O dia 24 de setembro de 2022 ficará na história da Mocidade Alegre por mais do que a comemoração dos seus 55 anos de fundação. A escola do Limão abriu as portas da sua nova quadra, para a comunidade junto com o retorno das famosas 24 Horas de Samba, tradicional evento anual organizado pela Morada, após dois anos de pandemia.

A Arena Morada do Samba, erguida no local onde ficava o antigo barracão da escola, próximo à Ponte Freguesia do Ó, é um amplo espaço que conta com estrutura coberta dotada de isolamento acústico, praça de alimentação na área externa e estacionamento próprio com manobrista. Ainda há alguns elementos a serem construídos no espaço para que fique de acordo com o projeto pretendido. A área interna atual conta com quatro áreas de mesas de pista, três camarotes, palco com acesso direto à pista e área dedicada à bateria.

Sonho de uma cidadã paulistana

Se para todos os apaixonados pela Mocidade que entravam pela porta de acesso à Arena a emoção era evidente em seus olhares, para a presidente Solange Cruz a noite ganhou um tempero extra. O ex-vereador Celso Jatene subiu ao palco para entregar à líder da comunidade o título de Cidadã Paulistana. Nascida em Barueri, Solange recebeu o reconhecimento da Câmara Municipal de São Paulo por suas contribuições para com a cultura, sociedade e samba paulistano. Antes de receber a honraria, a presidente agradeceu a toda comunidade pela realização do sonho da nova quadra.

Fotos Lucas Sampaio/Site CARNAVALESCO

“Quero deixar bem claro para todos vocês que é o início de um sonho. Não está ainda do jeito que nós gostaríamos que ficasse, mas vai ficar. Tenham certeza disso. A gente trabalhou muito para que tudo acontecesse da melhor maneira possível. Quando a gente tenta realizar um sonho, a gente depende do esforço de muita gente. Não foram poucas não, foram muita gente. Isso eu tenho mais que agradecer à família Mocidade Alegre, não mede esforços. Eu quero agradecer a todos os departamentos, mas principalmente a Alegoria, a Harmonia, a todas as equipes de Parintins que pararam quatro ou cinco dias o Carnaval e vieram aqui para dentro para nos ajudar”, declarou Solange.

Emoção de quem leva a Morada do Samba no coração

Lágrimas não faltaram aos componentes da Mocidade Alegre conforme entravam pela primeira vez na nova casa. A equipe do site CARNAVALESCO conversou com diferentes apaixonados sobre os seus sentimentos de estarem em uma nova casa. Josué, de 40 anos, 11 deles dedicados à escola e que faz parte da Ala Família da Morada, era um dentre as centenas de integrantes que tiveram a oportunidade de conhecer a Arena pela primeira vez.

“Posso falar que eu nem sei o que estou sentindo. A emoção é tanta, da gente chegar, ver um terreiro novo, ver a quadra, do jeito que ela ficou linda e maravilhosa. É um êxtase que vem de lá de dentro e deixa a gente sem palavras nesse momento. Depois de dois anos, a gente poder voltar para as 24 Horas de Samba, com uma casa nova, é de muito orgulho. Ver esse barracão transformado em quadra, um barracão onde a gente viveu, ajudava com fantasias na véspera de Carnaval, e ver tudo do jeito que ficou é muito emocionante. A Mocidade corre na veia”, disse.

Gil Arruda, de 59 anos, exalava emoção a casa gesto que fazia durante a entrevista. Atualmente, ele desfila como composição de alegoria, e carrega muitas lembranças ao longo de 17 anos dedicados à escola. A emoção tomou conta de Gil quando pisou na Arena ao chegar.

“Quando entrei aqui, eu parei de falar porque só de falar já dá vontade de chorar. Eu sou da escola há 17 anos. Conheço desde quando a escola era na quadrinha, que era um terço do que é isso aqui. A nossa presidente tem uma raça e uma determinação muito grande, e sempre imaginei termos um espaço como esse. Eu nem dormi à noite. Acordei às seis horas da manhã, no horário errado. Meu dia não passava, combinei que nove horas eu quero estar lá, quero chegar cedo. Quando cheguei aqui, fiquei com os olhos mareados, porque a gente estava esperando há anos por esse espaço. A gente sabe que é muito trabalho, muita conquista, mas a gente vai arrasar e será uma festa linda com toda certeza”, contou.

Maria Alice, 68, pegou o ônibus errado para chegar ao local, e acabou parando na antiga quadra. Baiana da Mocidade há 10 anos, ela sentiu muita falta da escola que tanto ama durante o isolamento necessário em função da pandemia.

“Eu desci do ônibus normal, mas para a outra quadra. Cheguei lá e vi tudo fechado. Nós fomos convocadas para fazer os lanches, e aí caiu a ficha. Aí apareceu um mocinho novinho e perguntou se eu estava passando bem, aí expliquei que eu tava vindo pra cá, que fui buscar umas coisas na quadra velha. Aí ele disse pra eu guardar minhas coisas com ele que ele me traria pra cá. Quando cheguei aqui eu até me arrepiei. Eu fiquei dois anos sem desfilar. Eu fiquei doente, o médico falou que era ansiedade. Quando a gente põe a roupa, dá até vontade de chorar. Eu não desfilei esse ano porque estava com medicação. Não via a hora do médico me liberar para vir para cá. Quero é ganhar. Eu vou estar na Avenida quando a Mocidade ganhar o Carnaval”, declarou com confiança.

24 Horas de Samba com grandes atrações

Retornando após dois anos, o já tradicional evento organizado pela Mocidade Alegre iniciou com apresentação do grupo Poetas da Morada, cantando grandes clássicos e sambas-exaltação de várias coirmãs paulistanas. Em seguida, Igor Sorriso, junto com o time de canto da Mocidade e a bateria Ritmo Puro, recordaram clássicos da escola com direito a muita dança de diferentes segmentos da escola.

Após uma homenagem aos pavilhões presentes, com cada um sendo anunciado e interagindo com os casais da casa, seis sambas foram cantados com a presença de grupos cênicos. O público se surpreendeu quando os sambas de Viradouro e Grande Rio de 2022 foram cantados em sequência, com atores muito bem ensaiados. O Carrossel das Ilusões, da própria Morada, e obras da Terceiro Milênio e Gaviões da Fiel também deram as caras antes de uma longa passagem do samba da Mocidade Alegre para 2023 finalizar a apresentação da anfitriã. Imperatriz Leopoldinense e Acadêmicos do Salgueiro também são destaques do evento.

Comentários