Quarta escola de samba a desfilar no Grupo Especial da segunda noite, a Mocidade Alegre apresentou um canto satisfatório, fantasias com boas variações dos materiais e boa estreia do casal oficial. Porém, a escola apresentou falha em evolução e isso afetou o carnaval em um todo. A entidade encerrou o desfile com 62 minutos.

Comissão de Frente

A primeira ala, intitulada como: “Do ventre feminino eclode a esperança”, apresentou uma encenação da árvore que se alimenta do solo, também busca a luz celestial para nascer, crescer e se propagar. Seguindo essa narrativa, a agremiação montou a coreografia.
O quesito trouxe componentes bem entrosados, passos que exigiam um bom domínio do espaço e interação constante do tripé, que no caso representava uma árvore. Falando nele, o elemento cenográfico e as pessoas fantasiadas de árvores chamaram atenção. A coreografia, no entanto, era pausada. Num momento eles passavam uma ilusão de ótica, e na outra evoluíam. Durante a execução de um determinado trecho, eles descem e evoluem junto com os restantes.

Mestre-Sala e Porta-Bandeira

Por ser a estreia, o casal Uilian Cesário e Karina Zamparolli demonstrou entrosamento, olhar constante entre os dois e apresentação devida do pavilhão aos jurados. A escola optou por separar um espaço mais compacto para que a dupla evoluísse. A fantasia do casal foi nomeada como “A essência africana e a ancestralidade yorubá”. Outro ponto de destaque ficou por conta da fantasia dos guardiões. Eles representaram os defensores dos princípios da Criação de Olorum.

Harmonia

Assim como nos ensaios técnicos, a escola apresentou um bom desempenho vocal dos componentes. A letra do samba-enredo tem palavras com uma pronúncia mais difícil, mas mesmo assim a letra foi escutada com clareza e a diferença de volume entre setores não foi claramente perceptível. Além do refrão principal, os trechos “Ê mulher”, “Lá vem ela” foram cantados com mais entusiasmo. O problema de evolução afetou o canto, isso porque, durante o trajeto acelerado, o volume e empolgação caia.

Enredo

O primeiro setor “Da ira de Olorum, o caos do canto das Yabás, a esperança”, trabalharam com a proposta de que a mulher foi escolhida pra salvar o mundo do caos. No seguinte, a escola homenageou Iemanjá, através do setor “O Canto de Yemanjá – A virtude da transformação da dor e da tristeza em esperança”. Nesse mesmo trecho, uma grande escultura da orixá foi vista e cativou pela riqueza de detalhes. No terceiro, “No canto das Yabás, o poder feminino regente da natureza”, a entidade trouxe variações das orixás femininos nas fantasias.

“No equilíbrio entre a água, a terra, o fogo e o ar – A esperança da reconexão do Orun com o Ayê” é o nome do quarto setor e destacou os elementos naturais. E o último, “Do canto das Yabás renasce uma nova morada – O perdão de Olorum”, a escola fecha com um clamor, onde a menina se transforma em morada.

Evolução

O quesito da escola sofreu em alguns pontos que podem prejudicar. Primeiro, o andar da escola no começo foi bastante padrão e seguro, no caso, optaram um pouco mais acelerado. A apresentação da comissão de frente e casal foi rápida e confortável. Porém, o primeiro detalhe negativo foi notado na entrada da bateria no recuo. No caso, os ritmistas entram no espaço e voltam para se curvarem, um movimento característico da bateria. Mas a ala da frente continuou, e ocasionou no buraco.

Para tentar amenizar o erro, a ala coreografada que vem à frente da bateria seguiu evoluindo. Porém, eles entram no recuo junto com a bateria. Ou seja, o espaço destinado passou e eles estiveram que invadir a ala de trás pra poder retornar. No minuto 30, a escola acelerou o andar imposto no início, e alguns buracos foram notados. No final do desfile, a escola segurou um pouco os desfilantes na avenida, e ficou parada na avenida.

Samba-Enredo

A obra apresentou uma letra forte, características exigidas até pela proposta do enredo. O hino do ano tem letras que fogem do padrão e melodia ousada. O intérprete Igor Sorriso, que já demonstrava muito domínio técnico, fez um desfile seguro. O cantor, além de manter o canto aguerrido e realizar cacos melódicos, também abria vozes com eficiência. As cordas também não ficaram pra trás, e ousaram nas execuções de arranjos e solos.

Fantasias

No quesito em questão, o que mais surpreendeu foi a diversificação dos materiais usados e cores. Algumas alas continham plumas no costeiro, a de trás com objetos diferentes, e com o mesmo efeito visual agradável. As cores também foram trabalhadas com atenção maior, no caso do quarto setor, a proposta fugiu do clichê.

Alegorias

O abre-alas “A Morada de Olorum”, contou com movimentação principal da maior escultura e o grande brasão da Mocidade Alegre, que também girava. A alegoria valorizou a cor vermelha e variações de tons. A segunda, “Nas águas de Yemanjá, o axé que movimenta a vida”, trouxe uma grande escultura da homenageada do setor. O detalhe de acabamento e muita água espichada se destacaram. Já no terceiro elemento, “O sagrado poder feminino que rege a natureza”, notou-se uma alegoria mais estática. No geral, os carros eram muito coloridos, e nesse em questão a escola aproveitou bem o escuro. A quarta, “Na essência do ventre feminino, a renovação da vida no Ayê”, já trabalhou mais as diversidades de cores. Detalhes para as raízes em toda estrutura. A última alegoria, “A nova morada”, utilizou muito bem o branco, verde e azul de forma inteligente.

Outros destaques

Durante a passagem da bateria Ritmo Puro nos últimos setores, todos os ritmistas se agacharam e efetuaram uma bossa. Tal ato levantou o público e animou o final do desfile.

Comentários