O grupo de jurados mais tradicional do julgamento é, sem dúvida, o de mestre-sala e porta-bandeira. Já foram vários os casais que deixaram a avenida com notas baixas por ousar inovar no sagrado bailado. De duplas inexperientes a casais consagrados, todos são severamente punidos se a apresentação tirar o brilho da dança. Não foi diferente com o casal da Portela em 2020, Marlon Lamar e Lucinha Nobre. Ao introduzirem a simulação de um parto no fim da apresentação assumiram um risco alto e praticamente jogaram fora um ano de preparação, pois não obtiveram uma nota 10 sequer.

Para João Wlamir, por exemplo, faltou sutileza na apresentação e o parto simulado era dispensável e tirou todo o brilho da apresentação da dupla. É o que ele explica ao justificar sua nota 9,9.

“A pouca sutileza na terminação dos movimentos, provocada pelo excesso de teatralização, conduziu à uma perda de elegância do casal em alguns momentos de sua dança. O nascimento da criança ficou gratuito e gerou um anticlímax na sua realização, mesmo o casal já tendo terminado sua apresentação”, criticou.

Mônica Barbosa não puniu apenas a derrapada que fez a bandeira de Lucinha enrolar no terceiro módulo de julgamento. O acidente não fez a jurada fechar os olhos para a apresentação diante de seus olhos.

“Marlon e Lucinha, casal lindo, musical, entrosado, técnica precisa e com maturidade cênica. Toda a minha admiração e respeito. A apresentação contou a história, teatral e tecnicamente, usando dinâmicas diferentes e planos. Figurino com uma certa estranheza, mas de acordo com o enredo. A saia da porta-bandeira muito grande. Infelizmente a bandeira enrolou após um deslize da porta-bandeira (uma provável torção de pé). O tão sagrado pavilhão não foi totalmente desfraldado por um momento no módulo 3”, destacou.

O julgador Paulo Rodrigues também tirou décimos devido ao parto realizado no final da apresentação. Segundo ele, além de dispensável, o ato fez com que Marlon amassasse a saia de Lucinha para retirar o bebê do interior da roupa da experiente porta-bandeira.

“Casal belíssimo com nuances maravilhosas. Mestre-sala e porta-bandeira com forte interpretação, porém indumentária da porta-bandeira não teve o efeito desejado. Com dois giros não mostrou leveza e suavidade, não senti a porta-bandeira voltar com naturalidade. Em várias execuções técnicas, estava um pouco contida. Mestre-sala evoluiu bem tecnicamente, porém precisa cuidar do seu gestual, com os braços mais suaves e elegantes. Não senti clima de cumplicidade do casal e sendo que no final do bailado, no nascimento do bebê, mestre-sala se aproximou muito da porta-bandeira e amassou muito sua indumentária por duas vezes no módulo 4. Este detalhe tirou o brilho e glamour deste momento mágico”, avaliou.

Áurea Hämmerli alertou não somente o casal portelense mas todos aqueles que eventualmente pensem em criar situações que deixem a sagrada dança do mestre-sala e da porta-bandeira em segundo plano: nada é mais importante que eles naquele momento na avenida.

“Aconteceram alguns problemas técnicos durante o bailado devido a saia volumosa e mais a teatralização que fizeram com que a dança, o bailado, não fosse o foco principal. A dança saiu prejudicada e o pavilhão ficou em segundo plano, no todo da apresentação. Algumas questões da teatralização precisam ser discutidas com muito cuidado e rigor artístico para não prejudicar o quesito com as suas características e importância. O mesmo acontece para o figurino. Nessa caso, quando um novo elemento esteve presente na roupa da porta-bandeira. O casal nesse momento precisa ter extremo cuidado, durante ensaios e preparação”, disparou.

Já Beatriz Badejo pontuou que além de todos os problemas pontuados por seus colegas a porta-bandeira Lucinha Nobre não evoluiu com a leveza exigida para o bailado do casal, aplicando um 9,8 à dupla.

“Representando ‘purabore’, uma mulher grávida, e trajando uma indumentária que não se adequou satisfatoriamente no bailado, a porta-bandeira Lucinha Nobre não evoluiu com leveza. Além disso, movimentos não coordenados comprometeram a harmonia do casal”.

Renovados com a Portela para 2021, Marlon e Lucinha receberam voto de confiança da direção após não tirarem uma única nota 10 de cinco julgadores. Contando com as duas notas descartadas eles deixaram quatro décimos no julgamento.

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui