Intérprete Igor Vianna diz que, em grande maioria, as comunidades foram esquecidas pelas agremiações e o governantes não abraçam o carnaval. Ele conversou com a coluna “Espaço do Sambista”, publicada toda sexta-feira no jornal MEIA HORA.

Igor Vianna: 'Samba-enredo não é reconhecido como fonte de cultura e renda'
Igor Vianna canta na festa de aniversário de 13 anos do CARNAVALESCO. Foto: Nelson Malfacini

O que é ser intérprete de uma escola de samba?

Igor Vianna: “É representar um sonho. Ajudar a uma comunidade inteira a extravasar sua alegria e expulsar todos os males que ela carrega um ano inteiro”.

Por que o samba-enredo só respira na bolha dos sambistas?

Igor Vianna: “Infelizmente, ainda é visto como coisa de vagabundo. Os governantes não reconhecem como a maior fonte de cultura e renda do país”.

Seu grito de guerra fala de macumba. Sente preconceito com religião de quem é de fora do carnaval?

Igor Vianna: “Não. Assim como as outras religiões se fazem presente no nosso dia a dia, procuro de uma forma alegre e respeitosa, estar sempre levantando a bandeira de Oxalá”.

Por que as comunidades hoje participam mais do funk do que das escolas de samba?

Igor Vianna: “Acho que é porque, em sua grande maioria, as comunidades foram esquecidas por suas agremiações”.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui