Compositores: Deh Oliveira, Lillo, Rufino, Mumu da Morada, Ale Pinheiro, Sidney Myngal, Alex e Helinho

Batuque ferve, no cantar das lavadeiras
Nasceu a flor de alma guerreira
Que Retrata a história de luta e da Fé
‘Eita’ povo sofrido que não sonha de pé.

Trilhando um caminho iluminado.
Dissabores são passado,
Mais um motivo para cantar e se alegrar
Voou de Oswaldo Cruz para Mangueira
Seu canto exalta a negritude.
E o estrelato a concebeu.

‘Marinheiro só’, é revolta, é liberdade!
Grito do gogó, conquistar, pedir passagem.
Em tom ancestral, o Brasil se encantou!
‘Levanta nego’, o ‘cativeiro acabou’.

Quelé de Jesus, da glória e do axé
Do samba tão sincretizado de fé
A voz do lamento
Não deixou calar a memória!

A lua ilumina, jongo e viola
Hoje a Morada, conta sua história.
Repleta de orgulho e emoção.
Canta Quelé, rainha da canção.

Cadê você Clementina?
No céu, estrela encantada!
Reluz no meu pavilhão,
Inspiração da minha Morada

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui