Cobra coral, papagaio vintém. No próximo carnaval, a Estácio de Sá irá vestir rubro-negro novamente para homenagear o Clube de Regatas do Flamengo. A reedição do samba-enredo de 1995 foi anunciada pela Vermelha e Branca do Morro do São Carlos na última segunda-feira. Após o anúncio, o site CARNAVALESCO conversou com a dupla de artistas que será responsável por desenvolver o novo desfile em tributo ao clube carioca, Mauro Leite e Wagner Gonçalves.

“Do desfile original só vai ser mantido o samba, que tem uma letra bem direta e subjetiva. O desfile de 95 não tem uma linearidade no tipo de enredo, como era comum na década de 1990. Era um enredo episódico. Então, a gente tem daquele carnaval de 95 só o samba. E mesmo assim com alteração na frase sobre o centenário. Em relação ao nosso olhar para o carnaval original, ele é simplesmente inspiração. Vamos fazer algo totalmente novo, aproveitando o gerúndio e as reticências da frase, para nas entrelinhas construir uma coisa nova. É um momento diferente, tanto do Flamengo, quanto da Estácio”, adiantou Wagner.

O anúncio da reedição foi feito na quadra da agremiação, com a presença do presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, ao lado de Leziário Nascimento, presidente da Estácio de Sá. De acordo com Wagner Gonçalves, a proposta de fazer uma nova homenagem ao time rubro-negro partiu justamente da direção estaciana.

“Dentro do cenário de possibilidades, surgiu esta. Mas eu acho que não pela reedição em si, e sim pela aproximação com Flamengo e a possibilidade de apresentar um carnaval sobre o clube. Como a Estácio já tinha feito esse carnaval, então a escola meio que era dona de poder narrar essa história. Já tínhamos apresentados outros temas, outros enredos, e a direção sugeriu essa possibilidade de reedição do samba com uma nova leitura, com um olhar atual”, relatou o carnavalesco.

Mauro Leite fará sua estreia

Este será o primeiro trabalho de Mauro Leite e Wagner Gonçalves juntos. Sobre a parceria inédita, eles fizeram questão de destacar que ambos ainda estão se conhecendo, mas asseguraram que farão todo o possível para que o resultado do que irá para Avenida seja o melhor para Estácio de Sá.

“Como eu e o Wagner nunca trabalhamos juntos, acho que tem um processo de conhecimento e adaptação. Mas estamos super abertos e queremos pensar juntos, sem divisões rígidas, pra que o resultado tenha coesão e unidade”, garantiu Mauro.

“Tudo vai ser feito a quatro mãos. Claro que a gente vai inclinando para aquilo que mais gosta, então talvez o Mauro arte finalize mais os figurinos e eu os carros. Porém, a gente já combinou que vai desenhar junto, criar junto, discutir junto… Acho que vai ser bacana, podem ser olhares diferentes que se complementam”, completou Wagner.

O desfile irá marcar o primeiro trabalho de Mauro Leite como carnavalesco, sem a presença de Rosa Magalhães. Antes, o artista já havia assinado um carnaval no Império Serrano, ao lado da professora e de Andréa Vieira, no ano de 2010, pelo então Grupo de Acesso A, que é a atual Série A.

“Estou muito feliz, fiquei muito honrado com o convite da Estácio. Acho que é uma grande responsabilidade, tanto pela escola que estou defendendo, quanto pelo tema. Mas estou confiante e espero fazer um trabalho à altura”, declarou Mauro.

Além de Mauro, o próximo carnaval também será simbólico para Wagner Gonçalves. Depois de ficar pelos últimos dois anos longe da Marquês de Sapucaí, o carnavalesco irá retornar para o palco do maior espetáculo da Terra com a Estácio de Sá.

“Quando eu deixei a Inocentes de Belford Roxo em 2018, eu já estava apalavrado com a Águia de Ouro e até desenvolvendo um enredo. Mas, com a chegada de um novo diretor de carnaval, ele levou outro carnavalesco, fiquei desconfortável e achei melhor não continuar. Em 2020, estava bem focado em fazer o carnaval de Nova York, que seria agora em julho que passou. Mas esse cenário de pandemia desconfigurou, e daí eu tinha essa dimensão de que o próprio carnaval de Nova York seria remarcado e que eu não podia ficar tanto tempo longe da Sapucaí ou do Anhembi, de qualquer lugar que eu pudesse mostrar o meu trabalho com potencialidade. Surgiu o convite da Estácio, outros convites também tinham surgido, mas estou bem agora, feliz aqui e vou fazer o trabalho com força total”, relembrou.

No entanto, o retorno de Wagner e a estreia de Mauro ainda não tem uma data para acontecer, devido a indefinição quanto aos rumos da festa, gerada pela pandemia da Covid-19. Em setembro, a Liesa, entidade que administra o carnaval do Grupo Especial, adiou os desfiles. Porém, a Lierj, responsável pela Série A, ainda irá realizar uma plenária para decidir o seu destino em 2021. Em meio às incertezas, não se sabe como ficará o regulamento e nem mesmo qual será o modelo de disputa.

“Acho que nesse momento, a gente tem de estar preparado pra tudo, até porque estamos vivendo uma realidade nova. Então, com certeza, vamos ter que nos adaptar a modificações”, avaliou Mauro.

“Devemos estruturar o projeto com base no regulamento do ano passado. Adequações vão ser necessárias ou não, de acordo com o cenário epidemiológico, a vacina, enfim. Vamos ter que estar muito atentos e dispostos para fazer qualquer alteração. E nós temos essa disponibilidade, esse tempo, até porque não temos nem a data do desfile mesmo. Então, isso tudo vai influenciar: o momento, a data, o período… E depois ainda vai vir o horário, o sorteio, a configuração da disputa…”, complementou Wagner.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui