Ao longe, acho que já dá para ouvir o rufar das batucadas. Parece distante, é bem verdade, mas não tanto quanto o maior hiato que o desfile das escolas de samba já enfrentou em sua história. Sei lá, talvez eu esteja ficando doido após tanto silêncio. Mas o cenário é favorável para que possamos nos reencontrar com o chão cinza e as arquibancadas de concreto da Marquês de Sapucaí. É um reencontro com quem somos, nossa gente, nosso país e nossas histórias. A cada desfile, somos atravessados pelas subjetividades e emoções que nos fizeram amante dessa festa.

Ao longo de oito décadas de cortejos, nunca tivemos tanto tempo para maturar os enredos a serem desenvolvidos. E pensar que até a década de 1970 era comum agremiações anunciarem seus temas só depois da virada do ano, hoje é algo impensável. Desde março de 2020, já temos enredos e sinopses sendo anunciados e, assim, ao longo dos meses, essas narrativas vão se reconstruindo, ganhando novos sabores e se remodelando até ganharam seu contorno final nos dias da folia. Pra isso, o ritmo na Cidade do Samba aos poucos vai se acelerando, a maioria dos barracões já deu alguma largada para a produção dos seus desfiles.

Mas que cenário é esse que vivem as escolas de samba de 2022? O que dois anos de hiato ensinaram para as agremiações? O contexto municipal é completamente diferente, saí o Bispo e entra o sambista, mas ainda enfrentamos governantes ignorantes da potência da nossa festa em diversas esferas. A crise social e econômica que enfrentamos fez sumir de vez os temas patrocinados e, no contexto artístico, já parece clichê afirmar o surgimento de uma “nova geração de artistas”. Das seis primeiras posições de 2020, a maioria era assinada por artistas que surgiram no Especial há menos de dez anos.

E o que isso trouxe de frescor para os temas a serem desenvolvidos? Tudo. Vivemos hoje um carnaval que se importa muito mais com o “discurso”, mesmo que o artístico e administrativo ainda entrem em conflito, gerando contradições instigantes. Se houve um tempo esteve em moda falar em patrocínio, hoje, parece fundamental falar de pautas socias e cotidianas. Pensando nisso, é impossível não começar falando do carnaval que se aproxima sem apontar a predominância dos chamados “enredos afro”.

O que levanta várias outras questões. Primeiro, a de se debater o que de fato abarca essa terminologia genérica e suas múltiplas possibilidades. O que é um enredo afro? Existe apenas um eixo ou vários? Podem ser as narrativas com foco nas religiões afro-brasileiras, caso de Grande Rio e Mocidade, ou que versam sobre figuras pretas, como Vila Isabel e Mangueira. Há ainda reflexões críticas e que abarcam a questão social, como Salgueiro, Tuiuti, Portela e Beija-Flor. É um leque complexo e instigante, sobretudo por se tratar, em sua grande maioria, de narrativas muito bem desenvolvidas e necessárias.

Temos, sem dúvidas, uma safra forte e potente de enredos a serem levados para a Avenida em 22. Temas que dialogam com o nosso momento histórico, dos casos de racismo que foram discutidos nos contextos nacional ou internacional. E, não, nunca é “demais” temas dessa natureza. Ainda mais quando a própria variedade de oito narrativas chamadas “afro” nos indica diferentes vertentes e prismas para repensar a diáspora africana, as religiosidades brasileiras, questões sociais e, principalmente, a presença negra na cultura brasileira. Definitivamente “enredo afro” não é tudo igual.

O que mais me chama atenção num primeiro olhar dessas narrativas é a forma como algumas agremiações costuraram seus enredos a si mesmas, louvando sua própria trajetória. Fazendo uma analogia básica, a mesma peça de roupa em várias pessoas possui caimentos diferentes. Parece ser o mesmo caso. Uma escola de samba é um corpo coletivo único, com uma identidade forjada ao longo das suas trajetórias, com signos que ajudam a reconhecê-las comunitariamente. Sejam desde signos mais básicos, como cores e mascotes, como os enredos e o tipo de sambas que melhor vestem essas agremiações.

Pensando nisso, é de grande valor quando uma instituição cultural consegue costurar de maneira natural ao seu enredo a sua própria história e seus personagens. É um exercício tanto de memória, que ajuda a consolidar os nossos artistas do carnaval, como de afirmação dos valores que ajudam a consolidar essa noção de pertencimento coletivo. Quase todas as agremiações conseguiram trazer esse valor para os seus enredos. Ou seja, tornar aquela narrativa única a partir do seu próprio olhar.

A Portela é uma escola que ficou conhecida por usar bastante esse tipo de recurso. Seja qual fosse o enredo, geralmente estão lá citações a Paulo da Portela, Candeia, Clara, Natal e tantos outros. Mas em um país que cuida tão pouco da sua memória, quem vai cuidar melhor do seu legado senão ela mesmo? Por mais que as vezes o excesso seja um pecado, quando esse processo é bem feito gera identificação e mais valor ao desfile.

Ao cantar “Igi Osè Baobá”, a Águia de Madureira certamente não deixará de louvar os frutos de sua jaqueira e da sua Velha Guarda. E, dessa vez, nada mais propício do que costurar a resistência da cultura afro-brasileira através do próprio samba e de suas escolas. Esse mesmo recurso narrativo é presente mais visivelmente nos enredos de Salgueiro, Beija-Flor e Mocidade. A verde e branco explora a ligação do orixá Oxóssi com a sua bateria, aproveitando para louvar seus ritmistas e músicos. Desde o lendário Mestre André como nomes que vão ser apresentados ao grande público através do seu cortejo, como Quirino e Tia Chica.

É o mesmo caso de Cabana, um dos grandes intelectuais da Beija-Flor que será louvado pela azul e branco dentro do fio narrativo que envolve “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”. O título já deixa claro a intenção de valorizar a voz da própria escola. Isso seja tanto pelos seus artistas em destaque, como Selminha e Neguinho, como toda a comunidade preta que rasga o chão da Sapucaí ano a ano. É um traço que traz originalidade e assinatura para uma escola acostumada a cantar os chamados “enredos afros”, ainda mais após uma mal sucedida auto-homenagem em 2019.

Outra agremiação com tradição nessa linha temática, o Salgueiro não poderá deixar de se incluir como uma das formas de “Resistência” do seu enredo assim batizado. Para isso, podemos aguardar referências aos seus carnavais históricos da década de 1960. E por falar da própria folia, há casos em que contar sua história é o grande trunfo e mote principal da narrativa. Entram nessa categoria, os temas de Vila Isabel, Imperatriz e Mangueira, como o trio “Angenor, José e Laurindo” na verde e rosa; o negro rei Martinho na azul e branco do bairro de Noel e o histórico carnavalesco Arlindo Rodrigues na verde e branco da Leopoldina.

E não para por aí. Em alguns outros exemplos, essa ligação não estão tão explícita, mas também se faz presente. A Grande Rio, por exemplo, busca um elo com a comunidade de Duque de Caxias ao usar como figura-chave a filósofa urbana Estamira, que habitava o aterro sanitário de Gramacho, em seu enredo sobre Exú. No caso da Unidos da Tijuca, o fio que conecta a narrativa de Jack Vasconcelos com história da azul e amarelo é a afirmativa de resgatar os enredos indígenas que foram desenvolvidas por Oswaldo Jardim na agremiação.

Enfim, são múltiplas ligações, múltiplas leituras que nos ajudam a perceber o ponto forte de cada narrativa. Esse texto, serviu apenas como um panorama do que teremos em temos de enredo para o carnaval que se desenha. Ao logo das próximas semanas, eu volto nesse espaço gentilmente cedido pelo Carnavalesco para explorar outras vertentes e potências para 2022, trazendo escolas que ainda não foram citadas e aprofundando outras.

  • Leonardo Antan é mestre e graduado em História da Arte pela UERJ, com pesquisas sobre o carnaval carioca. É ainda curador, editor e produtor cultural, ligado ao coletivo multiplataforma Carnavalize. Lançou recentemente o livro “Laroyê Xica da Silva” e a exposição virtual “Sal60”.
Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.