Por Guilherme Ayupp e Matheus Mattos

Começou a temporada 2019 dos ensaios técnicos no Anhembi para as escolas do Grupo Especial de São Paulo. O Império de Casa Verde abriu os trabalhos neste domingo e deixou uma boa impressão em um ensaio marcado pela estreia do mestre Marcão, ex-Salgueiro, à frente da bateria Barcelona do Samba, junto do experiente Zoinho. Além disso, harmonia e bateria impulsionaram o bom treino da azul e branca, campeã em 2016 no Grupo Especial.

Harmonia

Geralmente, os primeiros ensaios, mais distantes do desfile oficial, apresentam harmonias tímidas. Mas o Império demonstrou firmeza no canto logo na estreia. O samba foi muito bem cantado pelas alas, destaque para as que estavam no final da escola. Mesmo distantes do carro de som se esforçaram para manter o padrão de canto, evitando que o mesmo atravessasse já que a sonoridade total da avenida ainda não está instalada. As alas com as composições entretanto podem cantar mais.

“O ensaio foi muito bom. Vamos parar pra assistir aos vídeos e tirar uma análise melhor, mas acredito que foi um ótimo ensaio”, disse Rogério Figueira, diretor de carnaval.

Evolução

Bom trabalho de evolução do departamento do Império de Casa Verde. No que tange ao andamento de desfile nenhum percalço sério. As alas coreografadas deram o tom da apresentação, o que pode passar uma ideia de frieza ao público, mas que vale destacar, no desfile aplicam um efeito interessante ao espetáculo.

Novamente, a última ala da escola se destacou com bastante empolgação, embora também fosse coreografada. O Império demonstrou que não perdeu o padrão de organização de Jorge Freitas e mantém-se uma escola competitiva.

O diretor de carnaval explicou sobre o uso de alas coreografadas e comentou sobre o tamanho do carro abre-alas que será gigantesco em 2019.

“O enredo pede. Vamos trazer bastante alas coreografas sim, mas não são todas senão perde o sentido do carnaval. O abre-alas é bem grande mesmo (risos). O Império nunca teve um caro desse. Será o maior da nossa história e talvez um dos maiores do carnaval”, revelou Rogério Figueira.

Samba-Enredo

O samba é bastante didático para contar a história do cinema e propiciou um excelente rendimento ao canto da escola. Tudo isso impulsionado por um dos grandes intérpretes de São Paulo, Carlos Júnior. Carlão e seu carro de som se apresentaram muito bem, empolgando os componentes na medida correta.

“Eu tava comentando com o presidente que nunca tivemos um primeiro ensaio com um astral tão excelente. A comunidade realmente abraçou essa obra. Acredito que a harmonia tenha ajustes a fazer, a bateria tocou e o povo cantou naturalmente. O ensaio me deixou muito feliz. Essa questão da sonorização me interessa um pouco começar sem o som pleno, pois isso dá uma resistência maior ao cantor para quando chegar na avenida com o som mais potente não sentir tanto. Mas para a escola o desafio é maior, sem dúvida”, comentou o intérprete.

Bateria

O grande destaque foi a estreia de mestre Marcão. O ex-mestre do Salgueiro foi apresentado com pompa pela escola e promete elevar o nível da já muito competente Barcelona do Samba. Ele sentiu todo o carinho que o público de São Paulo tem com os sambistas cariocas.

Os ritmistas de mestre Zoinho ajudaram a impulsionar o ensaio da agremiação.

“A nossa expectativa para o primeiro ensaio técnico era de fazer um ensaio de alto nível, mas a gente sabe que tem muita coisa pra acertar ainda. É só o primeiro, temos mais dois e muito o que melhorar. Mas acho que foi um ensaio bom, por parte da bateria a gente fez uma passagem legal, a escola eu não tenho ainda uma noção porque fico dentro da bateria. Temos uma proposta de realizar mais bossas. A bateria do Império sempre fez isso, de um tempo pra cá a gente acabou diminuindo a quantidade de bossas, paradinhas”, explicou mestre Zoinho.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Rodrigo Antônio e Jessica Gioz tiveram uma evolução correta e sem maiores dificuldades. Ao se aproximar do segundo recuo de bateria a porta-bandeira decidiu trocar o talabarte. O público aplaudiu bastante a atuação da dupla, que encerrou sua participação no ensaio satisfeita com o próprio desempenho.

“Adoraria poder parar em quatro cabines como no Rio. Aqui o jurado pode analisar em todo o campo de visão dele. É um desgaste bem maior. Se eu pudesse representar um personagem seria a Bela, de ‘A Bela e a Fera”, contou a porta-bandeira.

“Gostei bastante do ensaio. Estamos acertando os detalhes para atingirmos os 40 pontos. Se estivéssemos 100% hoje chegaríamos no desfile a 80%. Um personagem do cinema que eu sempre admirei foi o Super-Homem”, revelou o mestre-sala.

Comissão de Frente

A comissão arrancou aplausos do público ao realizar uma evolução com movimentos bastante sincronizados. A perícia na apresentação deixou a sensação de que o grupo estava ensaiando a coreografia oficial de desfile.

Outros Destaques

Diversos componentes se fantasiaram com personagens clássicos do cinema, enredo do Império de Casa Verde em 2019. A ala de baianas preencheu a avenida com uma roupa toda branca, dando um bonito efeito. Outro ponto de destaque foram as composições do segundo carro, formado exclusivamente por mulheres ‘plus-size’. Elas estavam muito animadas e cantaram bastante o samba-enredo.

O Império de Casa Verde será a segunda escola a desfilar na sexta-feira de carnaval no Sambódromo do Anhembi. A escola vai apresentar o enredo ‘O Império contra-ataca’. O tema está a cargo do carnavalesco Flavio Campello.

Comentários