técnicos. Os músicos deverão levar comprovantes de vacinação, haverá testagem diária, esterilização de ambientes internos do estúdio e todo o protocolo padrão, tais como distanciamento, exigência máscara etc. A gravação em estúdio já possui um quantitativo de músicos (aproximadamente 10 por sessão de gravação) bem inferior ao que fazíamos na gravação ao vivo na Cidade do Samba e está totalmente de acordo com as normas de segurança”.

– A Liga pretende fazer algum lançamento dos sambas na Cidade do Samba no Dia Nacional do Samba?

O Presidente Jorge Perlingeiro é um comunicador que é do Samba e do entretenimento, tenho certeza que, por ele, teríamos 360 dias de festa no ano, e os outros 5 dias restantes seriam só Carnaval. Mas tudo dependerá de políticas de segurança adotados pelos órgãos de controle sanitários

– Por fim, como vice-presidente da Liesa, qual é o seu balanço até agora da gestão de vocês no comando da Liga?

Estamos focados na experiência do público e do consumidor. Temos uma planejamento que envolve Comunicação e Marketing, Comercial e Vendas e aprimoramentos na Gestão Operacional do evento. O Presidente Jorge Perlingeiro tem delegado em todas essas áreas e já podemos dizer que grande parte do público e das empresas tem aprovado todas as mudanças em andamento. Em 2022 teremos “O Carnaval dos Carnavais” e entregaremos uma grande experiência para todo

Comentários