O livro Três poetas do samba-enredo, lançamento da editora Cobogó, olha para os artistas que, embora muitas vezes relegados aos bastidores, se dedicam a combinar os versos e as melodias que fazem com que cada carnaval transcenda a Avenida e ingresse em nosso imaginário coletivo: os compositores, aqui representados pelos mestres Aluísio Machado, David Corrêa e Hélio Turco. A pesquisadora Rachel Valença, o jornalista Leonardo Bruno e o dramaturgo Gustavo Gasparani reverenciam esses expoentes que fizeram história no carnaval carioca em narrativas que, revelando as trajetórias individuais desses três poetas do samba-enredo, atravessam oito décadas de cavaco, repique e tamborim.

Aluísio é autor do inesquecível “Bum bum paticumbum prugurundum”, que marcou a vitória da Império Serrano em 1982. David compôs “Das maravilhas do mar fez-se o esplendor de uma noite” (dos versos “E lá fui eu pela imensidão do mar/ Essa onda que borda a Avenida de espuma/ Me arrasta a sambar”), que embalou o desfile da Portela em 1981. E Hélio escreveu “100 anos de liberdade – realidade ou ilusão” (“Pergunte ao Criador/ Quem pintou esta aquarela/ Livre do açoite da senzala/ Preso na miséria da favela”), do carnaval de 1988, um dos sambas mais emblemáticos da história da Mangueira. Mas, mais do que isso, os três têm um brilhante “conjunto da obra” – personificando, com suas carreiras e criações, a arte e a magia do carnaval carioca.

Cada um dos autores escreve sobre o compositor do samba preferido de sua escola do coração. A imperiana Rachel Valença narra a trajetória do (como ele próprio costuma se apresentar) “internacionalmente desconhecido Aluísio Machado” – com 14 composições de sua autoria entoadas na Avenida, tendo seis delas sido agraciadas com o Estandarte de Ouro de Melhor Samba-Enredo. Já o portelense Leonardo Bruno homenageia David Corrêa, o maior vencedor de sambas-enredo na azul e branco de Madureira (mas que também foi responsável por um dos mais cantados da história do Salgueiro e por um refrão da Estácio de Sá que extrapolou o mundo do carnaval). E o mangueirense Gustavo Gasparani fala da vida e da obra de Hélio Turco, que, segundo ele mesmo, “não toca, não bate, não canta, não samba e, também, não é turco”, ainda assim, desde 1957 se mantem fiel à verde e rosa, tendo levado a Mangueira a seis campeonatos – tornando-se o maior vencedor da escola e um dos maiores de todo o carnaval.

“Descobrimos que um doou para a caridade a porta do quarto da filha, o outro tinha uma mulher que falou mal do parceiro das composições no cabeleireiro, e o prosaico, o cotidiano vão nos apresentando, por trás das canções, os homens. Os três poetas aqui perfilados representam a tenacidade das gerações que se sucedem buscando a batida perfeita”, escreve Milton Cunha no texto de orelha.

Além disso, na primeira parte do livro, os autores traçam panorama do gênero samba-enredo, esboçando um painel de sua evolução e suas transformações ao longo do tempo. Esse texto é construído, no melhor espírito carnavalesco, em tom de conversa: assim como fazem os poetas do carnaval ao criarem suas obras, os autores se sentaram em roda e jogaram palavras no ar, esmiuçando com muita propriedade o mundo dos fazedores de samba.

Como define no prefácio o jornalista e pesquisador Sérgio Cabral, Três poetas do samba enredo “é uma espécie de farol para quem deseja navegar, a qualquer hora do dia ou da noite, pelo mundo do samba”.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.