Com o propósito de representar fielmente a paixão do brasileiro e o brilho da profissão de Marta, a Inocentes de Belford Roxo trouxe realmente um campo de futebol para a Avenida. A segunda alegoria da escola “Marta ganha os campos do mundo” representava a paixão e dedicação da futebolista com a profissão. Foram seis ‘bolas de ouro’ de melhor jogadora do mundo, prêmio concedido pela Fifa (Federação Internacional de Futebol). A terceira escola a desfilar na noite deste último sábado, a Inocentes de Belford Roxo trouxe o enredo “Marta do Brasil – Chorar no começo para sorrir no fim” assinado pelo carnavalesco Jorge Caribé.

A trajetória de Marta no futebol se confunde com as brincadeiras de infância ainda em Dois Riachos cidade de Alagoas, onde nasceu. De uma diversão nasceu o sonho da menina, que mesmo em um esporte predominantemente masculino se destacou. Despontou no futebol juvenil do Centro Esportivo Alagoano (CSA) em 1999, mas sua carreira profissional começou com a chance de vir ao Rio de Janeiro pelo clube Vasco da Gama em 2000, com apenas 14 anos. A partir daí começou a decolar, após ser emprestada para outros times nacionais. Após este início, foi vendida para defender o Umeå IK, da Suécia. Foi através dele que seu talento, já reconhecido e nato, veio a holofote do mundo, até ser considerada a melhor jogadora do planeta. Título que carrega em sua história, nada menos do que seis vezes ganhadora do troféu de melhor jogadora do mundo da Fifa.

O interessante deste carro era a interação. A alegoria era composta somente por mulheres, umas representavam jogadoras de futebol em plena partida no campo montado no centro da alegoria, outras representam a torcida, que vibravam ou se decepcionavam com o resultado do jogo. Repassaram para a Avenida um pouco das múltiplas emoções que a uma partida de futebol pode proporcionar.

A alegoria era envolta por diversas bolas de futebol, com bandeiras do Brasil e dos Estados Unidos, este último para representar os times em que a jogadora já atuou.

Célia Regina, 43 anos, uma das integrantes da alegoria, fez sua estreia na escola. Ela adorou a proposta do carro de fazer uma interação das jogadoras e torcedoras com o público. Feliz com o primeiro desfile na Inocentes, ela contou ainda a emoção de poder participar de uma homenagem à Marta, que de certa forma, representa todas as mulheres brasileiras.

“Nós todos gostamos muito do enredo. É muito bacana poder fazer uma homenagem para uma pessoa tão importante como a Marta. A respeito do carro, eu não vou dizer que é complicado mas na verdade é divertido viver isso. Eu faço parte da torcida, tem as meninas aqui no centro jogando e representando a Marta como jogadora e está sendo muito legal”, contou a estreante.

Elizabete Landim, 59 anos de idade e 40 de Sapucaí, também fez sua estreia na Caçulinha da Baixada. Assim como os companheiros de alegoria, estava super empolgada com a interatividade do carro.

“Estou adorando que vou desfilar nesse carro e poder homenagear a Marta, nossa grande jogadora que representa o Brasil muito bem. E, sem contar que mostra a força da mulher brasileira. Ficou muito show essas bolas no carro, ao final vamos poder distribuir a maioria delas após o último jurado” adiantou a desfilante antes de passar pela Avenida.

Comentários