Por Marlon Lamar

COLORADO DO BRÁS

Uma difícil missão. Assim será o carnaval do jovem casal de mestre-sala e porta-bandeira da Colorado do Brás. Arrisco dizer que será o casal com a prova mais difícil para se realizar no ano de 2019 no quesito. Como é de ciência de todos a agremiação abre o carnaval paulista na sexta-feira e como em qualquer lugar ser o primeiro a entrar na passarela do samba não é muito fácil. O casal Ruhanan e Ana Paula fez no dia 01 de fevereiro o segundo ensaio técnico geral com a sua agremiação. Por serem um dos casais do mais alto patamar de São Paulo, os mesmos apresentaram uma coreografia de muita expressividade e ousadia perante as cabines de julgamento ao decorrer da pista. Bailavam incansavelmente e evoluíam mostrando toda a sua leveza. O casal, em certos momentos, teve alguns problemas técnicos. A falta de sincronismo que se refere a apresentação de passos característicos do enredo no qual foi proposto era perceptível. A preocupação em desenvolver certos movimentos por parte do casal era um dos pontos visíveis. Nestes momentos perdiam a expressividade e galhardia. A terceira cabine foi a mais prejudicada por algumas falhas pequenas, porém os mesmos se recuperaram e conseguiram terminar o ensaio técnico de forma plausível e digna. Um casal que por toda sua experiência acredito na recuperação a as notas do mais alto nível.

MOCIDADE ALEGRE

O grande casal da Morada do Samba. Ambos gabaritados dentro do quesito mestre-sala e porta-bandeira de São paulo. Firmaram sua superioridade quando se trata de controle técnico. O mestre-sala Emerson Ramires e a porta-bandeira Karina Zamparolli deslizaram na Passarela do Samba de São Paulo. Com uma técnica digna de 40 pontos, mostraram o porque são o casal de maior notas 10 dos últimos sete anos. A coreografia de um bom gosto deu espaço para revelar toda a graciosidade e leveza dos movimentos. A finalização foi algo que me chamou a atenção, todos movimentos muito bem coordenados e executados. Passaram pelas quatro cabines com a apresentação mais técnica vista na noite do dia 1 de fevereiro no Sambódromo de São Paulo. A graciosidade da porta-bandeira foi um dos pontos mais altos da apresentação em frente a cabine do júri. O mestre-sala se arriscou e fez diversas piruetas e muito bem executadas, seguidas de um riscado de menor expressividade, porém muito bem elaborado. Se aumentassem um pouco mais a velocidade entrariam no nível máximo de uma apresentação para um casal do quesito em São Paulo. Nada que tire a imensa possibilidade de continuarem a brilhar e garantirem mais quatro notas 10 para a Mocidade Alegre.

X-9 PAULISTANA

Um dos casais mais aguardados da noite do dia 1 de fevereiro. Fizeram justiça a espera. E brilharam ao passarem pelo Sambódromo do Anhembi em São Paulo. A parceria que foi montada para o carnaval 2019 mostrou que está fazendo o dever de casa. A porta-bandeira Lyssandra, uma das melhores da atualidade, foi grande destaque com a sua força em seus giros horário e anti-horário mantendo até o final do desfile. O mestre-sala Marquinhos não ficou atrás. Com um riscado digno de prêmio, mostrou toda a sua técnica no decorrer da pista, demostrando um controle do corpo plausível. A apresentação do casal oficial em frente as cabines foram muito bem executadas. Foi perceptível que o casal se arriscou e desenvolveu uma coreografia que envolve um solo notório de cada. Algo que em alguns momentos se tornou preocupante no aspecto técnico. O mestre-sala se distanciou muito de sua porta-bandeira em vários momentos. Isto acabou prejudicando a estética coreográfica. Problemas ocorridos com o mesmo em anos anteriores voltaram a acontecer como a queda de seu instrumento de trabalho (leque) que caiu em frente ao campo de visão do julgador. Mesmo com estas intercorrências foi uma apresentação de muita expressividade e de uma velocidade plausível que se manteve até a faixa “fim” do Sambódromo do Anhembi. O casal estará entre os resultados positivos da agremiação no carnaval 2019.

TOM MAIOR

Um dos casais mais experientes e renomados do carnaval de São Paulo. Jairo e Simone, da Tom Maior, tiveram no dia 2 de fevereiro seu ensaio técnico no Sambódromo do Anhembi. Donos de encanto e muito charme. Transmitiram todo prazer e amor em defender o pavilhão vermelho e amarelo ao público presente. A coreografia proposta foi criada baseada no regulamento que rege o quesito em São Paulo. Com alguns problemas técnicos como o pavilhão não se desfraldar em alguns momentos durante e em frente ao módulo de julgamento a porta-bandeira teve dificuldade em suas finalizações e sincronismo para com seu mestre-sala, prejudicando também a intensidade de certos movimentos devido a velocidade apresentada. O casal terminou seu ensaio com uma evolução aparente e que demonstra uma grande possibilidade de acertarem estes problemas técnicos pautados. Donos de muitas notas dez e décadas de carreira, vale ressaltar que é preciso respeitar e admitir a força que ambos possuem, tornando a nota no desfile oficial de fato uma consequência do momento.

TUCURUVI

A grande aposta do quesito mestre-sala e porta-bandeira. Assim foram os comentários que rodeavam a intensa e divina apresentação do jovem casal Kawan e Waleska da Acadêmicos do Tucuruvi. Necessário iniciar esta análise parabenizando a porta-bandeira por ostentar o pavilhão de forma correta e exemplar mesmo diante da ventania que ocorria quando o casal iniciou sua apresentação na pista. Mostrando toda a sua técnica e controle coreográfico, o casal foi sem dúvida o destaque positivo da escola ensaio técnico. A coreografia proposta foi baseada no critério de julgamento já que não continha muitos riscos, ficando evidente que optaram por coreografia simples, porém bem executada. Alguns problemas técnicos como a perda da expressividade por parte do mestre-sala foram identificados. O seu riscado muito bem executado e de notória intensidade foi penalizado em alguns momentos pelo mesmo por ser realizado olhando em direção ao chão. O casal ao evoluir, em certos momentos, se distanciava muito um do outro, algo que esteticamente não era bom para a coreografia e todo o “romance“ apresentado. A dança foi constante e percorreu todo o trajeto do Sambódromo do Anhembi. Mantiveram a velocidade e nítido era o domínio de espaço da pista com uma dança que não se submeteu a ficar apenas no meio da passarela do samba. São fatores que corroboraram para uma apresentação digna e que aponta um resultado muito positivo para o casal.

IMPÉRIO DE CASA VERDE

O gigante casal da Império de Casa Verde não só na altura, mas também em dança, brilhou na noite do dia 2 de fevereiro no Sambódromo do Anhembi. Rodrigo Antonio e Jessica Gioz foram de fato um dos pontos mais fortes da escola no ensaio técnico. Necessário pontuar a força e imponência da porta-bandeira que mostrou todo o seu controle técnico e corporal. O mestre-sala teve um riscado muito bem executado e limpo encantando a todos que estavam presentes. A coreografia proposta foi muito bem executada e sem falhas técnicas perante o módulo de julgamento. Algo a ser citado e importante é que em alguns momentos o mestre-sala perdia sua expressividade e isto destoava da grande apresentação que era realizada em frente a cabine. Ambos se comunicaram no decorrer da pista, mostrando uma certa preocupação que ocasionou em leves deslizes de sincronismo ao realizarem movimentos como minueto. Nada que tire a grandiosidade de apresentação proposta pelo casal que de fato se destacou como uma grande aposta da escola de samba e a imensa possibilidade da tão sonhada nota máxima.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui