“Não há palavra em qualquer dicionário do Brasil que possa definir o que a Mangueira é”. Foram essas as palavras expressadas por Nelson Sargento aos foliões presentes na quadra da Mangueira na tarde de sábado, minutos antes de brindar o público cantando alguns de seus sucessos. Com 95 anos completados no último dia 25 de Julho, Nelson Mattos, presidente de honra da Verde e Rosa, mais conhecido como Nelson Sargento, apelido recebido devido a patente mais alta que atingiu no Exército brasileiro, mostrou muita disposição e muito fôlego. Não quis saber de apenas agradecer emocionado ao carinho recebido de toda a escola, mas também cantou alguns sucessos acompanhado pela velha guarda da Mangueira. Sua chegada à quadra, aliás, foi recebida com um aplauso efusivo de toda escola, seguido da escolha de um lugar de honra bem à frente do palco, rodeado por família e amigos. Emocionado, Nelson dedicou a toda nação “mangueirense” algumas palavras de agradecimento em entrevista exclusiva à reportagem do CARNAVALESCO.

“Eu primeiro só posso agradecer a Deus por estar aqui e depois a todas essas pessoas maravilhosas que vieram me prestigiar. Já chorei de emoção nestes dias e hoje vou me emocionar ainda mais”.

E iria se emocionar muito mais, mesmo! Por volta das quatro horas da tarde, ainda com a velha guarda da mangueira tocando, Nelson Sargento veio logo atrás de um cortejo, tendo, ao seu lado, a bandeira da escola além do mestre-sala, Matheus Olivério, e da porta-bandeira, Squel Jorgea, como que guardiões de Nelson, outro pavilhão da Verde e Rosa. A frente, integrantes da velha guarda, e no final, fechando a “procissão”, as baianas.

Matheus Olivério falou da honra de entrar na escola ao lado de Nelson e expressou bastante alegria por a Mangueira realizar homenagens a seus baluartes ainda em vida.

“Acima de tudo, eu que sou um fruto da Verde e Rosa, venho de Xangô da Mangueira, ter uma raiz viva que a gente pode homenagear em vida é um momento histórico. É bonito ver a minha escola honrado suas raízes, dando valor a um ídolo dela e mostrar para o povo que a gente precisa fazer isso. Um poeta, o fundador, uma inspiração pra todos nós que estamos no mundo do samba. Muitos anos de vida pra esta lenda”.

Presidentes anteriores também sobem ao palco para homenagear Nelson

Em um dos momentos mais emocionantes da festa, que também serviu para divulgação da camisa oficial do enredo, o atual presidente da Mangueira, Elias Riche, convocou os ex-presidentes, Álvaro Caetano, o Alvinho, Elmo dos Santos e Chininha para subirem ao palco e ajudarem a completar a homenagem ao presidente de honra da Mangueira. Outra celebridade que esteve presente na festa foi a atriz e apresentadora Regina Casé que tem a honra de ter Nelson Sargento como padrinho de casamento. A apresentadora subiu ao palco e dirigiu algumas palavras a Nelson. Regina também pediu que seu filho representasse toda comunidade Verde e Rosa dando um singelo abraço no homenageado.

O presidente Elias Riche ressaltou a emoção por poder ter a honra de prestar essa homenagem e também destacou o lado humano de Nelson Sargento e seus talentos para diversas artes.

“Eu como presidente hoje, homenageando Nelson com 95 anos, pra mim é uma alegria muito grande! Deus me deu esse privilégio de ainda pegar um dos grandes nomes do samba, grandes nomes da mangueira. Uma pessoa maravilhosa, um ser humano fora do comum. É artista, é pintor, e, eu tenho a felicidade de estar como presidente neste grande momento dele”.

Elias Riche também contou uma história com Nelson Sargento que ficou na memória dos dois devido a um presente bem original que o atual presidente da Mangueira deu ao baluarte nos anos 90.

“O Nelson sempre foi uma pessoa muito simples, sempre muito brincalhão, muito piadista e em uma ocasião, há 20 anos, eu dei de presente um relógio com a marca da Mangueira e até hoje ele me encontra mostra e diz ‘lembra que você me deu’. É marcante pra mim porque ele nunca esqueceu isso. É uma pessoa muito simples, muito amiga, um verdadeiro bastião da Mangueira”.

Nelson Sargento presta homenagem a mangueirenses

Desde os 12 anos de idade no morro da Mangueira, Nelson se contabilizou durante a vida como um artista com diversas aptidões em diferentes áreas. Nelson é pintor, pesquisador de samba, cantor, compositor, só listando algumas de suas qualidades. Homenageado da tarde, mesmo com todos os holofotes virados para o baluarte da Verde e Rosa que já esteve em diversas funções dentro da escola, Nelson Sargento não perdeu seu espírito simples e resolveu retribuir o carinho também prestando uma homenagem a toda a nação verde e rosa.

“Ser mangueira é uma beleza. Ser mangueira é sensacional. Ser mangueira todo mundo quer, porque a mangueira é imortal. Por isso, todos nós aqui vamos ser imortais”.

Comentários