Nos braços da comunidade, parceria de Bira surpreende e arranca para a vitória na Porto da Pedra

1390

Por Guilherme Ayupp e Fiel Matola. Fotos: Magaiver Fernandes

A Porto da Pedra escolheu na madrugada deste sábado para coroar seu desfile do ano que vem o samba-enredo que homenageia o ator Antônio Pitanga. A vitória não foi apenas da parceria campeã, mas de toda a comunidade gonçalense, que compareceu em peso e se posicionou claramente diante de seu samba preferido. A obra vencedora foi feita pelos compositores Bira, Claudinho Guimarães, Duda SG, Márcio Rangel, Alexandre Villela, Guilherme Andrade, Adelyr, Bruno Soares, Rafael Raçudo, Paulo Borges, Eric Costa e Oscar Bessa. O Tigre de São Gonçalo será a quarta a desfilar no sábado de carnaval pela Série A com o enredo “Antônio Pitanga – Um negro em movimento”. Jaime Cezário comanda o desenvolvimento do projeto.

Considerada azarã na disputa desse ano a parceria campeã é a mais vitoriosa nesta década na Porto da Pedra. Simplesmente todos os compositores já venceram pelo menos uma vez na escola de São Gonçalo. Líder do time, Bira alcança a sua sétima conquista desde 2010. Nesta década ele só não triunfou em 2012 e 2015. O único que só venceu uma vez foi Claudinho Guimarães. Márcio Rangel (cinco vezes), Duda SG, Alexandre Vilela e Oscar Bessa, com quatro conquistas cada também engrossam a pesada lista de compositores.

Bira falou à reportagem do CARNAVALESCO sobre a vitória. Segundo ele, jamais houve desconfiança sobre a vitória. Segundo o poeta, a conquista foi da comunidade da escola.

“É a minha vitória mais importante até aqui na Porto da Pedra. Uma final de altíssimo nível. Ter na nossa escola um compositor com a estirpe de Altay Veloso é algo a se celebrar. Conseguimos superá-los. Nosso samba ganhou a comunidade e é nela que uma escola de samba deve apostar para ganhar o carnaval. Essa é uma vitória da comunidade de São Gonçalo”, disse o heptacampeão.

O parceiro Oscar Bessa era só felicidade. “Mais uma vez, nós ganhamos. É força de nossa comunidade. Este ano foi um grande prazer está concorrendo com nomes como Feital e Altay. Estou muito emocionado. A Porto da Pedra ganha acima de tudo. Espero que nossa samba possa proporcionar um grande desfile”.

A parceria teve uma apresentação forte desde o início com uma melodia valente que possibilitou um canto linear. Alguns integrantes de fora da torcida cantaram o samba. Durante a final foi a passagem mais forte. O samba se impôs na quadra desde os primeiros minutos e ao fim dos 25 minutos deixou em todos a sensação de que a justiça seria feita em caso de uma vitória da obra. A comunidade ‘exigiu’ a escolha do samba ao gritar durante o discurso antes do anúncio qual era sua obra predileta.

“Essa é a mais bela homenagem que um ser humano pode receber”, Antônio Pitanga, sobre ser enredo da Porto da Pedra

Responsável pela produção do desfile, o carnavalesco Jaime Cezário garante uma leitura fácil do enredo para 2019.

“Antônio Pitanga é uma personalidade que completa 80 anos em 2019, 60 anos dedicado à arte. E a atuação dele no cinema, na televisão e sua militância política fez com que o tema se aproximasse da diretoria. Impossível fazermos um desfile sobre tudo que ele fez, só de cinema são uns 60 filmes, daria muito enredo. Ele é um gigante, logo a ideia é fazer o que já estou adotando na Porto da Pedra, uma leitura fácil, para que as pessoas entendam, se divirtam e se emocionem. E no final queremos que todos aplaudam”

Jaime Cezário adota cautela sobre o favoritismo da Porto da Pedra na Série A.

“As pessoas estão dizendo que somos favoritas. Não adianta sermos favoritas, na verdade, a gente está trabalhando com o pé no chão e de forma sensata como foi nos últimos anos. Não tem essa de favoritismo, favoritismo deixamos para escolas ricas. Queremos trabalhar com tranquilidade”.

Presente na escolha do samba-enredo, o homenageado Antônio Pitanga estava radiante. O ator com a presença da sua família, inclusive, da atriz Camila Pitanga.

É uma felicidade completa ser homenageado e em vida através desse enredo. Aos 80 anos e 60 de careira, essa é a mais bela homenagem que um ser humano pode receber, por essa família de São Gonçalo. É um gesto lindo da escola. Pulo de alegria e de felicidade. O Sambódromo é o maior espetáculo à céu aberto. Contar minha história, do cinema, do teatro, da televisão, dos meus amigos, da minha família e de todo um processo político, social e cultural. Assim como também a questão social. Só tenho agradecer a escola, muito obrigado. Espero que, com esse enredo, traga o campeonato e vamos para o Especial”, contou Pitanga.

Em entrevista ao site CARNAVALESCO, Camila Pitanga falou da homenagem para o pai.

“A maior honra para um brasileiro e carioca é ser homenageado no carnaval. Estou transbordando de alegria por meu pai ser enredo”.

Escola garante vir forte na briga pelo título

O presidente da Porto da Pedra, Fábio Montibelo, revelou queo barracão da escola já está em funcionamento, após o incêndio em julho de 2018.

“Já recuperei o barracão, entramos com uma liminar na justiça, pois querem tirar todos dali, mas seguimos firmes”.

O dirigente estima um gasto forte para o desfile do ano que vem e confia na volta do Tigre ao Especial.

“Está na hora da Porto da Pedra voltar para o Especial. Este ano nós estamos estimando um orçamento em torno de R$ 1 milhão e meio, contando patrocínios de amigos e da prefeitura de São Gonçalo”.

Luizinho Andanças: ‘Se não errarmos, vamos subir para o Especial’

O intérprete Luizinho Andanças ficou fora do carnaval em 2017 e regressou justamente na escola onde obteve a maior projeção. Entre 2005 e 2011 foi a voz da Porto da Pedra. Retornou em 2018 e obteve junto do Tigre de São Gonçalo o terceiro lugar na Série A. Ao site CARNAVALESCO, Andanças falou sobre o retorno e a relação com a escola.

“Fiquei muito feliz nesse carnaval. Primeiro pelo meu retorno, depois de um ano fora. Ninguém gosta de ficar afastado daquilo que ama e eu não sou diferente. Ter podido voltar na agremiação onde fui tão feliz me deixou duplamente realizado. Eu sempre digo que saí daqui deixando a porta encostada. Por isso foi fácil reabri-lá. Meu carinho pela comunidade de São Gonçalo é enorme”, derrete-se o intérprete.

Andanças não se faz de rogado e abandona o discurso pronto ao ser indagado sobre o favoritismo da Porto da Pedra para voltar ao Grupo Especial em 2020.

“Olha, com todo o respeito que sempre temos de ter pelas coirmãs, mas eu acho que se a gente não errar e trabalhar com seriedade que estamos trabalhando acho que vai dar a gente. Temos um grande samba, escolhido por aclamação, uma equipe forte, uma posição de desfile excelente. Agora é com a gente”, finaliza.

Mestre Pablo garante mudança na bateria, apesar dos 40 pontos

Sempre uma atração a parte na avenida mestre Pablo revelou ao CARNAVALESCO que não apenas já pensou como tem na cabeça o seu figurino que vai representar na avenida no ano que vem. O comandante da Ritmo Feroz aposta no casamento do samba com a bateria na avenida.

“Já tenho na cabeça o meu figurino para 2019. Mas obviamente é segredo. Minha bateria é na frente, então, optamos por um samba com melodia empolgante. Não podíamos optar por um samba morno senão não aguenta o tranco”, avisou.

Pablo comemorou o desempenho da bateria Ritmo Feroz na avenida em 2018, mas prometeu mudanças para o desfile do ano que vem.

“Tivemos os 40 pontos, graças a Deus. Não é fácil hoje cravar as notas máximas. O nível é alto demais. Vamos trabalhar para repetir. Toda quarta de cinzas eu me arrependo de ser mestre. É um sofrimento muito grande (risos). A gente sempre tem algumas mudanças pontuais a fazer a cada ano, até para não ficar repetitivo. As pessoas esperam novidade”, comenta.

Casal quer manter os 40 pontos

Um dos melhores casais da Série A no Carnaval 2018, Rodrigo França e Cintya Santos, já pensam no desfile de 2019 e torná-lo ainda melhor que o desse ano.

“Estou muito feliz com a nossa atuação deste ano. Nós já estamos ensaiando desde julho, para continuar no pique e mantermos os 40 pontos. É trabalhar para ano que vem. Em relação a roupa, eu pedi que nós continuássemos completos: de capa, esplendor e cabeça, continuando com o tradicional”, disse o mestre-sala.

A porta-bandeira já deu dicas da sua fantasia para o Carnaval 2019.

“O está me escondendo, fico perguntando e ele ainda não me disse nem qual será o primeiro setor, acho que será algo afro. Eu não esperava tanta repercussão da forma que foi esse ano, não esperava ser a única com 40 pontos. Esperava o reconhecimento sim, este que tantos anos eu lutei para conseguir e, principalmente, por eu ser gorda. Só tenho a agradecer. Para 2019, não quero perder o que nós temos de positivo, que é a dança clássica do casal, pode ser que tenha uma coreografia, mas com aquele “arroz e feijão” que não pode faltar”.

Como foram as apresentações dos sambas finalistas

Parceria de Capitão Barreto: O samba foi defendido na quadra pelos intérpretes Roger Linhares e Marquinho do Banjo. A torcida era bem tímida e pequena. A apresentação não conseguiu contagiar a quadra e com poucos integrantes acabou se apresentando de forma burocrática.

 

Parceria de Altay Veloso: O samba despontou favorito desde as primeiras audições sendo uma das obras mais influentes nas redes sociais desde a inscrição. Na final a torcida já cantava o samba antes do início oficial da apresentação. Entretanto, a apresentação foi bastante aquém de toda essa expectativa gerada. Embora longo para os padrões atuais, com sete linhas, o refrão tem uma rara construção poética, com destaque para a gratidão de Antônio Pitanga a São Gonçalo. A construção melódica arrojada sempre encontrada nos sambas da parceria talvez seja o grande diferencial do samba e interferiu decisivamente na apresentação. A dupla de cantores Igor Vianna e Thiago Britto demonstrou muito entrosamento e segurança na condução da obra.

Parceria de Guga Martins: Apostando em um refrão forte e valente a parceria foi a que trouxe a torcida mais numerosa à final. O samba optou por um caminho melódico mais voltado a um andamento à frente para a bateria. A torcida fez uma grande festa. Wantuir, hoje na Unidos da Tijuca, e que recebeu a primeira oportunidade como cantor oficial na Porto da Pedra, defendeu a obra na quadra. O samba apresentava passagens na letra com forte engajamento político, como “negro, pobre e favelado também pode sonhar”, devido ao perfil do homenageado.

O site CARNAVALESCO fez um levantamento completo sobre as vitórias de cada compositor campeão da parceria na Porto da Pedra.

Bira (2010, 2011, 2013, 2014, 2017, 2018 e 2019)
Márcio Rangel (2013, 2014, 2017, 2018 e 2019)
Alexandre Villela (2014, 2017, 2018 e 2019)
Duda SG (2013, 2014, 2018 e 2019)
Eric Costa (2014, 2017 e 2019)
Oscar Bessa(2012, 2017, 2018 e 2019)
Guilherme Andrade (2018 e 2019)
Adelyr (2017, 2018 e 2019)
Bruno Soares (2017, 2018 e 2019)
Rafael Raçudo (2017, 2018 e 2019)
Paulo Borges (2017 e 2019)
Claudinho Guimarães (2019)

Comentários