Edson Pereira em 2019 surpreendeu todos os presentes na Sapucaí pelo desfile majestoso, luxuoso e exuberante que realizou na Vila Isabel. Esse ano, a situação não foi diferente. Com alegorias imensas e com muito brilho, o artista também colocou seu toque nas fantasias, em especial, na ala das baianas.

O enredo da Vila Isabel para 2020 contava a história do índio menino-Brasil que sonhou sobre uma joia rara prometida, Brasilia. Nas asas de Jaçanã, o curumim percorre todo o país sabendo que a união de seu povo será a grande verdade.

Com o nome, “Caldeirão de Brasilidade”, as baianas da escola de Noel estavam vestidas com uma roupa destacando o verde e o amarelo, referência direta as cores da bandeira do Brasil. Além disso, todas as componentes da ala estavam maquiadas com tonalidades de verde mais escuro e uma pequena linha amarela, dando contrataste. Na saia, a presença de diversas bananas que simbolizam a “República das Bananas”, presente no sonho do menino-Brasil. No peito, destaca-se os tons de verde com um acabamento impecável e com muita simplicidade. Na parte da cabeça, a presença de um grande cocar com grandes penas esverdeadas é uma enorme trança, realçam a beleza e acrescentam ainda mais o movimento do giro. De maneira geral, a fantasia apresenta uma ideia muito boa sobre o enredo e criando uma sátira com boa leitura sobre as repúblicas das bananas.

Katia Antunes, integrante da ala das baianas pela primeira vez, diz que sempre foi uma vontade sua é que acha a fantasia impactante.

“Como comunidade, já desfilei três vezes pela Vila. Agora como baiana é a primeira. A fantasia era super leve e achei muito bonita. Tenho certeza que causou um belo impacto visual na avenida”, afirmou.

Comentários