O vazio deixado nas quadras das escolas de samba e no Sambódromo do Rio de Janeiro será preenchido com intervenções artísticas com muito brilho e colorido. A artista plástica paulista Flávia Junqueira começa a partir desta quarta-feira a ocupar esses espaços tradicionais do carnaval carioca com balões, serpentinas e outros objetos para devolver parte da alegria da festa e eternizar os momentos em obras fotográficas e de vídeo. A iniciativa tem o apoio da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, da Riotur e da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro).

Junqueira decidiu homenagear as seis escolas do Grupo Especial que tiveram as melhores colocações no desfile do ano passado. A quadra da Grande Rio, em Duque de Caxias, será a primeira a receber a ocupação nesta quarta. No dia seguinte, será a vez de Mangueira e Salgueiro e na sexta a Beija-Flor de Nilópolis será objeto da intervenção artística. No sábado, a Mocidade Independente de Padre Miguel terá sua quadra ocupada e no domingo a campeã Viradouro vai virar foco desse trabalho artístico.

A contribuição da artista para o atípico carnaval carioca da pandemia será coroada na terça-feira com a intervenção na Praça da Apoteose, no Sambódromo, cedido gentilmente pela Prefeitura do Rio através da Riotur, que o abrirá exclusivamente para a instalação. No início da manhã, Junqueira e sua equipe começam a montar o cenário de colorido e beleza que pretende devolver um pouco da graça que o desfile proporciona.

Enquanto as obras nas quadras serão predominantemente nas cores de cada escola, no trabalho do Sambódromo todas se juntam na composição. A artista vai utilizar materiais variados em cada trabalho, prometendo substituir os balões com gás hélio, comuns nos seus trabalhos, às vezes por serpentinas, papel picado e fumaça colorida. Uma equipe de produção foi contratada especialmente para essas montagens, que contam com o apoio da marca de balões Qualatex Brasil.

“A ideia é que essa intervenção seja documentada para um vídeo para registrar desde a quadra vazia, mostrando a entrada dos objetos e todo o processo. Vamos mostrar a alegria e também a tristeza porque não vai ter ninguém. São espaços que estão silenciosos, desabitados, mas que estarão em festa sendo homenageados nesse momento de tanta privação”, afirma a artista, que exalta a importância do carnaval carioca para a cultura do país.

A secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros, saudou a proposta: “Sou fã do trabalho da Flávia e acredito que vem a casar perfeitamente com a necessidade que temos de levar alegria sem ajudar a propagar a Covid-19. Um acontecimento que ficaria marcado pelo vazio e pela tristeza será marcado para sempre por esse trabalho que ficará belíssimo”.

Comentários