Por Victor Amancio. Fotos de Allan Duffes e Nelson Malfacini

Segunda escola a desfilar no sábado Inocentes entrou na avenida empolgada. O samba elevou o nível do desfile com sua letra emocionante sobre a trajetória da seis vezes melhor jogadora do mundo, Marta. Mestre Washington se destacou no desfile fazendo bossas bem realizadas e com isso conseguiu levantar o público. No último carro, Marta passou na avenida e foi ovacionada pelos presentes sob os gritos de rainha. O enredo “Marta do Brasil – Chorar no começo para sorrir no fim” foi desenvolvido pelo carnavalesco Jorge Caribé e encerrou o desfile com 53 minutos.

Comissão de Frente

O quesito comissão de frente, coreografado por Juliana Frathane trouxe na sua realização a ideia de um sonho virando realidade. No início da apresentação a jogadora homenageada era apresentada como uma criança representando a jogadora ainda na infância com o sonho de se tornar jogadora. Num segundo momento a menina troca de lugar com uma outra bailarina, esse é o ponto mais alto da apresentação porém não conseguiu o resultado esperado e as arquibancadas não responderam. Bem dançada e sem erros a comissão passou bem pelos três módulos de cabine de jurados.

Mestre-sala e Porta-bandeira

Douglas Valle e Jaçanã Ribeiro, passaram com a fantasia significando “Amor a minha terra”. Na primeira cabine o casal apresentou problemas com a fantasia da porta-bandeira, sem o costeiro que caiu antes da chegada no primeiro módulo e talvez pelo nervosismo acabou atrapalhando na dança. Foi perceptível a falta de sintonia, Douglas dançou com velocidade e colocando garra em seus passos, enquanto Jaçanã de forma lenta e pareceu não colocar vontade nos seus giros. Durante as outras apresentações, Jaçanã pareceu estar mais segura e a dupla dançou melhor e evoluiu o nível de apresentação, que ainda foi abaixo do potencial do casal.

Harmonia

O canto da escola foi empolgante, os componentes aparentavam estar felizes desfilando e isso surtiu efeito no canto da escola. Os intérpretes Pixulé e Tem Tem Sampaio, fizeram um grande desfile, foram essenciais para o crescimento do samba e o canto da escola. Bateria do mestre Washington foi um ponto a mais na harmonia da escola, com bossas mexendo com o público e a escola.

Enredo

O enredo “Marta do Brasil – Chorar no começo para sorrir no fim” desenvolvido por Jorge Caribe. Idealizado para exaltar a mulher brasileira e sua determinação através da grande jogadora Marta. Caribé acertou em cheio na concepção das fantasias e nos carros. Era fácil entender cada ala ou alegoria apenas acompanhando o desfile. O desfile iniciou com a infância de Marta em Alagoas, passando pela chegada dela ao Rio de Janeiro e encerrando com o reconhecimento da jogadora sendo homenageada no principal manifestação cultura do seu país.

Evolução

Logo no início do desfile, o tripé, que vinha logo atrás do primeiro casal da escola abriu um imenso espaço. Com dificuldades em seu deslocamento o tripé atrapalhou o quesito da escola durante todo o desfile, abrindo buracos e podendo prejudicar a escola com as notas. O abre-alas também teve alguns problemas e a escola teve um espaço aberto entre o setor 3 e 5. O último carro da escola desfilou com problemas mas não atrapalhou a evolução da
Inocentes.

Samba

O samba rendeu e cresceu ainda mais na avenida. Envolvente, a letra contém versos com extrema beleza poética e trechos que emocionam muito como os versos finais que antecedem o refrão principal. O crescimento ficou muito em função do time de cantores e da bateria do mestre Washington, um acerto.

Fantasias

O trabalho de fantasias do carnavalesco Jorge Caribé conseguiu explicar o enredo e facilitou na sua leitura. Usando matérias leves e baratos, Caribé acertou na plástica da Inocentes de Belford Roxo. Destaque para a ala das baianas que vestiram uma fantasia em tons de marrom representando as “mães nordestinas” dando um efeito visual bonito. Logo atrás do primeiro carro as alas 4 e 5, representando a chegada da jogadora a cidade e o Vasco da Gama, primeiro clube da jogadora, respectivamente também eram bonitas e leves.

Alegorias

O abre-alas representando Alagoas, terra da jogadora Marta, trouxe uma capela central com anjos na parte traseira e como figura central uma escultura representando a homenageada. Grande e muito bem acabado, apesar dos problemas motores, era um carro esteticamente bonito. O segundo carro, “Marta ganha os campos do mundo” representou um grande campo de futebol, Caribé com uma sacada genial decorou o carro por completo de bolas de futebol, dando um efeito maravilhoso para alegoria, além de ter sido uma sacada com um baixo custo. Os carros, de fácil leitura, contaram bem a proposta do enredo.

Comentários