A resistência cultural preta salgueirense aos poucos vai sendo desvendada. O tema proposto por Helena Theodoro e desenvolvido pelo carnavalesco Alex de Souza, vai entrar na Marquês de Sapucaí tendo, além dos segmentos e da comunidade , um time de peso na defesa do título que não vem desde 2009. Entre estas figuras, importantes dentro da mensagem que transmite o enredo, Ivanir dos Santos, babalaô, pós doutor em História Comparada pela UERJ e interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa, erguerá o punho cerrado da Resistência na alegoria que retrata a importância cultural das religiões matriz africana como legado ancestral e a luta contra a intolerância.

Foto: Victor Brito/Divulgação Salgueiro

Em visita ao barracão na Cidade do Samba, o sacerdote dedicado ao culto de ifá e conhecido por sua luta por direitos civis, especialmente no que tange às religiões de matriz africana, conheceu o projeto de perto, e destacou a forma como a escola, que será a terceira a desfilar no dia 22 de abril, está conduzindo o tema.

“Fiquei muito feliz em conhecer o projeto, ainda mais vendo pessoalmente a forma como está sendo conduzido o enredo que apresenta nossas resistências tradicionais, religiosas, culturais, sociais e políticas. Principalmente nesta fase que estamos passando, com a crescente falta de respeito com o ser humano, a intolerância religiosa e o racismo que cresce a cada dia, o enredo torna-se cada vez mais pertinente”, comentou o homenageado, cuja história de vida forjou o líder que se tornou através dos anos de luta. Preto, favelado, filho de prostituta, raptado da mãe aos 07 anos e ex-interno da Funabem, Ivanir é resistência desde sempre.

A presença confirmada do babalaô é , segundo Helena Theodoro, um grande presente para ela e para o enredo.

“Estamos convocando amigos que , ao longo do tempo, escreveram uma história de resistência, cada um à sua maneira, na defesa e na conquista destes espaços que também nos pertencem como herança ancestral. É uma grande homenagem a quem lutou e abriu espaço para que chegássemos até aqui e déssemos possibilidade para quem está chegando se fortalecer e seguir neste processo”, diz Helena, autora do enredo, cuja representatividade junto à comunidade preta vem fortalecendo cada vez mais o elo com a escola.

Comentários