Compositores: Gabriel Machado, Manoel Neto, Juliano Centeno e Leandro Gaúcho

Axé, salve a quilombola caminhada
Venho com fé, de alma lavada
Será que o samba está em nossas mãos?
Meu verso, é sangue de preto e não tá no mercado
Negro partideiro não manda recado
Não se vende a qualquer ilusão
Quero um novo manifesto, um pergaminho
Quilombo que refez nosso caminho
Um sonho com a benção de Candeia
Faz meu Império hoje a sua bandeira

Afoxé ô gira na roda lundu
Ginga jongueiro, maracatu
Pé no chão, onde a herança fez lugar
Capoeira, Capoeira

(Ê baiana) Mãe De Santo, manto, canto e oração
Se fez enredo da canção
A negritude em minha vida
Nas mãos do povo
A “Apoteose”, a “arte”, o ideal
Um samba enredo imortal Cicatrizando a ferida
Quilombo da batucada! Na avenida escravizada
Quilombo vem mostrar o seu lugar
A formiga é igualdade Da raiz um estandarte
Kizomba aos heróis da liberdade

Eu sou Império, agô
Um canto negro ecoou
O ressoar do meu tambor vai te guiar
Orayeye Oxum Docô
Pra mal algum me alcancar
Sou resistência, Sou Quilombo, Saravá

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui